Lava antiga revela que o campo magnético da Terra tem de fato um ciclo de 200 milhões de anos

0
99
Diagrama do campo magnético da Terra e do vento solar. Créditos: Naeblys / iStock / Getty Images.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Sabemos que o campo magnético da Terra está sempre mudando em sua direção e intensidade. A rapidez com que essas mudanças estão acontecendo é de grande interesse, considerando que esta característica planetária nos mantém protegidos da violenta radiação cósmica.

Agora, uma nova análise de fluxos de lava antigos no leste da Escócia – preenchendo algumas lacunas cruciais em nossa história de campo magnético – apoiou pesquisas anteriores que apontavam para um ciclo de 200 milhões de anos durante o qual o campo enfraquece e então se fortalece novamente.

A equipe também usou a história magnética que encontraram no registro geológico para verificar outras medições feitas nas últimas décadas e para traçar uma história do campo magnético da Terra que remonta a cerca de 500 milhões de anos.

“Nossas descobertas, quando consideradas juntamente com os conjuntos de dados existentes, apoiam a existência de um ciclo de aproximadamente 200 milhões de anos na força do campo magnético da Terra relacionado aos processos no interior da Terra”, disse a paleomagnetista Louise Hawkins, da Universidade de Liverpool em o Reino Unido.

“Como quase todas as nossas evidências de processos no interior da Terra estão sendo constantemente destruídas por placas tectônicas, a preservação desse sinal das profundezas da Terra é extremamente valiosa como uma das poucas restrições que temos”.

Técnicas de análise paleomagnética térmica e de microondas foram usadas em amostras de rochas de antigos fluxos de lava, com o alinhamento dos cristais minerais dentro deles revelando o estado do campo magnético da Terra no momento em que foram originalmente formados.

A equipe descobriu que entre 332 e 416 milhões de anos atrás, houve uma queda no campo magnético que coincide com outra de 120 milhões de anos atrás. Durante o período anterior, agora chamado de Dipolo do Paleozoico Médio (DPPM), o campo ao redor da Terra tinha cerca de um quarto da força que tem hoje.

Essas datas correspondem ao ciclo de 200 milhões de anos e fornecem aos especialistas alguns novas perspectivas importantes sobre como o campo magnético estava se comportando há mais de 300 milhões de anos, no caminho para um notável Supercron – o nome dado a um período prolongado de tempo em que o campo permanece estável.

“Esta análise magnética abrangente dos fluxos de lava de Strathmore e Kinghorn foi a chave para preencher o período que antecedeu o Supercron Inverso Longo Kiamano, um período em que os polos geomagnéticos estavam estáveis ​​e não mudaram por cerca de 50 milhões de anos”, disse Hawkins.

Se este ciclo se mantiver verdadeiro, e as inversões ou reversões dos polos magnéticos tendem a acontecer a cada 200.000-300.000 anos, na verdade devemos ter outra – para grande preocupação dos cientistas, que não têm certeza de qual será o efeito em toda a tecnologia e nos aparelhos que obviamente não tínhamos na última vez que aconteceu.

Quanto mais sabemos sobre a história do campo magnético da Terra em geral, melhor podemos prever o que ele fará a seguir. Se nosso campo de força contra a radiação espacial começar a desenvolver problemas, precisamos saber disso o mais cedo possível.

Houve outra descoberta bônus na pesquisa também: pensava-se anteriormente que as mudanças na orientação do campo magnético aconteciam quando o campo é mais fraco, e esta é outra hipótese de que os novos dados confirmam.

“Nossas descobertas também fornecem suporte adicional de que um campo magnético fraco está associado a inversões de polos, enquanto o campo é geralmente forte durante um Supercron, o que é importante porque se provou quase impossível melhorar o registro de inversão antes de cerca de 300 milhões de anos atrás”, disse Hawkins.

A pesquisa foi publicada no PNAS.