Não, a ciência não é baseada em fé!

Créditos da Imagem: T. Pyle/Caltech/MIT/LIGO Lab.

Por Ethan Siegel
Publicado na Forbes

Até mesmo o cientista mais bem instruído, trabalhando dentro dos quadros das teorias mais robustamente testadas e verificadas, nunca pode ter certeza de que o próximo experimento ou medição continuará fornecendo os resultados que esperamos. No mês passado, quando a colaboração LIGO anunciou a detecção direta de ondas gravitacionais, pela primeira vez, confirmou um novo aspecto da relatividade geral de Einstein: um que tinha sido previsto e cujas consequências tinham sido vistas indiretamente – através do decaimento das órbitas das estrelas de nêutrons – mas que não podíamos ter certeza até que fosse validado diretamente. Mas ao escrever no Wall Street Journal, Matt Emerson faz a afirmação errônea de que a ciência é baseada em fé, também. Aqui está o ponto crucial de seu argumento, seguido do porquê ele se desmorona.

Créditos da Imagem: Simulating Extreme Spacetimes (SXS).
Créditos da Imagem: Simulating Extreme Spacetimes (SXS).

Ele cita o físico Carlo Rovelli, que escreveu que a descoberta das ondas gravitacionais foi a realização de um “sonho baseado em fé na razão” e que “as deduções lógicas de Einstein e sua matemática eram confiáveis”. Ele cita Paul Davies, que escreveu, “só porque o Sol nasceu todos os dias em sua vida, não há nenhuma garantia de que, portanto, nascerá amanhã. A crença de que nascerá – que existem de fato regularidades confiáveis na natureza – é um ato de fé, mas que é indispensável para o progresso da ciência”. E então, baseado no uso da palavra “fé” nessas duas frases, ele faz o seguinte salto:

“Reconhecer a existência desse tipo de fé é um passo importante na redução do fosso artificial entre ciência e religião, uma divisão que é adquirida em escolas, meios de comunicação e na cultura. Muitas vezes as pessoas assumem que a ciência é reino da certeza e da verificabilidade, enquanto a religião é o lugar da crença irracional. […] A escolha fundamental não é se os seres humanos terão fé, mas quais serão os objetos de sua fé, e quão longe e em que dimensões estenderá essa fé.”

Estar disposto a fazer essa declaração é não compreender deliberadamente o que é o empreendimento científico e como ele difere fundamentalmente de qualquer conclusão teológica.

Do cluster Musket Ball observa-se claramente a separação de matéria escura (em azul) e a partir do raio-x normal a emissão de matéria (em rosa). Essa detecção indireta, no entanto, ainda não prova conclusivamente a natureza das partículas de matéria escura. Créditos da Imagem: NASA/CXC/UCDavis/W.Dawson.
Do cluster Musket Ball observa-se claramente a separação de matéria escura (em azul) e a partir do raio-x normal a emissão de matéria (em rosa). Essa detecção indireta, no entanto, ainda não prova conclusivamente a natureza das partículas de matéria escura.
Créditos da Imagem: NASA/CXC/UCDavis/W.Dawson.

Fé, por definição, é a crença em algo, apesar do conhecimento insuficiente para ter certeza de sua veracidade. Algumas crenças exigem pequenos saltos de fé (o exemplo de que o Sol vai nascer amanhã), como o corpo de evidências que sustentam que a previsão é esmagadora, enquanto outras – a existência de matéria escura, a origem inflacionária do nosso universo, ou a possibilidade de supercondutividade à temperatura ambiente – pode ainda ser provável, mas também pode estar razoavelmente equivocada. No entanto, em cada caso, existem dois componentes principais que fazem a previsão científica:

  1. A previsão, ou a crença de que o resultado pode ser previsto com precisão, baseia-se na existência de evidências de qualidade.
  2. Como as mudanças de evidências – como obtemos mais evidências, novas e melhores – e como o conjunto completo de evidências se expande, as nossas previsões, pós-visões e todas concepções do universo mudam junto com ele.

Lá não existe tal coisa como um bom cientista que não está disposto a basear sua crença científica em conjunto completo de dados disponíveis, nem existe tal coisa como um bom cientista que não revê suas crenças em face de novas evidências.

Um esquema de como funciona o LIGO. Modificações feitas por Krzysztof Zajączkowski. Créditos da Imagem: US Government.
Um esquema de como funciona a LIGO. Modificações feitas por Krzysztof Zajączkowski. Créditos da Imagem: US Government.

Podemos ter tido fé que as previsões de Einstein e a existência de ondas gravitacionais viriam a ser confirmadas e que a LIGO faria a maior descoberta científica do século XXI até agora. Mas se não fosse verdade – se a LIGO tivesse atingido o nível de sensibilidade e não encontrasse nada por anos, ou se ela tivesse visto algo que pudesse entrar em conflito com a teoria de Einstein – que a fé pode ser instantaneamente descartada e substituída por algo ainda melhor: a busca para descobrir como estender e substituir a maior realização de Einstein para dar conta das novas evidências.

Ilustração da expansão do Universo. Créditos da Imagem: NASA/Goddard Space Flight Center.
Ilustração da expansão do Universo.
Créditos da Imagem: NASA/Goddard Space Flight Center.

A questão fundamental não é nem qual será o objeto da fé da humanidade, nem quanto estenderá, mas o quão longe você estará disposto e capaz de testar suas crenças mais profundas, e se você terá coragem de mudar suas conclusões seguindo as evidências. Isso é o que separa a ciência de qualquer coisa baseada em fé e é por isso qualquer sistema de crenças religiosas jamais será considerado científico.

CONTINUAR LENDO