Este tubarão brilha através de um processo até então desconhecido pela ciência

Por Elizabeth Pennisi
Publicado na Science

Para um tubarão tímido que passa a maior parte do tempo descansando no fundo do mar (veja o vídeo acima), o tubarão-gato certamente usa uma roupa chamativa. Tanto ele quanto o tubarão tubarão-inchado são os únicos tubarões conhecidos por emitirem um brilho verde quando expostos à luz. Agora, os pesquisadores rastrearam a origem dessa fluorescência – e não é nada parecido com o que viram antes.

Águas-vivas brilhantes podem ser as mais famosas criaturas marinhas fluorescentes – irradiando cores verdes e azuis brilhantes – e os cientistas utilizaram suas proteínas para proteínas nas células e, até mesmo, criar gatos que brilham no escuro. No rastro de mais dessas proteínas, pesquisadores que examinam peixes brilhantes – são 180 conhecidos até agora – concentraram-se na cadeia dos tubarão-gato e tubarão-inchado, nativos das águas da costa sul da Califórnia e do nordeste dos Estados Unidos, respectivamente.

Quando os pesquisadores pegaram um pedaço da pele de tubarões vivos e extraíram todos os compostos, eles ficaram surpresos: os compostos incandescentes não eram proteínas, mas produtos de decomposição de uma forma incomum do aminoácido triptofano. Nos animais, a maior parte do triptofano vai para a criação de proteínas. Mas alguns são convertidos em um composto chamado quinurenina, que, por sua vez, é um bloco de construção para a niacina, uma vitamina, e está envolvida com diabetes, inflamação, depressão e, até mesmo, câncer. Quando um átomo do bromo do elemento se aproxima, essa quinurenina libera um brilho verde quando exposta à luz azul abaixo da superfície do oceano, de acordo com a equipe que relatou ao iScience.

Esses tubarões normalmente ficam no fundo do oceano, esperando para emboscar polvos e outras criaturas marinhas. Ninguém realmente sabe por que eles brilham, embora possa ajudar as espécies de tubarão a diferenciarem-se umas das outras ou reconhecer parceiros em potencial, já que machos e fêmeas têm diferentes padrões fluorescentes. Mas esses compostos também podem proteger os tubarões, pois um dos compostos brilhantes mata as bactérias. E dado que esses animais nadam em sedimentos carregados de bactérias no fundo do oceano, tais propriedades antibacterianas provavelmente são muito úteis.

CONTINUAR LENDO