Não é realmente o tamanho que determina o quão mortal é um meteoro

0
324
Créditos: Mark Garlick / Science Photo Library / Getty Images.

Por Tessa Koumoundouros
Publicado na ScienceAlert

Temos muito a agradecer aos meteoritos. Se eles não tivessem instigado vários eventos de extinção em massaincluindo a eliminação de dinossauros não-aviários, provavelmente não estaríamos aqui hoje.

No entanto, algumas coisas ainda não combinam com a escala massiva de dizimação que podem causar.

“Por décadas, os cientistas ficaram intrigados sobre o motivo de alguns meteoritos causarem extinções em massa e outros, mesmo os realmente grandes, não”, disse o sedimentologista da Universidade de Liverpool Chris Stevenson.

Essas extinções em massa são geralmente atribuídas a invernos de impacto – onde grandes volumes de detritos do solo sendo impactado sufocam a luz do Sol, deixando plantas e algas famintas e mergulhando o planeta no frio.

Isso sugeriria que meteoritos maiores, com a capacidade de propelir maiores coberturas de poeira para o céu, teriam um efeito maior na biosfera global do que os menores.

Porém, não é isso que foi observado nos registros geológicos da Terra.

“É surpreendente quando reunimos os dados”, explicou Stevenson. “A vida continuou normalmente durante o quarto maior impacto com um diâmetro de cratera de cerca de 48 km, enquanto um impacto com metade do tamanho estava associado a uma extinção em massa há apenas 5 milhões de anos”.

Os invernos de impacto geralmente duram apenas alguns anos, mas a poeira levantada mais leve pode persistir por até 100.000 anos.

Assim, o geoquímico Matthew Pankhurst do Instituto de Energia Renovável e Tecnológica da Espanha e seus colegas analisaram essa poeira ejetada de 44 impactos de meteoros em 600 milhões de anos.

“Usando este novo método para avaliar o conteúdo mineral das coberturas ejetadas do meteorito, mostramos que cada vez que um meteorito, grande ou pequeno, atinge rochas ricas em feldspato de potássio, ele se correlaciona com um evento de extinção em massa”, disse Stevenson.

Isso tem sido consistente nos últimos 600 milhões de anos.

“Os impactos de meteoritos que atingem rochas pobres em feldspato de potássio correspondem apenas às intensidades da taxa de extinção normal”, explicou a equipe em seu novo estudo.

No entanto, o feldspato de potássio é um poderoso aerossol de nucleação de gelo – o que significa que pode alterar enormemente a composição da nuvem.

Portanto, a equipe propôs que, assim que os efeitos imediatos de explodir detritos do solo da Terra na atmosfera (invernos de impacto) diminuem, a química do que permanece no ar começa a entrar em jogo. Se for poeira de terra normal, o sistema climático se reequilibrará, mas se for feldspato de potássio, ele continua a perturbar a dinâmica das nuvens da Terra de duas maneiras principais.

Mais minerais de nucleação de gelo no ar significam que as nuvens conterão uma proporção maior de cristais de gelo, em oposição às densas gotículas de água normalmente encontradas em regiões mais baixas e quentes do céu, tornando essas nuvens mais transparentes. Isso reduz o efeito reflexivo que as nuvens de gotículas de água costumam ter (seu albedo), permitindo que mais luz passe para aquecer o planeta.

O albedo enfraquecido também suprime os mecanismos de feedback climático de resfriamento das nuvens, aumentando a sensibilidade ao clima. Isso, por sua vez, torna todo o sistema climático mais vulnerável a outros distúrbios, como o aumento das emissões de erupções vulcânicas.

Alguns dos maiores eventos vulcânicos do mundo não estão associados a extinções em massa, mas outros estão. E esses também estão ligados a mais feldspato de potássio em nossa atmosfera.

“Muitos mecanismos mortais se correlacionam de forma variável com eventos de extinção ao longo do tempo geológico: eles coincidem com esses raros períodos de desestabilização do clima pelo feldspato de potássio atmosférico”, escreveram os pesquisadores.

É incrível como algo que não é diretamente prejudicial para nós pode ser quando está no lugar errado.

“Isso sugere fortemente que a causa de episódios de extinção graves é uma mudança crítica na função atmosférica”, escreveram Pankhurst e colegas. “Atividades antropogênicas podem representar forças climáticas semelhantes com a rápida entrada de aerossóis na atmosfera que influenciam a dinâmica das nuvens”.

Esta pesquisa foi publicada no Journal of the Geological Society.