Este estranho artrópode aquático não tinha olhos e usava ‘pernas-de-pau’ para se locomover

0
106
Impressão artística do Tomlinsonus dimitrii. Créditos: Christian McCall / ROM.

Por Jennifer Nalewicki
Publicado na Live Science

Paleontólogos anunciaram recentemente a descoberta de um animal antigo “excepcionalmente bem preservado” perto da margem leste do Lago Simcoe, no sul de Ontário, Canadá, em uma pedreira tão rica em fósseis marinhos que os cientistas apelidaram a área de “Paleo Pompeia”.

Batizada de Tomlinsonus dimitrii, a espécie representada pelo espécime faz parte de um grupo extinto de artrópodes conhecidos como marrelomorfos que viveram há aproximadamente 450 milhões de anos, durante o período Ordoviciano, informou a equipe de pesquisa em um novo estudo.

Outros fósseis de equinodermos que são abundantes na área normalmente contêm partes do corpo mineralizadas que são mais propensas a serem preservadas ao longo do tempo, mas esta espécie é totalmente de corpo mole, tornando a descoberta ainda mais surpreendente.

“Não esperávamos encontrar uma espécie de corpo mole neste local”, disse o principal autor do estudo, Joseph Moysiuk, doutorando em ecologia e biologia evolutiva da Universidade de Toronto e pesquisador do Museu Real de Ontário (ROM, na sigla em inglês) de Toronto.

“Quando pensamos em fósseis, normalmente pensamos em coisas como ossos e conchas de dinossauros. No entanto, a preservação de tecidos moles é muito rara, e existem apenas alguns locais ao redor do mundo onde organismos de corpo mole foram encontrados”, disse Moysiuk à Live Science.

Medindo 6 centímetros – quase o comprimento de um dedo indicador e capaz de caber na palma de uma mão – o espécime apresenta um casco na cabeça ornamentado que contém dois chifres curvos cobertos de espinhos semelhantes a penas. O corpo segmentado do animal se assemelha ao de outros artrópodes, como insetos e aranhas, e contém vários conjuntos de membros segmentados – incluindo um par muito incomum.

“Debaixo da cabeça, há este incrível par de membros que são extremamente longos e têm projeções semelhantes a pés nas extremidades terminais, que achamos que provavelmente costumavam perfurar o fundo do mar”, disse Moysiuk. “Ele também parece ser cego, já que não tem olhos”.

Pesquisadores descobriram o bizarro artrópode no verão passado durante uma escavação formal de uma pedreira ativa de propriedade do Grupo Tomlinson, uma empresa de serviços de infraestrutura com sede no leste do Canadá. (Os paleontólogos nomearam a espécie Tomlinsonus dimitrii como uma homenagem ao Grupo Tomlinson por deixá-los escavar o local.)

Antes dessa escavação, liderada por George Kampouris, coautor do estudo e técnico paleontológico independente que investiga os leitos de fósseis da pedreira desde 2014, os marrelomorfos eram predominantemente encontrados em sítios fósseis mais antigos, como os Xistos de Burgess do Cambriano nas Montanhas Rochosas Canadenses da Colúmbia Britânica.

O fóssil de Tomlinsonus dimitrii (à esquerda) e um desenho do espécime. Crédito: ROM.

De acordo com paleontólogos, o espécime recém-descrito se assemelha a outra espécie de artrópode extinto de corpo mole chamado Marrella splendens, encontrado nos Xistos de Burgess.

Semelhante aos Xistos de Burgess, a pedreira do Lago Simcoe já foi submersa na água e fazia parte de um mar marinho tropical raso que cobria grande parte do que hoje é o Canadá moderno. Ao longo de milhões de anos, o fundo do mar ficou coberto de sedimentos levados ​​por tempestades.

“O que estamos vendo é o rápido sepultamento desses organismos que viviam neste fundo plano e raso do oceano e foram repetidamente sufocados por grandes fluxos de lama submarinos provenientes de tempestades”, disse Moysiuk. “Você pode imaginar furacões atingindo esta área de plataforma rasa e enterrando toda a comunidade de organismos, e é por isso que apelidamos o local de ‘Paleo Pompeia’. Esses organismos foram sepultados exatamente onde viviam, e o que estamos vendo são eles congelados no tempo”.

Moysiuk e seus colegas pesquisadores esperam que essa descoberta ajude a “fechar a lacuna” no registro fóssil para esse grupo de artrópodes, escreveram no estudo.

O espécime de Tomlinsonus dimitrii está agora na coleção do ROM e está atualmente em exibição na Galeria Willner Madge como parte da exposição “Dawn of Life” (Alvorecer da Vida, na tradução livre) do museu.

As descobertas foram publicadas no Journal of Paleontology.