Os elétrons não pensam

0
671
Crédito: Pinterest.

Por Sabine Hossenfelder
Publicado no Nautilus

Eu descobri recentemente o panpsiquismo. É a ideia de que toda a matéria – animada ou inanimada – é consciente; nós apenas somos um pouco mais conscientes do que as cenouras, por exemplo. Panpsiquismo é o elã vital moderno.

Quando digo que “descobri” o panpsiquismo, quero dizer que descobri que há um monte de filósofos que produzem panfletos sobre o assunto. Como esses filósofos lidam com o conflito com evidências? Simples: eles não lidam.

Agora, veja, eu sei que os físicos têm a reputação de ter uma mente fechada. Mas a razão pela qual temos essa reputação é que testamos essa merda há muito tempo e descobrimos que ela não funciona. Você chama isso de “mente fechada”, chamamos de “ciência”. Nós seguimos em frente. As partículas elementares podem ser conscientes? Não, eles não podem. Isso está em conflito com as evidências. E vou dizer o porquê.

Conhecemos 25 partículas elementares. Estas são encontradas no modelo padrão da física de partículas. As previsões do modelo padrão concordam com experimentos para uma melhor precisão.

As partículas no modelo padrão são classificadas por suas propriedades, chamadas coletivamente de “números quânticos”. O elétron, por exemplo, tem uma carga elétrica de -1 e pode ter um spin de +1/2 ou -1/2. Existem alguns outros números quânticos com nomes complicados, como a hipercarga, mas na verdade isso não é tão importante. A questão é que existem poucos desses números quânticos e eles identificam exclusivamente uma partícula elementar.

Se você calcular quantas partículas de um determinado tipo são produzidas em uma colisão de partículas, o resultado depende de quantas variantes da partícula produzida existem. Em particular, depende dos diferentes valores que os números quânticos podem assumir. Como as partículas têm propriedades quânticas, tudo o que pode acontecer acontecerá. Se uma partícula existir em muitas variantes, você produzirá todas elas, independentemente de poder ou não distingui-las. O resultado é que você vê mais delas do que o modelo padrão prevê.

Agora, se você quer que uma partícula seja consciente, sua expectativa mínima deve ser que a partícula possa mudar. É difícil ter uma vida interior com apenas um pensamento. Mas se os elétrons pudessem ter pensamentos, teríamos visto isso há muito tempo nas colisões de partículas, porque isso mudaria o número de partículas produzidas nas colisões.

Em outras palavras, os elétrons não são conscientes e nem outras partículas. É incompatível com dados.

Como eu explico no meu livro, maneiras de modificar o modelo padrão que não entram em conflito com os experimentos. Uma delas é tornar novas partículas tão massivas de uma maneira que até agora não conseguimos produzi-las em colisões de partículas, mas isso não ajuda nessa questão. Outra maneira é fazê-las interagir tão fracamente que não conseguimos detectá-las. Isso também não ajuda nessa questão. A terceira maneira é assumir que as partículas existentes são compostas por constituintes mais fundamentais, que são, no entanto, tão fortemente unidos que ainda não conseguimos separá-los.

Com a terceira opção, é realmente possível adicionar estados internos a partículas elementares. Mas se o seu objetivo é dar consciência a essas partículas para que possamos herdá-las delas, compostos fortemente ligados não ajudam nessa questão. Eles não ajudam exatamente porque você ocultou essa consciência para que ela precise de muita energia para acessar. Isso significa, é claro, que você não pode usá-la em energias mais baixas, como as energias típicas para aparelhos de pensamento de massa mole e úmida, ou seja, o cérebro humano.

Resumo: Se um filósofo começar a falar sobre partículas elementares, corra.