Estrutura de 7.000 anos perto de Praga é mais antiga que o Stonehenge e as pirâmides egípcias

Está entre as 'evidências mais antigas de arquitetura' na Europa.

0
49
Uma vista aérea da rotunda de Vinoř perto de Praga, mostrando três entradas separadas. (Créditos: Instituto de Arqueologia da Academia Tcheca de Ciências)

Traduzido por Julio Batista
Original de

Arqueólogos escavando perto de Praga descobriram os restos de uma estrutura da Idade da Pedra que é mais antiga que Stonehenge e até as pirâmides egípcias: um complexo enigmático conhecido como rotunda. Quase 7.000 anos atrás, durante o final do Neolítico, ou Nova Idade da Pedra, uma comunidade agrícola local pode ter se reunido neste edifício circular, embora seu verdadeiro propósito seja desconhecido.

A rotunda escavada é grande – cerca de 55 metros de diâmetro, ou cerca do tamanho da  Torre Inclinada de Pisa, informou a Rádio Prague International. E embora “é muito cedo para dizer qualquer coisa sobre as pessoas que construíram esta rotunda”, está claro que elas faziam parte da cultura do Danúbio Médio, que floresceu entre 4900 a.C. e 4400 a.C., disse Jaroslav Řídký, porta-voz do Instituto de Arqueologia da Academia Tcheca de Ciências (IAP) e especialista em rotundas da República Tcheca, à Live Science em um e-mail.

Miroslav Kraus, diretor da escavação da rotunda no distrito de Vinoř em nome do IAP, disse que revelar a estrutura pode dar uma pista sobre o uso do edifício. Os pesquisadores descobriram pela primeira vez sobre a existência do rotunda de Vinoř na década de 1980, quando trabalhadores da construção civil estavam instalando oleodutos e gasodutos, de acordo com a Rádio Praga Internacional, mas a escavação atual revelou a totalidade da estrutura pela primeira vez. Até agora, sua equipe recuperou fragmentos de cerâmica, ossos de animais e ferramentas de pedra no preenchimento da vala, de acordo com Řídký.

Os restos orgânicos datados por carbono desta escavação circular podem ajudar a equipe a identificar a data de construção da estrutura e possivelmente vinculá-la a um assentamento neolítico descoberto nas proximidades.

As pessoas que fizeram a cerâmica da cultura do Danúbio Médio são conhecidas por construir outras rotundas na região boêmia da República Tcheca, disse Řídký. Suas aldeias agrícolas sedentárias – localizadas na interseção da atual Polônia, leste da Alemanha e norte da República Tcheca – consistiam em várias malocas, que eram grandes estruturas retangulares que comportavam de 20 a 30 pessoas cada. Mas o “conhecimento da construção de rotundas cruzou as fronteiras de várias culturas arqueológicas”, observou Řídký. “Diferentes comunidades construíram rotundas em toda a Europa central.”

Arqueólogos trabalhando na escavação da rotunda da Idade da Pedra. (Créditos: Instituto de Arqueologia da Academia Tcheca de Ciências)

Rotundas não eram características antigas bem conhecidas até algumas décadas atrás, quando a fotografia aérea e com drones se tornaram uma parte fundamental do kit de ferramentas arqueológicas. Mas agora, os arqueólogos sabem que “as rotundas são a evidência mais antiga de arquitetura em toda a Europa”, disse Řídký à Rádio Prague International no início deste ano.

Vistas de cima, as rotundas consistem em uma ou mais valas circulares largas com vários vãos que funcionavam como entradas. A parte interna de cada rotunda provavelmente foi forrada com postes de madeira, talvez com lama cobrindo as lacunas, de acordo com a Rádio Prague International. Centenas dessas obras de terraplenagem circulares foram encontradas em toda a Europa central, mas todas datam de apenas dois ou três séculos. Embora sua popularidade no final do Neolítico seja clara, sua função ainda está em questão.

Trincheiras abertas sendo escavadas por uma equipe do Instituto de Arqueologia da Academia Tcheca de Ciências. (Créditos: Instituto de Arqueologia da Academia Tcheca de Ciências)
Uma parede de trincheira revelando a estratigrafia (diferentes camadas) da escavação.(Créditos: Instituto de Arqueologia da Academia Tcheca de Ciências)

Em 1991, a primeira rotunda conhecida foi encontrada na Alemanha, também correspondendo à cultura do Danúbio Médio. Chamado de Círculo Goseck, tem 75 m de diâmetro e tinha uma paliçada dupla de madeira e três entradas. Como duas das entradas correspondem ao nascer e ao pôr do sol durante os solstícios de inverno e verão, uma interpretação do Círculo Goseck é que ele funcionava como um observatório ou calendário, de acordo com um estudo de 2012 na revista Archaeological Papers of the American Anthropological Association.

Řídký preferiu uma interpretação mais geral da estrutura de Vinoř, observando que “as rotundas provavelmente combinavam várias funções, sendo a mais importante a sócio-ritual”, disse ele à Live Science. É provável que as rotundas tenham sido construídas para reuniões de um grande número de pessoas, talvez para comemorar eventos importantes para eles como comunidade, como ritos de passagem, fenômenos astronômicos ou trocas econômicas.

Dado que as pessoas que construíam rotundas tinham apenas ferramentas de pedra para trabalhar, os tamanhos dessas rotundas são bastante impressionantes – mais comumente, cerca de 60 metros de diâmetro, ou metade do comprimento de um campo de futebol. Mas pouco se sabe sobre as próprias pessoas, pois foram encontrados muito poucos sepultamentos que poderiam fornecer mais informações sobre suas vidas sete milênios atrás.

Após três séculos de popularidade, as rotundas desapareceram repentinamente do registro arqueológico por volta de 4600 a.C. Os arqueólogos ainda não sabem por que as rotundas foram abandonadas. Mas considerando que mais de um quarto de todos as rotundas encontradas até hoje estão localizadas na República Tcheca, pesquisas futuras semelhantes à escavação em Vinoř podem eventualmente ajudar a resolver o mistério das rotundas.