Introdução à Astrobiologia

Crédito da Imagem: NASA.

O QUE É ASTROBIOLOGIA?

A astrobiologia é o estudo da origem, evolução, distribuição, e o futuro da vida no Universo: a vida extraterrestre e vida na Terra. Este campo interdisciplinar inclui a busca de ambientes habitáveis no nosso Sistema Solar e planetas habitáveis fora do nosso Sistema Solar, a busca de evidências da química pré-biótica, laboratórios e pesquisas de campo sobre as origens e evolução inicial da vida na Terra, e estudos relacionados ao potencial de vida na Terra e no espaço. A astrobiologia busca abordar questões importantes como: Existe vida fora da Terra? Se sim, como podemos detectá-la?

ASTROBIOLOGIA É CIÊNCIA?

Crédito da Imagem: Centro de Astrobiología.
Crédito da Imagem: Centro de Astrobiología.

Não há registros publicamente conhecidos e amplamente propagados da existência de vida extraterrestre ao longo da história, o que pode soar como um problema em estabelecer uma ciência da astrobiologia. Porém, nos últimos 20 anos, os cientistas encontraram indícios de que a vida pode ser bastante comum no universo, e muitos estão esperançosos de que em breve encontrarão provas de vida fora da Terra.

Algumas dicas vêm da vida terrestre. Biólogos descobriram muitas espécies de extremófilos, que são microorganismos que se desenvolvem em ambientes extremos, como lagos alcalinos, e fissuras da rocha no subsolo. A vida por ter se originado no fundo do oceano em torno de fontes hidrotermais, podem ser características comuns de outros planetas e luas. E os traços químicos do metabolismo aparecem em rochas logo após os ferozes bombardeios por meteoritos na Terra, o que implica que a vida pode ser capaz de começar rapidamente e facilmente.

Meteoritos de Marte ocasionalmente atingiram a Terra. Bactérias ou seus esporos provavelmente podem sobreviver à viagem no espaço, apesar do frio e da radiação intensa, o que significa que a vida primitiva pode um dia ter sido trazida de outros planetas do Sistema Solar, tal hipótese é chamada de panspermia.

QUAL É A DIFERENÇA ENTRE ASTROBIOLOGIA E EXOBIOLOGIA?

Crédito da Imagem: NASA.
Crédito da Imagem: NASA.

Muitos confundem astrobiologia com exobiologia, mas a verdade é que, apesar da definição ser quase semelhante, é uma área mais específica e, portanto limitada. Exobiologia abrange a busca de vida fora da Terra, e os efeitos de ambientes extraterrestres em seres vivos, enquanto que a astrobiologia é mais ampla, e investiga a ligação entre a vida e o Universo, que inclui a busca por vida extraterrestre, mas também inclui o estudo da vida na Terra, sua origem, evolução e limites.

Outro termo usado no passado é xenobiologia, (“biologia dos extraterrestres”) uma palavra usada em 1954, pelo escritor de ficção científica Robert Heinlein em seu trabalho The Star Besta. O termo xenobiologia agora é usado em um sentido mais especializado, que significa “biologia baseada em química alienígena”, seja de origem extraterrestre ou terrestre (possivelmente sintética).

Embora seja um campo emergente e em desenvolvimento, a questão de saber se existe vida em outros lugares do universo é uma hipótese verificável e, portanto, uma linha válida de investigação científica. Embora uma vez considerada fora do “rol” da pesquisa científica, a astrobiologia tornou-se um campo de estudo formal. O cientista planetário David Grinspoon chama a astrobiologia de um campo da filosofia natural, aterrando a especulação sobre o desconhecido, em teoria científica conhecida.

O interesse da NASA em exobiologia começou com o desenvolvimento do programa espacial dos EUA. Em 1959, a NASA financiou seu primeiro projeto de pesquisa em exobiologia, e em 1960, a NASA fundou o programa Exobiologia; o antigo programa de Exobiologia é agora um dos quatro elementos-chave do programa atual da NASA em Astrobiologia. Em 1971, a NASA financiou o Programa SETI (Busca por Vida Extraterrestre Inteligente) para procurar frequências de rádio do espectro eletromagnético que possivelmente estariam sendo transmitidos por vida extraterrestre fora do Sistema Solar. A missão Viking da NASA, que tinha como objetivo a ida para Marte, foi lançada em 1976, e incluindo três experiências biológicas projetadas para procurar possíveis sinais de vida em Marte. A sonda Mars Pathfinder, em 1997, carregava uma carga útil científica destinada à exopaleontologia na esperança de encontrar fósseis microbianos nas rochas marcianas.

