“Homeopatia não funciona”, diz estudo

Médicos especialistas testaram pesquisas e tratamentos para 68 condições e descobriram que elas não tiveram efeito.

Crédito da Imagem: Homoeopathy Consultants.

Por Helen Davidson
Publicado no The Guardian

A homeopatia não é mais eficaz do que um placebo, de acordo com um amplo estudo realizado pela Australia’s National Health and Medical Research Council.

O estudo da Australia’s National Health and Medical Research Council (NHMRC) avaliou a eficácia da medicina alternativa em 68 condições de saúde e concluiu que “não há nenhuma evidência confiável de que a homeopatia é eficaz”.

A homeopatia alega que “semelhantes curam semelhantes”, usando formulações altamente diluídas. The Australian Homeopathic Association afirma que “a prática trata pacientes por completo, tendo em conta a personalidade, estilo de vida e fatores hereditários, bem como o histórico de doenças.”

Mas a revisão da NHMRC, conduzida por um comitê de peritos médicos, disse que não teve nenhum impacto em uma série de condições e doenças, incluindo asma, artrite, distúrbios do sono, gripes e resfriados, síndrome crônica, eczema, cólera, queimaduras, malária e vício em heroína.

Para as 68 condições – incluindo aqueles listados – a revisão concluiu definitivamente que a homeopatia não foi mais eficaz do que um placebo, ou pelo menos não havia nenhuma evidência confiável para sugerir que era.

“Nenhum estudo à favor da homeopatia havia sido feito com um número de participantes suficientes para um resultado significativo, nem que a homeopatia causa melhoras na saúde em relação a uma substância sem efeito, ou que a homeopatia causa melhora na saúde em relação àqueles que não receberam tratamento”, diz o resumo do relatório.

Os médicos comemoram os resultados.

John Dwyer, um imunologista e professor emérito de medicina na University of New South Wales, disse ao Guardian Australia que o relatório era esperado.

“Obviamente, nós entendemos o efeito placebo. Sabemos que muitas pessoas têm doenças que são de curta duração, que por sua própria natureza, seus corpos irão curá-los, por isso é muito fácil as pessoas cairem em armadilhas,” disse Dwyer.

Dwyer, que também é co-fundador do grupo de lobby científico e vigilante da Friends of Science in Medicine, disse que não era ético para as pessoas prescrever um placebo e “enganar as pessoas”, e disse que as preparações homeopáticas devem ser “postas para fora” de uma vez por todas.

Ele disse que o maior perigo na homeopatia estava em seu uso como uma vacina.

“No meu ponto de vista como um imunologista, a questão mais grave foi a difusão do conceito de que as vacinas homeopáticas eram inofensivas e tão boas como as vacinações ortodoxas. As pessoas que acreditam em homeopatia, não estão protegendo a si mesmas e nem aos seus filhos”, disse Dwyer.

“As vacinas homeopáticas estavam sendo oferecidas para o HIV, a tuberculose, a malária… em nenhum dos casos ela foi eficaz”, disse Dwyer.

O presidente da Austrália Ocidental da Australian Medical Association (AMA), Richard Choong, concordou e disse que a AMA tem prendido por muito tempo que não há nenhuma evidência para apoiar a homeopatia.

“A homeopatia não é uma ciência. Não é baseada em ciência”, disse a Guardian Australia.

“Em muitos casos, ela pode ser considerada perigosa e pode representar um risco de vida para as pessoas, e a vacinação é um exemplo clássico disso”, disse Choong.

“Os pacientes têm sido levados a acreditar que eles foram vacinados de alguma forma usando homeopatia, quando não há nenhuma evidência para dizer que eles tenham sido imunizados contra uma doença que pode causar danos a eles.”

Choong e Dwyer pediram a cessação dos subsídios de seguros médicos privados e a venda de preparações homeopáticas em farmácias. Ambos também criticaram o ensino da prática no ensino superior.

O relatório afirma que “nem todas as provas possui o mesmo valor”, descartando apoio anedótico para a eficácia da homeopatia, e pediu que os profissionais de saúde estarem cientes dos resultados e informar seus pacientes.

“Não é possível dizer se um tratamento de saúde é ou não eficaz simplesmente por considerar as experiências dos indivíduos ou as crenças dos profissionais de saúde”, segundo o relatório.

As inscrições de grupos de interesse em homeopatia e o público estavam entre os estudos avaliados pela NHMRC, mas “não alterou as conclusões” do Conselho, em alguns casos, devido à má qualidade dos estudos apresentados.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorMancha brilhante na direção do Sol em imagem da Curiosity Rover da NASA
Próximo artigoA Cruzada Contra a Razão
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.