Estudo massivo descobre que inflamação pode ser uma das principais características da depressão

0
172
Créditos: Kittiphan Teerawattanakul / EyeEm / Getty Images.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

No maior estudo desse tipo até o momento, uma análise de 85.895 indivíduos no Reino Unido mostra que um maior risco de depressão está associado a um maior nível de inflamação no corpo – potencialmente possibilitando outra forma de tratar o transtorno de humor.

“Nosso estudo fornece a evidência mais conclusiva até o momento de que pessoas com depressão têm proteínas no sangue indicando ativação do sistema inflamatório”, disse a psicóloga Maria Pitharouli, do King’s College London, no Reino Unido.

“Além disso, por meio de análises aprofundadas de dados de 86.000 pessoas, descobrimos mais sobre os mecanismos que podem estar por trás da relação entre inflamação e depressão”.

Por meio de amostras de sangue, dados genéticos e questionários de saúde física e mental coletados como parte do projeto Biobank do Reino Unido, os pesquisadores foram capazes de controlar fatores como idade, sexo, índice de massa corporal (IMC), tabagismo, consumo de álcool, experiência traumática na infância e status socioeconômico.

Esses outros fatores explicaram apenas parcialmente a ligação entre inflamação e depressão. Embora as evidências aqui não sejam suficientes para mostrar que um causa diretamente o outro, os pesquisadores dizem que isso sugere que pode haver uma ligação biológica direta em algum lugar que ainda não foi descoberta.

A inflamação é uma das principais defesas do corpo contra ataques, mas se não for controlada e regulamentada, pode causar muitos danos por si mesma. Aqui, a equipe procurou a presença de um biomarcador de inflamação chamado proteína c-reativa (PCR) no sangue.

A PCR foi encontrada em níveis mais elevados em cerca de 31 por cento dos indivíduos que relataram ter tido transtorno depressivo maior (TDM) em algum ponto (uma porcentagem que corresponde a outros estudos), em comparação com aqueles que não tiveram.

Os pesquisadores também calcularam uma pontuação de risco poligênico para os participantes do estudo, que é uma medida da probabilidade de alguém desenvolver uma condição baseada apenas na genética. Embora a pontuação de risco poligênico em pessoas com alguma experiência de TDM esteja fortemente associado aos níveis de PCR, essa associação desapareceu no controle do IMC e do tabagismo.

Em outras palavras, o vínculo genético com a depressão parece estar relacionado principalmente ao índice de massa corporal e ao fato de alguém fumar ou não. No entanto, “quanto mais carga genética para a depressão, maior o nível de PCR”, escreve a equipe.

Essa associação é semelhante em peso à observada entre a inflamação e três doenças autoimunes: cirrose biliar, doença de Crohn e artrite reumatoide.

“Nosso estudo destaca como a genética pode ser usada como uma ferramenta para dissecar distúrbios de saúde mental”, disse a epidemiologista genética Cathryn Lewis, do King’s College London.

“Aqui, mostramos que a contribuição genética para a inflamação na depressão vem principalmente dos hábitos de comer e fumar. Essa descoberta é importante para nos ajudar a entender melhor a depressão – e mais uma peça no quebra-cabeça para melhorar o atendimento às pessoas com depressão”.

A próxima etapa dos pesquisadores é tentar descobrir a ligação entre inflamação e depressão, se ela existir. Eles reconhecem que “fatores de confusão psicossociais e clínicos desconhecidos ou não examinados”, como a exposição à depressão materna durante o desenvolvimento no útero, ou dietas não saudáveis, também podem explicar os resultados que produziram.

Embora inflamação e depressão tenham sido associadas em vários estudos anteriores, o que está por trás dessa ligação permanece um mistério – pode ser que algo ainda a ser descoberto esteja causando a inflamação e a depressão, ou que alguma coisa esteja aumentando o risco de outro.

O que o novo estudo faz é dar aos cientistas muito mais dados para trabalhar, especialmente em termos de genética e risco de depressão, que aqui parece ser principalmente devido a comer e fumar. Se tivermos uma melhor compreensão do que está por trás da depressão, podemos ser mais capazes de direcionar os tratamentos a qualquer que seja a fonte.

Outros especialistas não têm tanta certeza sobre a ligação entre inflamação e depressão, mesmo com as novas evidências disponíveis. O geneticista David Curtis, do Colégio Universitário de Londres, no Reino Unido, que não estava envolvido no estudo, disse ter “dúvidas” de que a inflamação acabe desempenhando um papel fundamental na depressão.

“Certamente não há nada que sugira que as pessoas devam tentar tratar sua depressão com medicamentos anti-inflamatórios”, disse Curtis.

“Além de não terem efeito comprovado na depressão, esses medicamentos têm efeitos colaterais perigosos, enquanto os antidepressivos são seguros e eficazes. Os medicamentos anti-inflamatórios são considerados responsáveis ​​por milhares de mortes todos os anos nos EUA”.

A pesquisa foi publicada no American Journal of Psychiatry.