O ateísmo faz parte de muitas tradições asiáticas milenares

0
988
Créditos: Editora Abril / Pinterest.

Tradução de Julio Batista
Original de Emily Costello, no The Conversation

Para muitos, o ateísmo – a ausência da crença em um deus pessoal ou em deuses – pode parecer um conceito totalmente moderno. Afinal, parece que são as tradições religiosas que dominam o mundo desde o início da história documentada.

Como uma estudiosa das religiões asiáticas, no entanto, muitas vezes fico impressionada com a prevalência de ateísmo e agnosticismo – a visão de que é impossível saber se um deus existe – nos antigas escrituras asiáticas. As tradições ateístas têm desempenhado um papel significativo nas culturas asiáticas há milênios.

Ateísmo no Budismo e no Jainismo

Budistas não acreditam em um Deus criador. (Keith Cuddeback, CC BY-NC-ND)
Budistas não acreditam em um Deus criador. (Keith Cuddeback, CC BY-NC-ND)

Embora o budismo seja uma tradição focada na libertação espiritual, não é uma religião teísta.

O próprio Buda rejeitou a ideia de um deus criador, e os filósofos budistas chegaram a argumentar que a crença em um deus eterno não passa de uma distração para os humanos que buscam a iluminação.

Enquanto o budismo não argumenta que os deuses não existem, os deuses são vistos como completamente irrelevantes para aqueles que buscam a iluminação.

Jains do not believe in a divine creator. Gandalf's Gallery, CC BY-NC-SA
Os jainas não acreditam em um criador divino. (Gandalf’s Gallery, CC BY-NC-SA)

Uma forma semelhante de ateísmo funcional também pode ser encontrada na antiga religião asiática do jainismo, uma tradição que enfatiza a não-violência contra todos os seres vivos, o desapego às posses mundanas e à prática ascética. Enquanto os jainistas acreditam em uma alma eterna ou jiva, que pode reencarnar, eles não acreditam em um criador divino.

Segundo o jainismo, o universo é eterno e, embora os deuses possam existir, eles também passam pelo renascimento, assim como os humanos. Os deuses não desempenham nenhum papel na libertação e iluminação espirituais; os humanos devem encontrar seu próprio caminho para a iluminação com a ajuda da sabedoria dos mestres humanos.

Outras filosofias ateístas

Na mesma época em que o budismo e o jainismo surgiram no século VI aC, havia também uma escola de pensamento explicitamente na Índia, chamada escola Carvaka. Embora nenhum de suas escrituras originais tenha sobrevivido, autores budistas e hindus descrevem os Carvakas como ateus firmes que acreditavam que nada existia além do mundo material.

Para os Carvakas, não havia vida após a morte, nem alma aparte do corpo, nem deuses e nenhum mundo além deste.

Outra escola de pensamento, Ajivika, que floresceu na mesma época, argumentou da mesma forma que os deuses não existiam, embora seus seguidores acreditassem em uma alma e em um renascimento.

Os Ajivikas alegavam que o destino da alma era determinado apenas pelo destino, e não por um deus, ou mesmo pelo livre arbítrio. Os Ajivikas ensinavam que tudo era composto de átomos, mas que esses átomos estavam se movendo e se combinando de maneiras predestinadas.

Como a escola Carvaka, a escola Ajivika hoje é conhecida apenas a partir de textos compostos por hindus, budistas e jainistas. Portanto, é difícil determinar exatamente o que os próprios Ajivikas pensavam.

De acordo com os textos budistas, os Ajivikas argumentavam que não havia distinção entre bem e mal e que não havia pecado. A escola teria existido na mesma época que a fase inicial do budismo, no século V a.C.

Ateísmo no Hinduísmo

Existem muitos deuses no hinduísmo, mas também existem crenças ateístas. (Universidade da África do Sul, CC BY-SA)

Enquanto a tradição hindu da Índia abraça a crença em muitos deuses e deusas – 330 milhões deles, de acordo com algumas fontes -, também existem linhas de pensamento ateístas encontradas no hinduísmo.

A escola Samkhya de filosofia hindu é um desses exemplos. Eles acreditam que os humanos podem alcançar a libertação por si mesmos, libertando seu próprio espírito do reino da matéria.

Outro exemplo é a escola Mimamsa, que escola também rejeita a ideia de um Deus criador. O filósofo Mimamsa Kumarila disse que, se um deus havia criado o mundo sozinho no começo, como alguém mais poderia confirmar tal feito? Kumarila argumentou ainda que se um deus misericordioso tivesse criado o mundo, não poderia haver tanto sofrimento quanto há.

Segundo o censo de 2011, há aproximadamente 2,9 milhões de ateus na Índia. O ateísmo ainda é uma força cultural significativa na Índia, assim como em outros países asiáticos influenciados pelas religiões indianas.

CONTINUAR LENDO