Estes são os 4 lugares mais promissores para a vida alienígena em nosso Sistema Solar

0
448
Créditos: NASA / JPL-Caltech / MSSS.

Por Gareth Dorrian
Publicado no The Conversation

A biosfera da Terra contém todos os ingredientes conhecidos necessários para a vida como a conhecemos. Em termos gerais, são: água líquida, pelo menos uma fonte de energia e um inventário de elementos e moléculas biologicamente úteis.

Mas a recente descoberta de fosfina, possivelmente biogênica, nas nuvens de Vênus nos lembra que alguns desses ingredientes existem em outras partes do Sistema Solar também. Então, onde estão os outros locais mais promissores para a vida extraterrestre?

Marte

Créditos: ESA / MPS.

Marte é um dos mundos mais semelhantes à Terra no Sistema Solar. Tem um dia de 24,5 horas, calotas polares que se expandem e se contraem com as estações, e uma grande variedade de características em sua superfície que foram esculpidas pela água durante a história do planeta.

A detecção de um lago sob a calota polar sul e de metano na atmosfera marciana (que varia com as estações e, até mesmo, a hora do dia) torna Marte um candidato muito interessante para a vida.

O metano é significativo, pois pode ser produzido por processos biológicos. Mas a verdadeira fonte do metano em Marte ainda não é conhecida.

É possível que a existência de vida tenha uma certa base, dadas as evidências de que o planeta já teve um ambiente muito mais favorável para a vida como a conhecemos. Hoje, Marte tem uma atmosfera muito fina e seca composta quase inteiramente de dióxido de carbono.

Isso oferece pouca proteção contra a radiação solar e cósmica. Se Marte conseguiu reter algumas reservas de água abaixo de sua superfície, não é impossível que ainda exista vida.

Europa

Créditos: NASA / JPL-Caltech / SETI Institute.

Europa foi descoberta por Galileu Galilei em 1610, junto com as três outras luas maiores de Júpiter. É ligeiramente menor que a Lua da Terra e orbita o gigante gasoso a uma distância de cerca de 670.000 km a cada 3,5 dias.

Europa é constantemente ‘espremida e esticada’ pelos campos gravitacionais concorrentes de Júpiter e das outras luas galileanas, um processo conhecido como flexão de maré. Ela é considerada um mundo geologicamente ativo, como a Terra, porque a forte flexão de maré aquece seu interior rochoso e metálico e o mantém parcialmente derretido.

A superfície de Europa é uma vasta extensão de água congelada. Muitos cientistas pensam que abaixo da superfície congelada há uma camada de água líquida – um oceano global – que é impedida de congelar pelo calor da flexão de maré e que pode ter mais de 100 km de profundidade.

As evidências desse oceano incluem gêiseres em erupção através de rachaduras na superfície do gelo, um campo magnético fraco e um terreno caótico na superfície, que poderia ter sido deformado pelas correntes oceânicas que se mexem abaixo. Esse escudo de gelo isola o oceano subterrâneo do frio extremo e do vácuo do espaço, bem como dos ferozes cinturões de radiação de Júpiter.

No fundo desse mundo oceânico, é concebível que possamos encontrar fontes hidrotermais e vulcões no fundo do oceano. Na Terra, esses recursos geralmente sustentam ecossistemas muito ricos e diversos.

Encélado

Créditos: NASA / JPL-Caltech / Space Science Institute.

Como Europa, Encélado é um satélite natural coberto de gelo com um oceano subterrâneo de água líquida. Encélado orbita Saturno e chamou a atenção dos cientistas, pela primeira vez como um mundo potencialmente habitável, após a descoberta surpreendente de enormes gêiseres perto do polo sul.

Esses jatos de água saem de grandes rachaduras na superfície e, devido ao fraco campo gravitacional de Encélado, espalham-se pelo espaço. Eles são evidências claras de um armazenamento subterrâneo de água líquida.

Não apenas foi detectada água nesses gêiseres, mas também uma série de moléculas orgânicas e, crucialmente, pequenos grãos de partículas rochosas de silicato que só podem estar presentes se a água do oceano subsuperficial estiver em contato físico com o fundo do oceano rochoso a uma temperatura de pelo menos 90˚C.

Essa é uma evidência muito forte da existência de fontes hidrotermais no fundo do oceano, fornecendo a química necessária para a vida e fontes localizadas de energia.

Titã

Créditos: NASA / JPL-Caltech / Space Science Institute.

Titã é o maior satélite natural de Saturno e o único do Sistema Solar com uma atmosfera substancial. Ele contém uma espessa névoa laranja de moléculas orgânicas complexas e um sistema climático com metano no lugar da água – completando com chuvas sazonais, períodos de seca e dunas de areia superficiais criadas pelo vento.

A atmosfera consiste principalmente de nitrogênio, um importante elemento químico usado na construção de proteínas em todas as formas de vida conhecidas. As observações de radar detectaram a presença de rios e lagos de metano e etano líquidos e, possivelmente, a presença de criovulcões – formações semelhantes a vulcões que fazem erupção de água líquida em vez de lava.

Isso sugere que Titã, como Europa e Encélado, tem uma reserva subterrânea de água líquida.

A uma distância tão longe do Sol, as temperaturas da superfície de Titã são gélidas – -180˚C – muito frias para água líquida. No entanto, os abundantes produtos químicos disponíveis em Titã levantaram especulações de que formas de vida – potencialmente com uma química fundamentalmente diferente dos organismos terrestres – poderiam existir lá.