Os extraterrestres existem? 5 especialistas responderam à pergunta

0
344
Nós podemos apenas imaginar. Créditos: Mark Garlick / Science Photo Library / Getty Images.

Por Chynthia Wijaya e Noor Gillani
Publicado no The Conversation

Há muitas especulações sobre o conteúdo de um relatório não classificado que será lançado no final deste mês pela força-tarefa dos Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAP, na sigla em inglês) do Pentágono.

O documento, que deve ser lançado em 25 de junho, supostamente fornecerá um resumo abrangente do que o governo dos Estados Unidos sabe sobre os UAPs – ou, para usar o termo mais popular, os OVNIs.

Embora o relatório ainda não seja público, o The New York Times publicou recentemente o que alegou ser uma prévia das descobertas, fornecida por funcionários do alto escalão não identificados que estavam a par do conteúdo do relatório.

De acordo com as fontes do jornal, o relatório não fornece nenhuma ligação ou associação clara entre mais de 120 incidentes de avistamentos de OVNIs nas últimas duas décadas e a possibilidade de a Terra ter sido visitada por alienígenas.

Se as fontes do The New York Times são credíveis, há claramente ainda nenhuma boa razão para interpretar um objeto inexplicável no céu como prova de alienígenas.

Mas isso significa que os alienígenas não estão lá fora, em algum outro lugar do Universo? E se estão, poderemos encontrá-los? Ou eles podem ser tão diferentes de nós que “encontrá-los” é impossível em qualquer sentido significativo?

Perguntamos a cinco especialistas. Quatro em cada cinco especialistas disseram que alienígenas existem. Aqui estão suas respostas detalhadas.

Jonti Horner, astrobiólogo:

Acho que isso seria um sim definitivo. Mas acho que a verdadeira questão é: os alienígenas estão perto o suficiente para que possamos descobri-los?

O espaço é incrivelmente grande. Nas últimas décadas, aprendemos que quase todas as estrelas do cosmos têm planetas. Estima-se que nossa galáxia, a Via Láctea, tenha até 400 bilhões de estrelas. Se cada uma delas tivesse cinco planetas, teríamos dois trilhões de planetas apenas em nossa galáxia. E sabemos que existem mais galáxias no cosmos do que planetas na Via Láctea.

Em outras palavras, há muitos lares por aí. E com tanta variedade, acho impossível acreditar que a Terra seja o único planeta que tem vida – incluindo vida inteligente e tecnologicamente avançada.

Mas será que algum dia encontraremos essa vida extraterrestre? Essa é uma pergunta difícil. Imagine que uma em um bilhão de estrelas hospeda um planeta que pode desenvolver vida tecnologicamente avançada, que é capaz de ecoar sua existência para o cosmos.

Bem, isso nos daria 400 estrelas em nossa galáxia com vida tecnologicamente avançada. Mas nossa galáxia é vasta – 100.000 anos-luz de ponta a ponta. Isso é tão grande que essas estrelas estariam, em média, a cerca de 10.000 anos-luz de distância. É longe demais para ouvirmos sinais alienígenas (pelo menos por agora) – a menos que eles sejam muito mais poderosos do que qualquer coisa que possamos enviar!

Portanto, embora eu acredite que existe vida alienígena, acho que encontrar provas disso será incrivelmente difícil.

Steven Tingay, astrofísico:

Sim, mas essa é uma afirmação ousada. Então, sejamos claros sobre o que estamos falando.

Considero o termo “alienígena” uma referência a todas as formas de vida, como a entendemos na Terra, residentes em outros lugares que não a Terra. Dito isto, não existe atualmente um consenso detalhado sobre a definição de “vida”. É um conceito muito complexo. Mas se descobríssemos algo como bactérias em algum lugar diferente da Terra, eu classificaria isso como vida alienígena.

O Universo contém centenas de bilhões de galáxias, cada uma das quais pode ser composta por até bilhões e bilhões de estrelas. A maioria dessas estrelas tem pelo menos um planeta cada. Esses sistemas planetários se formam a partir de uma rica mistura de elementos, incluindo todos os elementos considerados essenciais para a “vida”.

Portanto, é difícil acreditar que a mistura particular de condições que resultou em “vida” ocorreu apenas na Terra, e não nos trilhões de outros planetas do Universo.

Mas resta saber se esta vida é como uma bactéria ou se é uma empolgante “civilização tecnologicamente avançada” com a qual podemos nos comunicar.

