Os seres humanos estão realmente à beira de alcançar a imortalidade?

Imagem: Shutterstock.

Por Aliyah Kovner
Publicado na IFLS

O futurista Ian Pearson anunciou que a humanidade alcançará a imortalidade até o ano de 2050. Mas será que ele está certo?

De acordo com o cientista de foguetes e engenheiro de TI – que afirma ter uma taxa de sucesso de 85% “ao olhar 10-15 anos à frente” – os avanços recentes em tecnologia biomédica e computacional inevitavelmente superarão a morte através de um dos três métodos:

Terapia regenerativa

Pearson, conversando com o The Sun, destaca a possível adoção estratégica da engenharia genética para prevenir ou reverter o envelhecimento celular; embora o artigo seja vago, talvez ele esteja fazendo alusão à ferramenta de edição de genes derivada de bactérias, CRISPR-Cas 9. Ele também postula que novos órgãos ou partes do corpo simplesmente poderiam ser substituídos, conforme necessário, através da impressão 3D.

“Ninguém quer viver para sempre aos 95 anos, mas se você pudesse rejuvenescer o corpo para 29 ou 30 anos, você poderia querer fazer isso”, disse ele.

Para Pearson, o CRISPR realmente apresenta uma revolução no tratamento de distúrbios e doenças genéticas. Pesquisas mostram que a ferramenta molecular pode ser programada para alterar precisamente sequências de DNA, sem prejudicar outras seções do genoma. Além disso, os estudos publicados nos últimos meses indicam que estamos nos aproximando da capacidade de regenerar órgãos ou estruturas corporais usando células-tronco cultivadas, muitas vezes combinadas com um andaime impresso em 3D para orientar o desenvolvimento da célula para a forma certa.

Corpos robóticos

Intervir para manter nossos corpos funcionando indefinidamente, como um bem cuidado Toyota dos anos 1990, é o menor dos obstáculos. Pearson acredita que o caminho mais provável para a imortalidade envolve a criação de sofisticadas interfaces cérebro-computador (BCIs), que liguem todo o cérebro para um sistema operacional. Até 2050, o sistema seria tão avançado que poderíamos nos sentar em casa, enquanto interagiríamos com o nosso meio através de androides operados a distância.

“Muito tempo antes de começarmos a consertar e a rejuvenescer nossos corpos, seremos capazes de vincular nossas mentes para o mundo das máquinas, viveremos efetivamente na nuvem”, disse ele.

Estudos demonstram que pequenas BCIs cirurgicamente implantadas facilitam a operação de próteses robóticas ou computadores externos por indivíduos com paralisia ou amputações. BCIs montados de maneira externa permitem que pacientes completamente paralisados respondam perguntas com “sim” ou “não”.

Hoje, porém, a tecnologia é limitada à interpretação de sinais cerebrais que provêm de uma parte do cérebro, como o córtex motor, ou são completamente inequívocas, como as diferenças na ativação cerebral ao pensar “sim” versus “não”.

BCIs que poderiam traduzir o padrão de disparos de neurônios necessários para compor uma poesia em francês estão, portanto, bastante distantes, mas considerando o progresso feito na história de apenas 20 anos em um campo nascente, as previsões de Pearson podem ser razoáveis. Além disso, o governo dos EUA, o Facebook e – desculpe Pearson – o futurista favorito de todos, Elon Musk, estão todos financiando o novo desenvolvimento da BCI.

Claro, a tecnologia por trás da funcionalidade física dos androides será um chapéu antigo até 2050, graças ao impulso atual para a criação de robôs realistas feitos pela indústria do sexo.

Na Matrix

Eventualmente, Pearson supõe que a humanidade terá a oportunidade de evitar a realidade física e escolherá viver em um mundo simulado. Longe do enredo dos filmes de ficção científica, esse conceito existe há algum tempo entre os seguidores do movimento transhumanista. Em um vídeo de 2011, Pearson admitiu que, embora suas ideias possam parecer estranhas, são apenas projeções do que será possível, dada a nossa atual taxa de inovação.

“A razão de eu não falar normalmente sobre 50 anos no futuro é porque quando você está falando sobre tecnologia de imortalidade e tal, você realmente associa com algo que está além de Star Trek… Isso mostra o quão rápido as coisas estão indo. E as pessoas simplesmente pensam que você está sendo maluco, mas, na verdade, em um período de 50 anos, você pode acabar com a morte, baixar sua mente inteira em um computador e armazená-la para sempre”.

Em cima da enorme quantidade de questões éticas e existenciais que essas projeções trazem, adicionamos mais uma à pilha. Depois que a morte biológica for resolvida, o que faremos com a erupção solar que inevitavelmente danificará todos os servidores que estarão armazenando nossas consciências?

CONTINUAR LENDO