Há 13.000 anos, uma tempestade de fogo cobriu 10% da superfície da Terra, desencadeando uma era do gelo

0
497
Créditos: Patrick Orton / Getty Images.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Em um ponto há cerca de 12.800 anos, um décimo da superfície da Terra de repente ficou coberta por incêndios crepitantes.

A tempestade de fogo rivalizou com a que eliminou os dinossauros, e provavelmente foi causada por fragmentos de um cometa que teria medido cerca de 100 quilômetros de diâmetro.

À medida que as nuvens de poeira sufocavam a Terra, elas deram início a uma mini era do gelo que manteve o planeta frio por mais mil anos, sendo que ele já havia acabado de passar 100.000 anos coberto por geleiras. Uma vez que os incêndios apagaram, a vida pôde recomeçar.

“A hipótese é que um grande cometa se fragmentou e os pedaços impactaram a Terra, causando esse desastre”, disse Adrian Melott, da Universidade do Kansas (EUA), coautor de um estudo de 2018 detalhando esse evento catastrófico. “Várias assinaturas químicas diferentes – dióxido de carbono, nitrato, amônia e outras – parecem indicar que surpreendentes 10% da superfície terrestre da Terra, ou cerca de 10 milhões de quilômetros quadrados, foram consumidos por incêndios”.

Para examinar os incêndios e as ondas de choque deste grande evento, um grande número de marcadores geoquímicos e isotópicos foram medidos em mais de 170 locais em todo o mundo, envolvendo uma equipe de 24 cientistas.

Uma das análises realizadas foi sobre os padrões nos níveis de pólen, que sugeriam que florestas de pinheiros foram repentinamente queimadas para serem substituídas por álamos – uma espécie especializada em cobrir terrenos áridos, como quando os que surgem quando seu planeta é atingido por um série de bolas de fogo maciças.

De fato, partes do cometa que se desintegraram no espaço provavelmente ainda estarão flutuando em nosso Sistema Solar 13.000 anos depois.

Altas concentrações de platina – frequentemente encontradas em asteroides e cometas – e altos níveis de poeira também foram observados nas amostras analisadas pelos pesquisadores, juntamente com concentrações aumentadas de aerossóis de combustão que você esperaria ver se muita biomassa estivesse queimando: amônia, nitrato , e outros.

As plantas morreram, as fontes de alimentos teriam sido escassas e as geleiras anteriormente recuadas começaram a avançar novamente, observou a equipe. A cultura humana teria que se adaptar às condições mais severas, com o declínio das populações como resultado.

“Os cálculos sugerem que o impacto teria esgotado a camada de ozônio, causando aumento do câncer de pele e outros efeitos negativos à saúde”, disse Melott.

A equipe levantou a hipótese de que um impacto tão generalizado de fragmentos de cometas e a tempestade de fogo que se seguiu são responsáveis ​​​​por esse pouco de resfriamento extra conhecido como o período do Dryas Recente. Essa oscilação relativamente breve na temperatura do planeta às vezes foi atribuída a mudanças nas correntes oceânicas.

No entanto, o impacto do cometa não é uma ideia completamente nova, embora esta pesquisa recente se aprofunde muito para tentar encontrar evidências para isso. Os cientistas vêm debatendo se o impacto de um cometa deu início ao evento do Dryas Recente há vários anos.

Nem todos concordam que os dados apontam para um impacto de fragmentos de cometa, mas este trabalho abrangente oferece mais suporte para a hipótese, assim como as esculturas antigas encontradas na Turquia em 2017 – esculturas que retratam um impacto devastador de um objeto interestelar.

“A hipótese do impacto ainda é uma hipótese, mas este estudo fornece uma enorme quantidade de evidências, que argumentamos que só podem ser explicadas por um grande impacto cósmico”, disse Melott.

A pesquisa foi publicada aquiaqui no Journal of Geology.