Há um enorme fator oculto na evolução dos seres humanos ao longo de 2 milhões de anos

0
307
Créditos: Ansap / Getty Images.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

O curso da evolução humana nos últimos 2 milhões de anos foi moldado por mudanças de habitação ligadas a mudanças climáticas impulsionadas astronomicamente, sugerem cientistas em um novo estudo.

Usando uma simulação de supercomputador sem precedentes do clima da Terra à medida que passava por mudanças climáticas ao longo da época do Pleistoceno, os pesquisadores descobriram que mudanças em variáveis ​​como precipitação e temperatura estavam ligadas a como uma variedade de diferentes espécies de hominídeos, incluindo o Homo sapiens, se estabeleceram ou vagaram por eras da pré-história humana.

“Mesmo que diferentes grupos de humanos arcaicos preferissem diferentes ambientes climáticos, seus habitats responderam a mudanças climáticas causadas por mudanças astronômicas na oscilação do eixo da Terra, inclinação e excentricidade orbital”, disse o físico climático Axel Timmermann, da Universidade Nacional de Busan, na Coreia do Sul.

Os resultados acrescentam peso significativo ao argumento de que episódios pré-históricos de mudanças climáticas ajudaram a estimular desenvolvimentos evolutivos no gênero Homo – uma hipótese há muito tempo considerada, mas difícil de provar, devido à falta de dados climáticos concretos que se sobrepõem contemporaneamente com descobertas de espécies arcaicas de humanos no registro fóssil.

“Um dos problemas mais notáveis ​​é que os registros terrestres de informações de habitat – como os obtidos de afloramentos sedimentares e núcleos perfurados de paleolagos – são frequentemente limitados em termos de prazos de dados disponíveis”, explicou o arqueólogo Michael Petraglia, do Instituto Max Planck de Ciência da História Humana na Alemanha, que não esteve envolvido com o estudo, mas é o autor de um comentário sobre os resultados.

Para contornar o problema, Timmermann e sua equipe modelaram mudanças nas condições ambientais em toda a Terra durante um período de 2 milhões de anos, incorporando mudanças climáticas desencadeadas astronomicamente devido ao movimento da Terra, conhecido como ciclos de Milankovitch.

A simulação, executada em um supercomputador sul-coreano chamado ALEPH, levou mais de seis meses para processar os números, produzindo o que a equipe diz ser a simulação abrangente de modelo climático mais longa até o momento.

Os pesquisadores então compararam os dados com a presença documentada de várias espécies de hominídeos no registro fóssil – incluindo Homo erectus, H. heidelbergensis e H. neanderthalensis, entre outros – e abrangendo mais de 3.000 fósseis de hominídeos geocronologicamente classificados e materiais associados.

Os resultados contam uma história complexa de como diferentes grupos de hominídeos se dispersaram pela Terra ao longo do tempo, mas também sugerem que as dispersões (e períodos contrastantes de habitação no mesmo local) estavam ligadas a padrões climáticos que afetam fatores como adequação de temperatura e disponibilidade de alimentos.

“Nosso estudo documenta que o clima desempenhou um papel fundamental na evolução do nosso gênero Homo“, disse Timmermann. “Somos quem somos porque conseguimos nos adaptar ao longo de milênios a mudanças lentas no clima do passado”.

Como exemplo, os pesquisadores sugerem que as pressões climáticas no sul da África pode ter sido o que levou ao surgimento do H. sapiens, enquanto o H. heidelbergensis estava em extinção. Além de sugerir que os dados climáticos desempenharam um papel na evolução humana, o estudo vai ainda mais longe, argumentando que as mudanças na adaptação humana não podem ser totalmente explicadas sem recorrer a uma compreensão mais ampla dos fatores climáticos que afetam os ecossistemas.

“Para entender a evolução dos hominídeos durante o Pleistoceno, toda a complexidade espacial e temporal do sinal climático e a adequação do habitat correspondente devem ser consideradas”, escreveram os pesquisadores.

Segundo Petraglia, caberá a novas investigações de campo verificar experimentalmente tais ideias, examinando cuidadosamente os registros fósseis para descobrir vestígios de informações paleoambientais que ainda não descobrimos.

“Ainda há muito a aprender sobre as implicações evolutivas da variabilidade climática nos últimos 2 milhões de anos”, escreveu. “[Este] estudo fornece um ponto de partida para testar uma série de teorias sobre como as mudanças climáticas e de habitat moldaram a distribuição, diversificação e dispersão das espécies de hominídeos”.

As descobertas são relatadas na Nature.