O chimpanzé Ham: o primeiro primata no espaço

0
3856

Artigo traduzido do site Space Answers.

Nascido durante o verão de 1957, a vida deste chimpanzé iria fazer história no programa espacial dos Estados Unidos. Tudo começou com a sua captura: Ham foi tirado de sua casa, em Camarões, no oeste da África Central, antes de ser enviado para uma fazenda em Miami, Florida. Ele foi mantido em cativeiro e foi só mais tarde adquirido pela Força Aérea dos Estados Unidos.

Levado de sua casa conhecida como Fazenda Pássaro Raro, com dois anos de idade foi enviado a Base Aérea de Holloman, no Novo México, em 1959. Aqui, ele se reuniria a 40 de sua própria espécie e não demorou muito até que ele ser confrontado por cada um deles, participando de uma série de testes de formação que iriam vê-lo sair da atmosfera da Terra para o espaço. Conhecido simplesmente como No. 65, o chimpanzé participava de avaliação após a avaliação, até que ele foi um dos seis primatas potenciais para voar.

Sob a supervisão de Joseph Brady, neurocientista do Laboratório Médico Aero Campo da Base da Força Aérea, o ”No. 65” realizou bem todas suas tarefas, onde respondeu a luz elétrica e sons. Suas velocidades de reação foram impecáveis em comparação com os outros, como ele ter conseguido empurrar rapidamente alavancas dentro de cinco segundos após ver uma luz azul piscando. Ele era um aprendiz rápido e rapidamente descobriu que a resposta correta para a sua formação era ganhar um tratamento de banana.

Logo ele estava pronto para embarcar no vôo suborbital MR-2, como parte do Projeto Mércurio no último dia de janeiro de 1961. A NASA era uma agência espacial recém-formada neste momento da história e essa missão seria o primeiro passo dos Estados Unidos em um grande projeto para, eventualmente, colocar um astronauta humano em órbita ao redor da Terra.

1280px-Chimpanzee_Ham_in_Biopack_Couch_for_MR-2_flight_MSFC-6100114

Lançado do Cabo Canaveral, Florida, os cientistas no solo monitoraram sua saúde e viram como o astro chimpanzé havia completado suas tarefas – foi logo revelado que ele terminou suas tarefas em uma fração de segundo mais lento do que tinha feito no treinamento pré-vôo. No entanto, logo depois da decolagem, o controle do solo tinha motivos para se preocupar: a cápsula do MR-2 começou a sofrer perda de pressão e os cientistas esperaram ansiosamente que o pior iria acontecer. Surpreendentemente, porém, o No. 65 havia evitado qualquer dano graças a seu traje espacial pressurizado e continuou a provar que era possível alcançar suas tarefas atribuídas no espaço.

Quando chegou a hora de voltar para a Terra, o retorno do chimpanzé não era uma suave brisa por qualquer trecho da imaginação. A cápsula foi arremessada através da atmosfera de nosso planeta, desabando no oceano Atlântico, e mais tarde sendo recuperada por um navio de resgate – mas haveria uma vida para salvar? Com a abertura da escotilha da cápsula, os socorristas encontraram o chimpanzé, que tinha sobrevivido seus 16 minutos e 39 segundos a partir do espaço e com nada mais do que um nariz machucado.

Ham_receives_his_well_deserved_apple

A novata NASA não tinha mais motivos para se preocupar com a reação do público para nomear o chimpanzé antes desta missão imprevisível, então o seu número designado foi tirado, e foi-lhe dado um novo nome. O chimpanzé ficou conhecido como Ham – um acrônimo para o laboratório que o preparou para a sua missão, o Holloman Aerospace Medical Center.

Ham viveu os próximos 17 anos de sua vida no Zoológico Nacional em Washington, DC, antes de se mudar para o Zoológico da Carolina Norte. Após a missão de Ham, em Maio de 1961, o astronauta Alan Shepard foi lançado ao espaço a bordo da Freedom 7. Este foi o primeiro voo espacial tripulado dos Estados Unidos sob o Projeto Mércurio, que deve o seu grande sucesso com os resultados retornados por Ham – um animal astronauta que ganhou seu lugar no espaço no Hall da Fama Internacional.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorQual será a aparência do nosso Sol daqui 8 bilhões de anos?
Próximo artigo“A Relatividade do Erro”, de Isaac Asimov
Ruan Bitencourt Silva
Nativo de Lages, Santa Catarina, eu sou cético, liberal, secularista, humanista, ateísta, roqueiro punk, flamenguista e um fã assíduo da ciência, da música, do esporte, da literatura e da cinematografia. Apaixonado por rock e pelo Universo, sonho em me tornar um guitarrista e astrofísico profissional (e, quem sabe, ser premiado com um Nobel e/ou um Grammy). Sou constantemente inspirado todos os dias por bandas como Nirvana, Legião Urbana e Green Day, por músicos como Kurt Cobain, Renato Russo e Billie Joe Armstrong, e por personalidades históricas como Carl Sagan, Isaac Newton e Albert Einstein. Atualmente ocupo meu tempo compondo músicas, escrevendo textos, lendo, tocando guitarra, e assistindo minhas séries preferidas. Pretendo, nos próximos anos, iniciar um bacharelado no ramo da Física, e após o término deste, construir uma pós-graduação voltada ao ramo da Astronomia. Se por ventura esse plano não der certo, seguirei a carreira como guitarrista e compositor, seja em uma banda completa ou até mesmo em uma carreira solo.