O Santo Graal dos astrônomos

0
442

Uma parte vital da astronomia profissional é a coleta de dados usando grandes telescópios. Em muitos casos, estes telescópios são instalações nacionais ou internacionais, com tempo disponível para todos através de um processo competitivo.

Como resultado, os astrônomos gastam muito do seu tempo “observando propostas”, nas quais são dadas apenas algumas páginas de texto da defesa de sua proposta científica apresentada para um painel de especialistas que analisarão se o telescópio deve ou não ser apontado para a sua estrela, galáxia ou outro objeto celestial particular.

Em um esforço para convencer o painel que os seus projetos  são dignos de gastar tempo nos telescópios, os astrônomos inevitavelmente recorrem à uma boa retórica, alegações exageradas e hipérboles definitivas para discutir porque a ideia é mais importante do que todas as propostas concorrentes.

Mas no meio de todas estas declarações grandiosas, há duas frases tão desgastadas que só os astrônomos mais imprudentes invocá-las: o “Santo Graal” e a “Pedra de Roseta” .

Os astrônomos tentam evitar esses clichês em particular porque a maioria das descobertas, mesmo as muito importantes, não vivem de acordo com essas expectativas elevadas: muito raramente uma descoberta é verdadeiramente transformacional. Mas se eu pudesse, de alguma forma, descobrir qualquer coisa que eu quisesse, o que eu escolheria?

Só desta vez, vou quebrar a regra não escrita da astronomia, e se atrever a sugerir um Santo Graal e uma Pedra de Roseta para as próximas décadas de astronomia.

Vendo o Universo se acelerando

Sabemos há mais de 80 anos que o Universo está em expansão. Mas há agora o que parece ser uma evidência clara de que o Universo não só está em expansão, mas também está acelerando em sua expansão. Até agora ninguém tem qualquer boa explicação de como isso poderia estar acontecendo.

A teoria mais popular é que o universo está cheio de energia escura, uma força inexplicável misteriosa que está empurrando o cosmos distante.

Mas pode ser que nossas teorias básicas da cosmologia e da gravidade estejam erradas, ou que nossas medições de expansão do universo estejam seriamente falhas.

Como quebrar este impasse? Simples. Medir a taxa de expansão do universo, observando galáxias distantes aparentemente correndo para longe de nós em alta velocidade, assim como os astrônomos têm feito rotineiramente por décadas.

Porém, deve-se fazer esta medição com precisão requintada, e depois repeti-la novamente 20 anos depois. Com a próxima geração de telescópios extremamente grandes e instrumentação ultra-precisa, deve ser possível alcançar o Santo Graal da cosmologia: observar as galáxias individuais pegarem velocidade em tempo real a medida que o Universo se acelera.

Esta será uma experiência extremamente desafiadora – vamos efetivamente precisar construir um radar cósmico que poderá medir a mudança na velocidade por apenas 0,5 km/h, a uma distância de 12 bilhões de anos-luz! Mas vai valer a pena o esforço – a recompensa seria uma verificação espetacular da nossa visão moderna de um bizarro e acelerado universo.

Uma supernova na Via Láctea

Estrelas grandes (muito maiores do que o Sol) terminam suas vidas em explosões catastróficas chamadas supernovas. Uma supernova é tão brilhante que ofusca toda a galáxia e as centenas de bilhões de estrelas pertencentes a ela. Mas o brilho extremo destas supernovas é compensado pelas distâncias muito grandes em que normalmente elas ocorrem.

Frustrante, não vimos uma supernova em nossa própria Via Láctea desde o ano de 1604, e o telescópio foi inventado em 1608! Estudos de outras galáxias sugerem que uma galáxia como a nossa deve sediar uma supernova uma vez a cada 50-100 anos.

Na verdade, muitas explosões de supernova provavelmente ocorreram na Via Láctea ao longo dos últimos 400 anos, mas elas provavelmente foram enterradas profundamente dentro de nuvens escuras e espessas de poeira, e por isso passaram despercebidas.

E, por isso, os astrónomos esperam pacientemente uma grande explosão de uma supernova na nossa janela cósmica. Quando isso finalmente acontecer, você não vai precisar de um telescópio para vê-la. Uma supernova nas proximidades seria tão brilhante que você seria capaz de vê-la em plena luz do dia; à noite, ela iria lançar uma sombra e seria brilhante o suficiente para ler um livro.

Este evento emocionante irá transformar a astronomia. Alguns astrônomos irão apontar seus telescópios na direção da explosão de estudá-la com mais detalhes para ver os destroços estelares se expandirem e gradualmente desaparecerem. Outros irão debruçar-se sobre registros históricos e medições da estrela que morreu, à procura de pistas vitais para a sua desgraça iminente em dados antigos que, por sua vez, poderão ser capazes de aplicar-se a supernovas no futuro.

Perversamente, astrônomos muitas vezes expressam uma preocupação genuína quanto aos problemas criados por uma supernova na Via Láctea. Telescópios modernos são projetados para estudar objetos muito fracos – uma supernova nas proximidades seria tão brilhante que seria difícil fazer medições precisas. Mas, sem dúvidas, quando o grande momento chegar, as soluções serão encontradas.

A supernova da Via Láctea irá responder a um grande número de perguntas sobre como as estrelas mais massivas terminam suas vidas, mas, inevitavelmente, outros muitos mistérios irão surgir. Ouso dizer: a Pedra de Roseta?

Traduzido e adaptado de The Conservation

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorA verdade sobre a Superlua do dia 14 de novembro
Próximo artigoEstudantes brasileiros ganham medalha de prata em competição do MIT
Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz