Marte já teve tanta água que poderia ter sido um mundo oceânico, segundo cientistas

0
115
(Créditos: Sarayut Thaneerat/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Matt Williams para o Universe Today

Hoje, Marte é coloquialmente conhecido como o ‘Planeta Vermelho’ por conta de como sua paisagem seca e empoeirada é rica em óxido de ferro (também conhecido como ‘ferrugem’). Além disso, a atmosfera é extremamente fina e fria, e nenhuma água pode existir na superfície em qualquer forma que não seja gelo.

Mas, como atestam a paisagem marciana e outras linhas de evidência, Marte já foi um lugar muito diferente, com uma atmosfera mais quente e densa e água corrente em sua superfície.

Durante anos, os cientistas tentaram determinar por quanto tempo os corpos naturais existiram em Marte e se eram ou não intermitentes ou persistentes.

Outra questão importante é quanta água Marte já teve e se isso foi ou não suficiente para sustentar a vida. De acordo com um novo estudo de uma equipe internacional de cientistas planetários, Marte pode ter tido água suficiente há 4,5 bilhões de anos para cobri-lo em um oceano global de até 300 metros de profundidade.

Junto com moléculas orgânicas e outros elementos distribuídos por todo o Sistema Solar por asteroides e cometas, eles argumentam, essas condições indicam que Marte pode ter sido o primeiro planeta do Sistema Solar a suportar a vida.

O paper que descreve suas pesquisas e descobertas apareceu recentemente na Science Advances. Como eles indicam em seu paper, os planetas terrestres sofreram um período de impactos significativos de asteroides (o intenso bombardeio tardio) após sua formação há mais de 4,5 bilhões de anos.

Acredita-se que esses impactos sejam como a água e os blocos de construção da vida (moléculas orgânicas) foram distribuídos por todo o Sistema Solar. No entanto, o papel deste período na evolução dos planetas rochosos no Sistema Solar interior – particularmente no que diz respeito à distribuição de elementos voláteis como a água – ainda é debatido.

Para fins de estudo, a equipe internacional relatou a variabilidade de um único isótopo de cromo (54Cr) em meteoritos marcianos datados desse período inicial. Esses meteoritos faziam parte da crosta de Marte na época e foram ejetados devido a impactos de asteroides que os enviaram para o espaço.

Em outras palavras, a composição desses meteoritos representa a crosta original de Marte antes dos asteroides depositarem água e vários elementos na superfície.

Como Marte não possui placas tectônicas ativas como a Terra, a superfície não está sujeita a convecção e reciclagem constantes. Portanto, os meteoritos ejetados de Marte há bilhões de anos oferecem uma visão única de como era Marte logo após a formação dos planetas do Sistema Solar.

Como o co-autor Professor Martin Bizzarro, do StarPlan Center, disse em um comunicado de imprensa do corpo docente da UCPH:

“As placas tectônicas na Terra apagaram todas as evidências do que aconteceu nos primeiros 500 milhões de anos da história do nosso planeta. As placas se movem constantemente e são recicladas e destruídas no interior do nosso planeta. Em contraste, Marte não possui placas tectônicas de tal forma que superfície do planeta preserva um registro da história mais antiga do planeta.”

Medindo a variabilidade de 54Cr nesses meteoritos, a equipe estimou a taxa de impacto de Marte cerca de 4,5 bilhões de anos atrás e quanta água eles entregaram.

De acordo com seus resultados, haveria água suficiente para cobrir todo o planeta em um oceano de pelo menos 300 metros de profundidade e até 1 quilômetro de profundidade em algumas áreas.

Em comparação, havia muito pouca água na Terra nessa época porque um objeto do tamanho de Marte colidiu com a Terra, levando à formação da Lua (ou seja, a Hipótese do Grande Impacto).

Além da água, os asteroides também distribuíram moléculas orgânicas como aminoácidos (os blocos de construção do DNA, RNA e células de proteína) para Marte durante o intenso bombardeio tardio. Como Bizzarro explicou, isso significa que a vida poderia ter existido em Marte quando a Terra era estéril:

“Isso aconteceu nos primeiros 100 milhões de anos de Marte. Após esse período, algo catastrófico aconteceu para a vida potencial na Terra. Acredita-se que houve uma colisão gigantesca entre a Terra e outro planeta do tamanho de Marte. Foi uma colisão energética que formou o sistema Terra-Lua e, ao mesmo tempo, eliminou toda a vida potencial na Terra.”

Este estudo é semelhante a pesquisas recentes que usaram as proporções deutério-para-hidrogênio de meteoritos marcianos para criar modelos de evolução atmosférica. Suas descobertas mostraram que Marte pode ter sido coberto por oceanos quando a Terra ainda era uma bola de rocha derretida.

Essas e outras questões relacionadas à evolução geológica e ambiental de Marte serão investigadas posteriormente por missões robóticas destinadas a Marte nesta década (seguidas por missões tripuladas na década de 2030).