O dia em que Stephen Hawking organizou a festa do século e ninguém foi

Publicado na Investigácion y Desarrollo

Garrafas do melhor champagne francês, mesas cheias de sanduíches de pepino, balões, bandeiras e músicas. Stephen Hawking, o famoso físico teórico da Universidade de Cambridge, tinha tudo pronto para dar a festa do século. “Esperei por muito tempo, mas ninguém apareceu”, explicou o físico alguns anos depois.

Ele não ficou surpreso, até porque ele só enviou os convites quando a festa já tinha terminado. Mas não foi por engano: a festa de Hawking foi a primeira grande festa dedicada especialmente aos viajantes do tempo.

Em 1992, Hawking já tinha proposto que as viagens no tempo são impossíveis. Então, aquela festa noturna nos pântanos do rio Cam foi parte de um experimento para mostrar que os cronoviajantes não existem e outra parte para “trollar” todos os teóricos que pensam que esse tipo de viagem é possível.

Na realidade, Hawking inseriu um toque de humor na histórica polêmica das viagens no tempo. Tanto quanto sabemos, todos os viajantes do tempo podem estar no pub da frente rindo do pobre Hawking e suas antigas ideias anti-viajantes. Não é uma hipótese provável, embora ainda hoje não podemos descartá-la.

Tudo (não) está na Internet

O físico inglês não foi o único na busca por viajantes do tempo. Há alguns anos, em 2014, uma equipe de físicos do Instituto Tecnológico de Michigan usou a Internet e as redes sociais para buscar pistas sobre possíveis viagens.

Não era uma busca por pessoas que se definiam como ‘viajantes do tempo’, mas para buscar rastros de clarividência – isto é, a hipótese de que existem pessoas capazes de saber alguma coisa que ainda não aconteceu. A ideia era buscar mensagens inequívocas sobre coisas não conhecidas anteriormente e suficientemente significativas para serem registradas nos livros de história do futuro.

Eles escolheram dois fatos que cumpriam essas três características: o cometa ISON e o nome que Jorge Bergoglio escolheu durante seu papado, Francisco. A busca, que não seria necessário dizer, foi infrutífera. Apenas no caso do Papa Francisco, eles encontraram uma referência anterior à escolha do nome, mas depois de analisá-la descobriram que era um texto puramente especulativo.

Mas, afinal, podemos ou não viajar no tempo?

A resposta curta é que não sabemos. A longa é que, embora pareça algo banal, os debates sobre a possibilidade de viajar no tempo seguem ainda sendo controversos. E eles permanecem assim por uma questão muito simples: não há nada em nossas teorias científicas sobre o universo que proíba esse tipo de viagem per se. Por isso, é um campo emocionante cheio de hipóteses, objeções e contra-objeções. Certamente, algum dia teremos que voltar ao assunto e falar das polêmicas atuais em viagens no tempo. Mas hoje, como é quinta-feira, queria lembrá-los de que, se algum dia passar em Cambridge em 28 de junho de 2009, há uma festa para a qual você está convidado.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorA história da barbearia como profissão de saúde
Próximo artigoTripofobia não é oficialmente uma fobia: há uma boa razão pela qual essa foto faz você se sentir desconfortável
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.

4
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
David TobiasAnonimoEliane Cristina HadiRafael Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Anonimo
Visitante
Anonimo

A possibilidade de viagem no tempo desdobra a fenda em temporal em uma ambiguidade. De forma que o viajante do tempo não estaria de volta ao seu universo, mas, sim a outro universo com as mesmas características mas dotados de fatos diferentes. Pois, o agente-viajante estaria em paralelo presente ao seu agente-estacionário ( sua própria pessoa). E no caso da viagem ser anterior a existência do agente, mas, evidente se torna essa adulteração do espaço-tempo no universo. Ou seja, viajar no tempo cria um universo paralelo. Portanto, impossível um indivíduo voltar no tempo no mesmo plano de realidade.

David Tobias
Visitante
David Tobias

Acredito que a viagem de volta no tempo é impossível. Se nem mesmo a luz é capaz de “furar” o tecido do espaço tempo, que tipo de energia e velocidade seria necessário para fazer tal viagem? Outro fato interessante é que dificilmente a matéria “furaria” o tecido do espaço tempo.

Eliane Cristina Hadi
Visitante
Eliane Cristina Hadi

Quem são eles?

Rafael
Visitante
Rafael

Puxa, se fosse 2008 eu colava lá!