O teste da proporção áurea da beleza é uma besteira completa. Um especialista explica o porquê

0
301
(Créditos: Soroush Karimi/Unsplash)

Traduzido por Julio Batista
Original de Thomas Britz para o The Conversation

Amber Heard tem um dos rostos mais bonitos do mundo – isto é, segundo o cirurgião plástico Julian De Silva. A alegação foi reciclada há alguns anos e recentemente ressurgiu após o julgamento de Heard (amplamente divulgado) com o ex-marido Johnny Depp.

Mas em que se baseia essa afirmação?

Bem, de acordo com De Silva, Heard pontua bem no “teste da proporção áurea”. Este teste avalia a beleza facial de uma pessoa com base em quão próximas suas proporções faciais estão da Proporção Áurea. Mas é realmente uma fórmula para a beleza?

Os pitagóricos e a proporção áurea

Os pitagóricos descobriram pela primeira vez a Proporção Áurea, também chamada de “Proporção Divina”, cerca de 2.400 anos atrás. É um valor matemático chamado “phi”, representado pelo símbolo grego φ, e igual a cerca de 1,618.

Os pitagóricos eram um culto místico de matemáticos que viam muitos números como tendo significado místico, filosófico e até ético. Eles escolheram o pentagrama como seu símbolo. Com suas cinco simetrias, simbolizava saúde para eles.

Um pentagrama exibindo a proporção áurea. (Créditos: Imagem fornecida pelo autor)

Os pentagramas são matematicamente fascinantes, até porque evidenciam a curiosa proporção φ. No pentagrama retratado, as quatro linhas pretas em negrito crescem em comprimento em φ a cada passo. Portanto, a longa linha horizontal é mais longa em φ que o comprimento do lado em negrito.

Da mesma forma, considere seis círculos do mesmo tamanho, organizados em duas fileiras de três, e aninhados dentro de um grande círculo (como ilustrado abaixo). O raio do círculo grande é φ vezes maior que o diâmetro dos círculos pequenos.

Phi representado em círculos. (Créditos: Imagem fornecida pelo autor)

A Proporção Áurea também está relacionada à famosa sequência numérica de Fibonacci (que vai de 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34…). As razões entre um número e o próximo se aproximam cada vez mais de φ à medida que os números aumentam. Por exemplo: 13/8 = 1,625, 21/13 = 1,615, 34/21 = 1,619 e assim por diante.

Os números de Fibonacci e sua proporção áurea são surpreendentemente predominantes na matemática. Eles também aparecem na natureza, criando lindas espirais em algumas flores, pinhas e nos braços rodopiantes de certas galáxias.

Sequência de Fibonacci em um girassol. (Créditos: L. Shyamal/Wikimedia)

O reino das ideias de Platão

Influenciado pelos pitagóricos e seu amor pela bela matemática, o filósofo grego Platão (423-347 a.C.) propôs que o mundo físico é uma projeção imperfeita de um reino mais belo e “real” de verdade e ideais. Afinal, não existem triângulos ou pentagramas perfeitos na vida real.

De acordo com Platão, essas verdades e ideais só podem ser vislumbrados no mundo físico por meio do raciocínio lógico, ou criando simetria e ordem, através das quais possam mostrar seu esplendor.

Isso influenciou muito o pensamento ocidental, incluindo a ciência moderna e sua presunção de leis universais da natureza – como as Leis do Movimento de Isaac Newton, ou a equação de Albert Einstein para a relatividade especial: E = mc2.

Um promotor das ideias de Platão foi o matemático renascentista Luca Pacioli. Em 1509, Pacioli publicou uma trilogia escrita sobre a Proporção Áurea, intitulada Divina Proportione, com ilustrações de Leonardo da Vinci. Este trabalho amplamente influente desencadeou o primeiro surto de interesse popular na Proporção Áurea.

Também promoveu a ideia platônica de que os corpos humanos deveriam satisfazer idealmente certas proporções matemáticas divinas. Da Vinci expressou esse ideal em sua famosa ilustração O Homem Vitruviano.

