Novas evidências dão base para alegações controversas de humanos nas Américas há 130 mil anos

0
131
Tradução: osso de fêmur faturado (fractured femoral bone) e as cabeças do fêmur (femoral heads) de mastodontes perto de uma "bigorna" (anvil). (Créditos: Museu de História Natural de San Diego/CC BY 4.0)

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

Há 3 anos, uma equipe de arqueólogos dos Estados Unidos propôs uma ideia extraordinária: os primeiros colonizadores humanos nas Américas chegaram, pelo menos, 100.000 anos antes do que pensávamos.

A evidência veio de uma coleção de ossos de mastodontes e pedras antigas que datam de cerca de 130.000 anos atrás, que parecem terem sido marteladas e raspadas pelos primeiros humanos.

Os restos mortais foram encontrados nos subúrbios de San Diego (EUA) na década de 1990, e os pesquisadores acreditam que as pedras próximas podem ter sido usadas como martelos e bigornas para trabalhar nos ossos. Mas fora isso, nenhum outro traço de atividade humana foi encontrado.

Hoje, o sítio paleontológico Cerutti Mastodon (CM) continua sendo uma das escavações arqueológicas mais controversas do mundo. Durante anos, os cientistas analisaram os resultados e se eles indicavam ou não a presença de humanos na América do Norte há 130.000 anos, mas os autores originais não desistem.

A equipe agora publicou um paper relacionado que afirma ter encontrado vestígios de ossos de mastodontes antigos com as laterais voltadas para cima em duas pedras coletadas no local.

De acordo com o artigo, os novos dados sugerem que ossos de mastodontes foram de fato colocados no topo dessas ‘bigornas’ rochosas e atingidos com algum tipo de martelo – presumivelmente por humanos.

Se os ossos estivessem apenas em contato passivo com as rochas, você esperaria ver sua influência em todos os lugares em que estivessem se tocando, não apenas na parte superior.

Também não parece haver nenhuma contaminação moderna, acrescentam os autores. Os artefatos antigos foram encontrados perto de um local de trabalho em uma estrada, então alguns críticos acreditam que os ossos foram quebrados e raspados pela atividade de caminhões e outros distúrbios semelhantes.

Embora isso seja muito possível, os pesquisadores dizem que não explica os resíduos ósseos nas pedras.

Ao coletar ossos e pedras do local, a equipe em San Diego afirma ter tomado muito cuidado. Eles dizem que não houve oportunidade para o material ósseo se desintegrar ou “desfazer” no ar e em cima uma pedra no local original ou no laboratório posteriormente.

Mesmo no solo, resíduos ósseos desses mastodontes foram descobertos em concentrações muito mais baixas do que as medidas em algumas partes das pedras.

“Resíduos ósseos fósseis documentados com o microscópio Raman foram encontrados apenas em extrações de resíduos amostrados de superfícies potencialmente utilizadas e, portanto, são considerados mais provavelmente relacionados ao uso”, escrevem os autores.

“Como nossas investigações indicaram que os resíduos ósseos têm menos probabilidade de se originar de sedimentos ou contato com ossos no leito ósseo, conforme discutido acima, a explicação mais parcimoniosa é que os resíduos (e o desgaste) derivam do contato deliberado com o osso. Consideramos este cenário é o mais provável.”

Ainda assim, há um ingrediente chave ausente: colágeno. Esta é uma parte importante dos ossos dos mamíferos, e se pedras fossem usadas para quebrar o esqueleto do mastodonte, você esperaria encontrar alguns traços de colágeno.

É bem possível que o colágeno, neste caso, já tenha se desintegrado com o passar do tempo. Ou pode ser que as medições simplesmente não detectaram sua presença.

Mas o arqueólogo Gary Haynes, que não esteve envolvido no estudo, disse à Science News que acha que o cenário mais provável é que os veículos de trabalho rodoviário enterraram essas pedras ao lado dos ossos do mastodonte, muito tempo depois de seu colágeno ter desaparecido.

Ele não é o único cético. Hoje, a maioria das evidências sugere que os colonos humanos chegaram às Américas há cerca de 14.000 a 20.000 anos. Uma data de 130.000 anos é bastante incrível e requer evidências extraordinárias, que alguns cientistas argumentam que não existem.

Uma refutação ao paper original de 2017 argumentou que outros processos fora da hipótese do martelo humano produziram danos ósseos, especialmente de equipamentos de construção pesados.

Mesmo antes do surgimento dos humanos, provavelmente houve distúrbios na área. Com o tempo, à medida que depósitos fluviais lentamente cobriam os restos mortais, esses ossos de mastodonte teriam permanecido um tanto flexíveis, e isso significa que eles poderiam ter sido pisoteados, deslocados, fraturados, desgastados e reorientados por outros mamíferos que usavam o antigo curso de água lamacento.

“A afirmação extraordinária de Holen et al. do envolvimento de hominídeos pré-históricos no sítio paleontológico CM não deve ser contingente em evidências que estão abertas a interpretações múltiplas e contrastantes”, argumentam os autores da réplica.

“Até que evidências inequívocas de atividades hominíneas possam ser apresentadas, como ferramentas formais de pedra ou uma abundância de buracos causada pela percussão, o cuidado exige que deixemos de lado as alegações de Holen et al. de atividades hominíneas pré-históricas no sítio paleontológico CM.”

Pouco depois, os autores originais escreveram uma refutação à refutação. Nele, argumentam que não há evidências de depósitos fluviais e que os ossos foram quebrados antes de serem enterrados e não pisoteados depois.

“O ceticismo saudável é a base da boa ciência, e a publicação desta descoberta é o início de um debate científico, que acolho e encorajo”, argumentou Tom Deméré, paleontólogo do Museu de História Natural de San Diego e um dos autores originais, alguns anos atrás.

“O que eu não esperava era a relutância dos cientistas em se engajar em uma comunicação de mão dupla para avaliar objetivamente nossa hipótese.”

O arqueólogo David Meltzer, da Universidade Metodista Meridional (EUA), é cético, mas está aberto ao debate. Ele diz que pode estar convencido de que os humanos chegaram às Américas 100.000 anos antes do que pensávamos, mas que ainda não viu evidências suficientes.

“Dado tudo o que sabemos, não faz sentido”, disse ele à Nature em 2018. “Você não vai virar a opinião das pessoas de cabeça pra baixo desde que tenha evidências absolutamente incontestáveis, e não se trata disso.”

Talvez essa nova onda de evidências ajude a esclarecer algumas dessas dúvidas. Mas pode ser mais provavelmente de que, no entanto, isso simplesmente desencadeará uma série de novas refutações.

O estudo foi publicado no Journal of Archaeological Science: Reports.