Um esforço significativo está em andamento para procurar civilizações alienígenas que podem estar usando tecnologias semelhantes às nossas, como poderosos radiotelescópios enviando comunicações de comprimento de onda de rádio de sistemas planetários distantes.

E então, é claro, é possível que nossa definição de “vida” seja bastante restrita e que os alienígenas – onde quer que estejam – podem estar em cena com um conjunto de regras completamente diferente.

Helen Maynard-Casely, cientista planetária:

Sou da opinião de que é apenas uma questão de tempo até que encontremos algo que se assemelhe à biologia em algum lugar diferente da Terra. Isso ocorre porque estamos cada vez mais encontrando vários nichos potenciais em nosso Sistema Solar que podem ser hospitaleiros para a vida como a conhecemos.

Por exemplo, considere os oceanos sob gelo de Europa e Ganímedes (duas das grandes luas de Júpiter): esses são lugares onde a temperatura é perfeita, há acesso à água e aos minerais também. Então, novamente, isso é ver as coisas com lentes muito parecidas com a da Terra e, claro, a vida alienígena poderia ser muito diferente da nossa.

É por isso que estou realmente animada com a exploração adicional da lua de Saturno, Titã. Titã tem toda uma gama de moléculas interessantes em sua superfície, bem como sistemas climáticos ativos para transportá-las – isso também, tudo dentro de nosso Sistema Solar. E sabemos que existem outros sistemas solares em nossa galáxia.

Considerando tudo isso, realmente parece cada vez mais inevitável que encontremos um nicho para alguma biologia ativa em algum lugar. Se pode nos dizer olá? Bem, essa é uma questão diferente.

Rebecca Allen, especialista em tecnologia espacial:

Sim, mas provavelmente não se parecem conosco.

Estima-se que existam mais de 100 bilhões de planetas em nossa galáxia (com cerca de seis bilhões potencialmente semelhantes à Terra). Portanto, a probabilidade de que existe vida em outro lugar é quase confirmada.

Quando ouvimos a palavra “alienígena”, no entanto, a imagem de uma forma de vida humanoide geralmente vem à mente. Mas mesmo na Terra, a forma de vida mais predominante é muito mais velha, menor e mais resistente.

Estou falando sobre microrganismos, é claro. Esses organismos desafiam a ciência por existirem onde a vida não existe, como na lama ao redor das aberturas vulcânicas. Aposto que existe vida alienígena na forma desses “extremófilos”.

Na verdade, a NASA acaba de enviar uma equipe de pequenos astronautas tardígrados (ou “ursos-d’água”) para a Estação Espacial Internacional para que os astronautas humanos possam estudar como eles atuam neste ambiente extremo. Com ingredientes-chave para a vida sendo descobertos em nosso Sistema Solar, parece provável que as formas de vida mais resistentes da Terra estejam espalhadas por toda a galáxia.

Mas e quanto à vida mais avançada? A realidade é que o espaço é vasto. E com a missão Kepler, aprendemos que é difícil encontrar outros mundos, quanto mais identificar um que se assemelhe à Terra. Adicione ao fato de que levou bilhões de anos para que a vida avançada prosperasse na Terra, e há uma pequena chance de encontrarmos uma espécie semelhante de alienígena.

Mas a esperança permanece, e os cientistas continuam a usar radiotelescópios avançados para examinar os céus em busca de novas formas de comunicação por rádio.

Martin Van-Kranendonk, astrobiólogo:

Uma resposta simples a essa pergunta é não.

Se usarmos dados puramente empíricos e assumirmos que a pergunta se refere a qualquer tipo de vida fora da Terra que não esteja relacionada à atividade humana, então a resposta – até onde sabemos – deve ser não.

Mas, é claro, nosso conhecimento relacionado a essa questão é finito; não investigamos todos os cantos do Universo em busca de sinais de vida e nem mesmo sabemos o que pode constituir a vida em outro sistema químico, já que não existe uma definição consensual de vida baseada no carbono mesmo aqui na Terra.

Então, talvez, a resposta mais ampla seja não sabemos. Na verdade, talvez nunca possamos responder definitivamente a essa pergunta. Mas é claro que há muito trabalho sendo feito no esforço de descobrir isso.

Talvez um dia possamos saber se temos vizinhos interplanetários próximos, ou se de fato estamos sozinhos. Ou talvez nunca saberemos.