Magnetar descoberto perto da remanescente de supernova Kesteven 79

0
2065
Crédito: ESA/XMM-Newton/ Ping Zhou, Nanjing University, China.

Artigo traduzido de Phys.org.

As estrelas massivas terminam suas vidas com uma explosão, explodindo como supernovas e liberando grandes quantidades de energia e matéria. O que resta da estrela é uma pequena e extremamente densa remanescente: uma estrela de nêutrons ou um buraco negro.

As estrelas de nêutrons podem ser de vários tipos, dependendo das propriedades, tais como a idade, a força do campo magnético ocultado sob a sua superfície, ou a presença de outras estrelas nas proximidades. Alguns dos processos energéticos que ocorrem em torno de estrelas de nêutrons podem ser explorados com telescópios de raios-X, como o XMM-Newton da ESA.

Esta imagem mostra duas estrelas de nêutrons muito diferentes que foram observadas no mesmo pedaço de céu com o XMM-Newton. A bolha verde e rosa dominante na imagem é Kesteven 79, a remanescente de uma explosão de supernova localizada a cerca de 23000 anos-luz de distância de nós.

A partir das propriedades do gás quente na Kesteven 79 e a partir do seu tamanho, os astrônomos estimam que ela tenha entre 5000 e 7000 anos. Tendo em conta o tempo necessário para a luz viajar até a Terra, isto significa que a supernova que criou deve ter explodido quase 30000 anos atrás. A explosão deixou para trás uma estrela de nêutrons jovem com um campo magnético fraco, que pode ser vista como o ponto azul no centro da Kesteven 79.

Abaixo dela, uma mancha azul indica um corpo completamente diferente: uma estrela de nêutrons ostentando um campo magnético extremamente forte, conhecido como um magnetar. Os astrônomos descobriram esse magnetar, chamado 3XMM J185246.6+003.317, em 2013, olhando para as imagens que foram tiradas em 2008 e 2009. Após a descoberta, eles olharam para imagens anteriores da mesma zona do céu, tiradas antes de 2008, mas não encontraram qualquer vestígio do magnetar. Isto sugere que a detecção correspondeu a uma explosão de raios-X liberada pelo magnetar, provavelmente causada por uma mudança dramática na estrutura do seu campo magnético.

Enquanto a estrela de nêutrons na remanescente de supernova é relativamente jovem, o magnetar tem provável um milhão de anos de idade; a diferença de idade significa que é muito improvável que o magnetar tenha surgido a partir da explosão que criou Kesteven 79.

Esta imagem em cor falsa é um composto de 15 observações realizadas entre 2004 e 2009 com a câmera EPIC MOS a bordo do XMM-Newton. A imagem combina dados coletados em energias 0,3-1,2 keV (mostrado em vermelho), 1,2-2 keV (em verde) e 2-7 keV (em azul).

CONTINUAR LENDO