Os fantasmas de William Crookes

Por Miguel Barral
Publicado na OpenMind

William Crookes é hoje reconhecido como um dos grandes cientistas da Era Vitoriana. Ele deixou sua marca em tudo com a invenção de tubos para estudar os raios catódicos e com a descoberta de um elemento químico, o tálio. Mas ele também foi inventor dos óculos de sol modernos e engenhosos dispositivos para ver o decaimento de átomos radioativos ou para detectar a intensidade da radiação eletromagnética.

Ele também fundou e editou periódicos científicos e tornou-se presidente da Royal Society, a mais antiga sociedade científica do mundo. Muito menos conhecida é, no entanto, sua relação ambígua com o mundo do espiritismo e do paranormal. Uma passagem obscura de sua vida, que durou quatro anos, e quase chegou ao ponto de acabar com sua carreira científica e arruinar sua reputação.

Da descoberta de um elemento à investigação de médiuns

William Crookes (17 de junho de 1832 – 4 de abril de 1919) foi filho de um rico alfaiate, herdou uma considerável fortuna e, com apenas 24 anos, decidiu montar um laboratório particular e se estabelecer por conta própria como assessor, consultor e investigador científico independente. Apenas três anos depois, Crookes descobriu o tálio e determinou com sucesso suas propriedades químicas. Uma conquista que imediatamente o estabeleceu como um dos químicos da época, como evidenciado pelo fato de que, com apenas 31 anos de idade, ele foi eleito membro da distinta Royal Society em 1863. Tudo presumia que uma carreira deslumbrante o aguardava.

Crookes descobriu o Tálio através do processo de espectroscopia. Foto: Wikimedia.

Mas, então, algo aconteceu em 1867. A morte de Phillip, o mais jovem e mais querido de seus quinze irmãos, mergulhou Crookes em uma tremenda tristeza e depressão da qual seus amigos tentaram resgatá-lo. Entre eles estava Cromwell Varley, que era seu colega, que convenceu William e sua esposa a comparecer a uma sessão com um médium para tentar se comunicar com o irmão ausente. Na Inglaterra Vitoriana, o espiritualismo ou espiritismo estava em pleno andamento, a ponto de se tornar uma espécie de religião alternativa que tinha muitos seguidores em todas as classes sociais, de modo que aquela sugestão não soou louca.

O casal Crookes participou de uma série de sessões que deveriam ter tido um profundo impacto sobre William, porque, a partir desse momento, ele decidiu recorrer à investigação do paranormal. Ele se propôs manter uma posição de permanente ceticismo e de se ajustar rigorosamente ao método científico que tão bem conhecia: realizar uma série de experimentos sob condições controladas (para isso, ele projetou e construiu especificamente uma sala), o que permitiria medições objetivas mais além daquela que poderiam fazer os sentidos acreditarem; e sempre fazê-lo na presença de testemunhas de máxima confiabilidade e do campo da ciência. E também foi proposto para enfrentar esse estudo a ausência de ideias preconcebidas, preconceitos ou perspectivas.

Fotografia com a qual Crookes tentou provar a existência do fantasma de Katie King. Fonte: Wikimedia.

Ele examinou vários alegados médiuns e desmascarou fraudes, mas também deu credibilidade a alguns, como o famoso espiritualista Daniel Douglas Hume, que passou com sucesso nos dois experimentos iniciais desenvolvidos por Crookes para testar fenômenos paranormais. Especificamente, a capacidade de manipular objetos à distância e modificar o peso de um objeto. O primeiro deles exigia que o médium soasse um acordeão trancado em uma gaveta disposta debaixo de uma mesa, descansando as mãos nas extremidades dela. O segundo, alterar o peso de uma placa de madeira disposta em uma escala, apoiando levemente as pontas dos dedos na borda da placa.

Hume foi capaz de superar ambos os testes em face dos olhos atordoados de Crookes e das três testemunhas que o acompanhavam. Esses resultados levaram Crookes a concluir que o sujeito dominava algum tipo de “força psíquica” que não se encaixava nas leis naturais conhecidas, então ele recebeu numerosas críticas e ataques.

Retorno à ciência pela porta da frente

Ainda mais escandaloso foi o apoio e patrocínio que Crookes forneceu em 1874 a Florence Cook, uma quinceanera através da qual, supostamente, se materializava um fantasma chamado Katie King. Crookes afirmava tê-lo visto e chegou a tirar numerosas fotografias em uma vã tentativa de documentar sua existência. Esse caso prejudicou ainda mais sua figura, mesclando também com rumores sobre seu relacionamento íntimo com a adolescente. Superado pelos acontecimentos, Crookes abandonou a investigação do paranormal de 1875. Ele retornou ao caminho da ciência e inventou nesse mesmo ano um radiômetro, um tipo de moedor de luz cujos braços se movem na presença de radiação eletromagnética.

O radiômetro de Crookes, também conhecido como um moinho de luz ou motor solar. Crédito: Nevit Dilmen.

E a partir de 1878, ele voltou seu interesse para os recém-descobertos raios catódicos, a fim de determinar sua natureza. Para fazer isso, ele inventou o tubo de Crookes, com o qual ele concluiu que os raios catódicos eram, na verdade, um jato de partículas e também carregadas negativamente, como constatou ao desviar o jato com um ímã. Pouco tempo depois, esses estudos levaram à descoberta do elétron (feito por Thomson com um tubo de Crookes) e dos raios-X.

Essas novas conquistas restauraram completamente seu prestígio até que sua incursão no paranormal fosse lembrada como um episódio infeliz. Não obstante, sir William Crookes manteve seu vínculo com o espiritismo para o resto de sua vida. Após a morte de sua esposa, em 1916, ele tentou se comunicar com ela em sessões com médiuns. Ele também foi membro do The Ghost Club, uma sociedade de pesquisa paranormal que Charles Dickens e Arthur Conan Doyle também faziam parte, e ele que ele presidiu entre 1907 e 1912, pouco antes de ser nomeado presidente da Royal Society em 1913.

CONTINUAR LENDO