No século 21, a astrobiologia se tornou o foco de um número crescente de missões de exploração da NASA e da Agência Espacial Europeia do Sistema Solar. O primeiro seminário europeu sobre astrobiologia ocorreu em maio de 2001, na Itália, e o resultado foi o programa Aurora. Atualmente, a NASA mantém o Instituto de Astrobiologia da NASA e um número demasiadamente grande de universidades nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Canadá, Irlanda e Austrália, que são oferecidos programas de pós-graduação em astrobiologia. A União Astronômica Internacional organiza regularmente conferências internacionais por meio de sua Comissão de Bioastronomia.

ASTROBIOLOGIA NO SÉCULO XXI

Crédito da Imagem: New Scientist.
Crédito da Imagem: New Scientist.

Os avanços nos campos da astrobiologia, astronomia observacional e a descoberta de grandes variedades de extremófilos com extraordinária capacidade de viver em ambientes mais extremos na Terra, levaram à especulação de que a vida pode, eventualmente, ser próspera em muitos dos corpos extraterrestres no Universo. Um foco particular da pesquisa em astrobiologia, é a busca de vida em Marte devido à sua proximidade com a Terra e história geológica. Há um crescente corpo de evidências que sugere que Marte já teve uma considerável quantidade de água em sua superfície, e sabemos, por exemplo, que a água é considerada um precursor essencial para o desenvolvimento da vida baseada em carbono.

Algumas das missões que foram especificamente projetadas para procurar por vida em Marte são os programas Viking e Beagle 2. Os resultados da Viking foram inconclusivos, enquanto a Beagle 2 não conseguiu transmitir a partir da superfície e se presume ter caído. Algumas missões futuras estão sendo planejadas para as geladas luas de Júpiter, em especial, Europa, onde pode ter água em estado líquido debaixo de sua superfície gelada.

Em novembro de 2011, a NASA lançou a Mars Science Laboratory (MSL), apelidado de Curiosity, que pousou em Marte na cratera Gale, em agosto de 2012. Os objetivos da Curiosity incluem uma investigação do clima marciano e sua geologia; avaliar se o ambiente já ofereceu condições ambientais favoráveis para a vida microbiana, incluindo a investigação do papel da água; e habitabilidade planetária.

A Agência Espacial Europeia está atualmente colaborando com a Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos) no desenvolvimento do rover ExoMars, que deve ser lançado em 2018.

VIDA EXTRATERRESTRE INTELIGENTE

Crédito da Imagem: SETI.
Crédito da Imagem: SETI.

E quanto à vida inteligente? A equação de Drake prevê quantas civilizações na galáxia estão atualmente tentando se comunicar conosco, embora alguns fatores na equação são conjecturas quase pura.

Os otimistas enfrentam o paradoxo de Fermi: se civilizações são comuns, então por que nós não os vemos? Os cientistas passaram mais de 40 anos na busca por inteligência extraterrestre (SETI), usando telescópios de rádio para ouvir as transmissões das estrelas. E a Allen Array está sendo construído especificamente para o efeito. Outros astrônomos do SETI estão usando telescópios ópticos para procurar “sinais” de laser. Alguns especialistas acham que devemos procurar estruturas espaciais gigantes ou “Message in a Bottle” (Mensagem em Garrafa) em seu lugar.

Sem sorte até agora, mas provavelmente vamos encontrar alguns sinais estranhos antes de sintonizar na “TV alienígena”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. ESA. First European Workshop on Exo/Astrobiology. (2001).
  2. ESA. ExoMars: ESA and Roscosmos set for Mars Missions. 14 de Março de 2013.
  3. Harold P. Klein. et al. Science. The Viking Biological Investigation: Preliminary Results. 1 de Outubro de 1976.
  4. Markus Schmidt. BioEssays. Xenobiology: A New Form of Life as the Ultimate Biosafety Tool.
  5. Mars Express. Possible Evidence Found for Beagle 2 Location. 21 de Dezembro de 2005.
  6. NASA. About Astrobiology. 15 de Janeiro de 2014.
  7. NASA. NASA’s Next Mars Rover to Land at Gale Crater. 22 de Julho de 2011.
  8. Robert W. Graham. et al. NASA. Extraterrestrial Life in the Universe. Fevereiro de 1990.
  9. Science. ESA Embraces Astrobiology. 1 de Junho de 2001.
  10. Science. Exploring Martian Habitability.
  11. Science. Xenobiology. 21 de Julho de 1961.
  12. Stephen Battersby. New Scientist. An Introduction to Astrobiology. 04 de Setembro de 2006.
CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorMorte magnética deixa secos exoplanetas parecidos com a Terra
Próximo artigoJovem brasileiro se inscreve para fazer viagem sem volta a Marte
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.