Genes neandertais sugerem estruturas familiares de uma comunidade unida

0
218
(Créditos: Tom Björklund)

Traduzido por Julio Batista
Original de Laurits SkovRichard ‘Bert’ Roberts para o The Conversation

Nossos parentes evolutivos mais próximos, os neandertais (Homo neanderthalensis), já foram espalhados pela Europa e até as montanhas de Altai, no sul da Sibéria.

No entanto, mais de 160 anos desde que os primeiros fósseis neandertais foram desenterrados na Europa, pouco se sabe sobre o tamanho do grupo ou a organização social das comunidades neandertais.

Usando DNA antigo, um novo estudo fornece um registro de uma comunidade neandertal congelada no tempo.

Com nossos colegas, mostramos um grupo de neandertais vivendo na encosta de Altai há cerca de 54.000 anos, composto por talvez 10 a 20 indivíduos. Muitos deles estavam intimamente relacionados – incluindo um pai e sua filha.

Os neandertais mais orientais

As primeiras pistas genéticas para os neandertais foram obtidas há 25 anos a partir de um fragmento de DNA mitocondrial, encontrado em estruturas celulares chamadas mitocôndrias, e não no núcleo da célula.

Estudos subsequentes de DNA mitocondrial e dados nucleares de todo o genoma de 18 indivíduos começaram a pintar um amplo quadro da história dos neandertais, revelando a existência de muitos grupos geneticamente distintos entre cerca de 430.000 e 40.000 anos atrás.

Nosso novo estudo é o primeiro a analisar o DNA antigo dos dentes e ossos de vários neandertais que viveram na mesma época. Os fósseis vieram de escavações arqueológicas da Caverna Okladnikov em meados da década de 1980 e da Caverna Chagyrskaya desde 2007.

Essas cavernas foram usadas pelos neandertais como campos de caça. Os restos de animais como bisões e cavalos são abundantes, e mais de 80 fósseis de neandertais também foram encontrados na caverna Chagyrskaya – uma das maiores coleções desse tipo em qualquer lugar do mundo.

Ambos os locais também contêm ferramentas de pedra distintas que apresentam uma notável semelhança com artefatos encontrados em locais de neandertais na Europa Central e Oriental.

Laços familiares

Para pintar uma imagem detalhada da composição genética e do parentesco desses neandertais, analisamos o DNA mitocondrial (que é transmitido pela linhagem feminina), os cromossomos Y (passados ​​de pai para filho) e dados genômicos (herdados de ambos os pais) de 17 fósseis de neandertais – o maior número já sequenciado em um único estudo.

Os dentes e ossos vieram de 13 indivíduos: 11 da caverna Chagyrskaya e dois da caverna Okladnikov. Sete dos neandertais eram do sexo masculino e 6 do sexo feminino. Oito eram adultos e 5 eram crianças ou adolescentes.

(Créditos: Tom Björklund)

Entre eles estavam os restos mortais de um pai neandertal e sua filha adolescente, bem como um par de parentes de segundo grau – um menino e uma mulher adulta, talvez seu primo, tia ou avó.

Embora o local próximo da Caverna Denisova tenha sido habitado por neandertais desde 200.000 anos atrás, os neandertais de Chagyrskaya e Okladnikov estão mais intimamente relacionados aos neandertais europeus do que aos anteriores na caverna Denisova.

Esta descoberta é consistente com um estudo genômico anterior de um neandertal de Chagyrskaya e a presença de ferramentas de pedra distintas nas cavernas Chagyrskaya e Okladnikov que se assemelham às encontradas em locais neandertais na Europa.

Também descobrimos que os neandertais de Chagyrskaya compartilham várias heteroplasmias – um tipo especial de variante de DNA mitocondrial que normalmente persiste por menos de três gerações.

Juntamente com as evidências de suas conexões familiares próximas, isso indica que os neandertais de Chagyrskaya devem ter vivido – e morrido – na mesma época.

À beira da extinção

Nossas análises também revelaram que essa comunidade neandertal tinha uma diversidade genética extremamente baixa – consistente com um tamanho de grupo de apenas 10 a 20 pessoas.

Isso é muito menor do que a diversidade genética registrada para qualquer comunidade humana antiga ou atual e é mais parecida com a encontrada entre espécies ameaçadas de extinção, como os gorilas-das-montanhas.

Os neandertais de Chagyrskaya não eram uma comunidade de eremitas, no entanto. Descobrimos que a diversidade do DNA mitocondrial era muito maior do que a diversidade do cromossomo Y, o que pode ser explicado pela predominância da migração feminina (em vez de masculina) entre as comunidades neandertais.

Essas migrações envolveram Denisovanos, que ocuparam a Caverna Denisova repetidamente de pelo menos 250.000 anos atrás para cerca de 50.000 anos atrás?

Os denisovanos são um grupo irmão dos neandertais e cruzaram pelo menos uma vez. Isso aconteceu cerca de 100.000 anos atrás, produzindo uma filha de uma mãe neandertal e um pai denisovano.

No entanto, embora os denisovanos estivessem presentes na caverna Denisova na mesma época que os neandertais que viviam nas cavernas de Chagyrskaya e Okladnikov, não encontramos evidências de fluxo de genes denisovanos nesses neandertais nos 20.000 anos que antecederam sua extinção.

Semelhanças de parentesco

Nos últimos anos, várias linhas de evidência mostraram que os neandertais possuíam habilidades técnicascapacidades cognitivascomportamentos simbólicos tão impressionantes quanto os de nossos ancestrais Homo sapiens.

Nossas perspectivas genéticas adicionam uma nova dimensão social a essa noção. Elas fornecem um raro vislumbre da estrutura familiar unida de uma comunidade neandertal que sobreviveu na fronteira leste de sua área geográfica, perto do momento em que sua espécie finalmente foi extinta.


Laurits Skov é pesquisador associado de pós-doutorado do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva Richard ‘Bert’ Roberts é diretor do Centro de Excelência ARC para Biodiversidade e Patrimônio Australiano (CABAH) da Universidade de Wollongong