O Homem Vitruviano de Da Vinci. (Créditos: Domínio público)

O mito da proporção áurea na arte antiga

Adolph Zeising, em seus livros publicados entre 1854 e 1884, expandiu essa ideia. Em seu último livro, Der Goldne Schnitt, ele afirmou que todas as proporções mais belas e fundamentais se relacionam com a Proporção Áurea, não apenas nos corpos, mas também na natureza, arte, música e arquitetura. Isso levou à afirmação popular de que a arte e a arquitetura gregas antigas apresentavam a Proporção Áurea e, portanto, eram belas.

Mas, como Mario Livio descreve em seu livro A Proporção Áurea, isso foi dissipado como um mito. Não há registro de gregos antigos mencionando a proporção áurea fora da matemática e da numerologia, e estudos mostram que φ é muito raramente observado na arte e arquitetura gregas antigas.

Eleito o edifício mais bonito do mundo em 2017, o Partenon em Atenas tem φ entre suas proporções. Mas cálculos cuidadosos mostram que essa afirmação é falsa.

No entanto, o mito perdurou. Hoje a Proporção Áurea é promovida na arte, arquitetura, fotografia e cirurgia plástica por sua suposta beleza visual.

A máscara de Marquardt

Entre aqueles que promovem a Proporção Áurea como ideal de beleza está o cirurgião plástico Stephen R. Marquardt. Em 2002, Marquardt afirmou ter descoberto que a Proporção Áurea determina belas proporções faciais. Por exemplo, ele afirmou que um rosto ideal teria uma boca φ vezes maior que o nariz.

Marquardt criou então uma máscara facial geométrica que representa proporções faciais “ideais” para orientar cirurgiões plásticos e ortodontistas – em suas palavras, “como um paradigma do resultado estético final ideal”.

A máscara facial de Marquardt também é chamada de ‘máscara frontal de repouso’. (Créditos: MBA)

Ele também afirmou que a máscara poderia ser usada para avaliar objetivamente a beleza, o que levou ao teste da Proporção Áurea.

As alegações de Marquardt foram altamente influentes. A cirurgia plástica geralmente é guiada por medições da Proporção Áurea, e os aplicativos que apresentam o teste da Proporção Áurea são populares.

O teste da Proporção Áurea desmascarado

Para estudar rostos “atraentes”, Marquardt mediu as proporções faciais de atores e modelos de cinema. Portanto, foi sua pesquisa sobre esse seleto grupo de pessoas que levou às suas reivindicações e à máscara.

Mas as alegações de Marquardt já foram refutadas e o teste da Proporção Áurea desmascarado.

Estudos mostram que a máscara de Marquardt não representa os africanos subsaarianos ou os asiáticos orientais, nem representa os indianos do sul.

Na verdade, representa principalmente as características faciais da pequena população de mulheres masculinizadas do noroeste da Europa. Este é um visual, como observa um estudo, “visto em modelos de moda”.

De fato, as evidências sugerem que, embora as proporções faciais possam se correlacionar com a beleza facial percebida, essas proporções dependem de fatores biológicos e culturais.

Um estudo das vencedoras do Miss Universo 2001-2015 ilustrou isso de forma impressionante. Esses vencedores são vistos em muitas culturas como muito bonitos.

No entanto, ao contrário dos modelos de moda masculinizados do noroeste da Europa, a correlação entre suas proporções faciais e a proporção áurea da máscara de Marquardt eram “estatisticamente e significativamente inválidas”.

Então fica claro: não existe um número mágico que determine universalmente a beleza.

Quem é o mais belo?

Os pesquisadores identificaram alguns traços “platônicos” da beleza facial, incluindo medianidade e simetria, dimorfismo sexual, textura da pele, emoção e aleatoriedade.

No entanto, atualmente não há evidências sugerindo que a proporção áurea φ determina a beleza facial – ou qualquer beleza visual.

Você pode (informalmente) testar isso sozinho. Abaixo estão retângulos com proporções φ:1, 3:2, 1,414:1, 4:3 e 1:1. Será que um deles tem uma beleza que supera os outros?


Thomas Britz é professor sênior da Universidade de Nova Gales do Sul em Sydney.