NASA transferiu um médico para a EEI por ‘teletransporte holográfico’ pela primeira vez na história

0
362
O cirurgião da NASA, Josef Schmid, fez um holotransporte para a Estação Espacial Internacional. Créditos: ESA / Thomas Pesquet.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

Nunca houve uma telechamada como esta. Pela primeira vez na comunicação por telepresença, um cirurgião da NASA foi “holotransportado” para a Estação Espacial Internacional (EEI), aparecendo e conversando como uma presença virtual em tempo real, centenas de quilômetros acima da superfície da Terra.

Se soa como algo de Star Trek, você não está muito longe. (Afinal, Star Trek: Voyager apresentou um médico artificial que era uma projeção holográfica.)

Mas isso não é ficção científica. Quando o cirurgião da NASA Josef Schmid foi transportado para a EEI em outubro do ano passado, a ilusão foi possível graças à tecnologia de ‘holotransporte’ da Microsoft, que permite aos usuários interagir com representações 3D de participantes remotos em tempo real.

“Esta é uma maneira completamente nova de comunicação humana em grandes distâncias”, disse Schmid. “É uma forma totalmente nova de exploração humana, onde nossa entidade humana é capaz de viajar para fora do planeta”.

Schmid e outros membros da equipe durante a sessão de holotransporte. Créditos: ESA / Thomas Pesquet.

Ao contrário das projeções holográficas tradicionais que parecem pairar no ar para qualquer um ver, o holotransporte requer o uso de um headset de realidade aumentada, com a tecnologia HoloLens da Microsoft, para que o usuário possa perceber (e interagir com) o(s) indivíduo(s) capturado remotamente, que são filmados com uma configuração de várias câmeras em sua localização real.

Nesse caso, o astronauta da Agência Espacial Europeia (ESA), Thomas Pesquet, que estava a bordo da EEI e usando esse headset, teve uma conversa bidirecional com Schmid e membros de sua equipe médica, juntamente com Fernando De La Pena Llaca, o CEO da AEXA Aerospace, que desenvolve um software de holotransporte personalizado (o tipo que tornou possível esta sessão da EEI).

Embora a tecnologia de holotransporte da Microsoft exista – em vários estágios de desenvolvimento – por vários anos, ela nunca foi usada para algo tão ambicioso quanto isso antes: conectar pesquisadores médicos na Terra com astronautas em missão, orbitando o planeta a centenas de quilômetros no céu.

No entanto, é exatamente esse tipo de feito – preenchendo lacunas físicas para conectar pessoas em grandes distâncias no espaço – que pode ser importante para futuras missões de exploração espacial. Dessa forma, os cientistas podem interagir virtualmente com representações 3D em tempo real de participantes remotos na Terra, estações espaciais ou outras naves espaciais, permitindo colaborações que podem ser muito mais envolventes e imersivas do que as chamadas de vídeo 2D padrão.

“Nosso corpo físico não está lá, mas nossa entidade humana absolutamente está lá”, disse Schmid. “Imagine que você pode trazer o melhor instrutor ou o verdadeiro designer de uma tecnologia particularmente complexa ao seu lado, onde quer que você esteja trabalhando nela”.

O cirurgião da NASA, Josef Schmid, fez um holotransporte para a EEI. Créditos: ESA / Thomas Pesquet.

O próximo passo na evolução da tecnologia é permitir interações de holotransporte totalmente bidirecionais.

Durante este experimento, Pesquet foi o único participante usando um headset de realidade aumentada que lhe permitiu perceber os outros participantes como hologramas 3D digitais, já que Schmid e os outros participantes não usavam esses dispositivos.

Uma vez que todos os participantes estejam equipados da mesma forma, no entanto, as possibilidades de pular para a realidade de outra pessoa podem se tornar ainda mais instrutivas e transformadoras para os astronautas de fora da Terra – seja consultando médicos na Terra sobre um problema médico ou trocando ideias importantes sobre os objetivos da missão com pesquisadores da NASA.

“E isso realmente contribui para as oportunidades para voos espaciais de maior duração e voos espaciais mais profundos”, explicou Christian Maender, diretor de pesquisa da empresa de infraestrutura espacial Axiom Space, ao The Verge em 2021. “Onde você está realmente falando sobre criar uma conexão humana entre sua tripulação – não importa para onde eles estejam viajando – e de volta para alguém no planeta”.