O último tigre-da-Tasmânia conhecido foi encontrado em um armário de museu

0
119
Pele de tilacino em exposição no Museu e Galeria de Arte da Tasmânia. (Créditos: Museu e Galeria de Arte da Tasmânia)

Traduzido por Julio Batista
Original de Carly Cassella para o ScienceAlert

Acreditava-se que o corpo do último tigre-da-Tasmânia vivo estivesse perdido para sempre, mas pesquisadores redescobriram a pele e o esqueleto preservados do animal em um armário de museu na Tasmânia.

Listrado como um tigre, com um corpo um tanto canino, o tigre-da-Tasmânia – ou tilacino (Thylacinus cynocephalus) – é na verdade um grande marsupial, mais aparentado com quolls e mirmecóbios. Mamíferos marsupiais já foram encontrados em toda a Austrália, embora no início do século 20 seu alcance fosse limitado à Tasmânia.

Agora sabemos que os restos mortais do último tilacino em cativeiro foram acidentalmente incluídos em um programa educacional que viajava de escola em escola, ensinando aos alunos sobre a anatomia dessas criaturas há muito tempo perdidas.

Partes da pele do espécime ainda mostram pelo achatado onde as crianças podiam acariciá-lo. Ninguém percebeu o que eles estavam lidando na época e, na década de 1980, o corpo foi guardado e imediatamente esquecido.

É uma conclusão bastante triste para uma vida trágica. Tendo sido capturada ilegalmente por um caçador chamado Elias Churchill em maio de 1936, o tilacino mais velho foi secretamente vendido para o agora fechado Zoológico de Beaumaris em Hobart, onde morreria de exposição apenas alguns meses depois, na noite de 7 de setembro.

Na época, ninguém percebeu que este seria o último tigre-da-Tasmânia a ser exibido em um zoológico. Na verdade, os registros sugerem que as pessoas ainda caçavam tilacinos selvagens bem depois de 1936.

A esperança de encontrar outro sobrevivente significava que o corpo do último tilacino no zoológico de Beaumaris não era celebrado ou rotulado de maneira especial.

“Durante anos, muitos curadores e pesquisadores de museus procuraram por seus restos sem sucesso, já que nenhum material de tilacino datado de 1936 havia sido registrado na coleção zoológica e, portanto, presumiu-se que seu corpo havia sido descartado”, disse Robert Paddle, psicólogo comparativo da Universidade Católica Australiana.

A caça ao tesouro só foi reiniciada recentemente quando Paddle e Kathryn Medlock, curadora honorária do Museu e Galeria de Arte da Tasmânia (TMAG, na sigla em inglês), se depararam com um relatório não publicado.

Foi escrito em um diário de bordo de 1936/1937 pelo taxidermista do museu, e a passagem mencionava que o tilacino que morreu em 1936, o último indivíduo vivo conhecido de sua espécie, havia sido presenteado ao TMAG.

Mas não estava na seção zoológica do museu, onde os pesquisadores o procuraram antes. Estava na seção de educação do museu.

“A pele foi cuidadosamente preparada como uma pele plana pelo taxidermista do museu, William Cunningham, o que significava que ela poderia ser facilmente transportada e usada como espécime de demonstração para aulas escolares aprendendo sobre os marsupiais da Tasmânia”, disse Medlock.

Crânio do tilacino que morreu no Zoológco de Beaumaris de Hobart em 1936. (Créditos: TMAG)

Peddle e Medlock estão esperançosos de que sua redescoberta finalmente ponha fim aos mitos que cercam o último tigre-da-Tasmânia.

Essas falsidades foram compartilhadas de forma tão ampla e acrítica que podem até ser encontradas nas páginas oficiais do Museu Nacional da Austrália  e do Arquivo Nacional de Cinema e Som.

Ambos os sites afirmam que o último tigre-da-Tasmânia em cativeiro era um macho chamado Benjamin, mas Paddle disse à Australian Broadcasting Corporation que é um mito duradouro.

Embora seja verdade que havia um tilacino macho no Zoológico de Beaumaris em 1935, seu nome não era Benjamin e ele não foi o último. Esse boato foi totalmente inventado na década de 1960 por alguém que nem trabalhava no zoológico.

“É um mito infeliz”, disse Paddle a Adam Langenberg na ABC News.

“É hora de removê-lo da literatura. É tão lamentável que Kathryn [Medlock] e eu nem mencionamos isso no paper [da pesquisa].”

O macho em Beaumaris pode não ter sido o último tilacino em cativeiro, mas foi o último a ser filmado diante das câmeras. Um vídeo em preto e branco de 21 segundos do tigre Tassie macho, feito em 1935 para um documentário, foi recentemente digitalizado e lançado online.

Na foto, o tilacino macho pode ser visto andando de um lado para o outro em seu recinto do zoológico enquanto visitantes agitados sacodem sua jaula. Se você ouvir o áudio, pode-se ouvir um narrador dizendo: “este é o único em cativeiro no mundo”.

Mas essa afirmação, se era verdade na época, não foi por muito tempo.

A tilacina fêmea capturada por Churchill ingressou no zoológico logo após ‘Benjamin’ fazer sua estreia no cinema e, de acordo com os registros do museu, ela conquistou esse feito do macho.

Embora seja provável que existam tilacinos na natureza nesta época, este foi o último indivíduo já mantido em um zoológico. Acredita-se que a caça tenha contribuído para sua eventual extinção na Tasmânia, juntamente com possíveis doenças e perturbações do habitat, à medida que os europeus invadiam o reduto remanescente do animal.

Os últimos restos de tilacino conhecidos estão agora em exibição no TMAG para qualquer visitante curioso ver.

O paper de Paddle e Medlock sobre sua redescoberta estará disponível em breve no site da Australian Zoologist.