Perguntas frequentes sobre Energia Escura

0
1735

Por Sean Carroll
Publicado no
Preposterous Universe

Em homenagem ao Prêmio Nobel [2011], aqui estão algumas perguntas que são, ou deveriam ser, frequentes sobre a energia escura.

O que é a energia escura?

É o que faz o universo acelerar, se é que realmente existe alguma “coisa” que faz isso. (Veja abaixo).

Então, eu acho que eu deveria estar perguntando… O que significa dizer que o universo está “acelerando”?

Primeiro, o universo está em expansão: como mostrado pelo Hubble, galáxias distantes estão se afastando de nós com velocidades que são, mais ou menos, proporcionais à sua distância. “Aceleração” significa que, se você medir a velocidade de uma dessas galáxias, e voltar um bilhão de anos mais tarde, e medi-la novamente, a velocidade da recessão será maior. Galáxias estão se afastando de nós a um ritmo acelerado.

Mas isso é superficial demais. Não há uma maneira mais abstrata e cientificamente sólida de colocá-la?

A distância relativa entre as galáxias distantes pode ser resumida em uma única quantidade chamada de “fator de escala”, muitas vezes escrita como a(t) ou R(t). O fator de escala é basicamente o “tamanho” do universo, embora não seja realmente o tamanho, porque o universo pode ser infinitamente grande – mais precisamente, é o tamanho relativo do espaço de momento a momento. A expansão do universo é o fato de que o fator de escala está aumentando com o tempo. A aceleração do universo é o fato de que ele está aumentando a um ritmo crescente – a segunda derivada é positiva, falando de cálculos.

Isso significa que a constante de Hubble, que mede a taxa de expansão, está aumentando?

Não. A “constante” de Hubble (ou “parâmetro” de Hubble, se você quiser reconhecer que muda com o tempo) caracteriza a taxa de expansão, mas não é simplesmente derivada do fator de escala: é a derivada dividida pelo fator da própria escala. Por quê? Porque, então, é uma quantidade mensurável fisicamente, não algo que pode mudar por convenções. A constante de Hubble é basicamente a resposta para a pergunta: “qual rapidez do fator da escala da expansão do universo, por algum fator multiplicativo?”

Se o universo estiver desacelerando, a constante de Hubble estará diminuindo. Se a constante de Hubble aumentar, o universo estará acelerando. Mas há um regime intermediário na qual o universo está acelerando, mas a constante de Hubble está diminuindo – e isso é exatamente onde nós pensamos que estamos. A velocidade de galáxias individuais está aumentando, mas é preciso muito mais tempo para o universo dobrar de tamanho.

Falarei ainda de uma outra maneira: a Lei de Hubble relaciona a velocidade v de uma galáxia à sua distância d via v = H.d. A velocidade pode aumentar até mesmo se o parâmetro de Hubble estiver diminuindo, enquanto ele está diminuindo mais lentamente do que o aumento da distância.

Será que os astrônomos realmente vão esperar um bilhão de anos para medir novamente a velocidade das galáxias?

Não. Você mede a velocidade de galáxias que estão muito longe. Como a luz viaja a uma velocidade fixa (um ano-luz por ano), você está olhando para o passado. Reconstruir a história de como as velocidades eram diferentes no passado revela que o universo está acelerando.

Como medir a distância de galáxias que estão tão distantes?

Não é fácil. O método mais robusto seria usar uma “vela padrão” – algum objeto que seja brilhante o suficiente para ver a partir de grandes distâncias, e cujo brilho intrínseco seja conhecido antes do tempo. Depois, você pode descobrir a distância simplesmente medindo o quão brilhante ela realmente parece: intensidade = ver mais longe.

Infelizmente, não existem velas padrão.

Então, o que eles fazem?

Felizmente, temos a melhor coisa aproximada a isto: Velas padronizáveis. Um tipo específico de supernova, o Tipo Ia, são muito brilhantes e possuem aproximadamente (apesar de não tanto) o mesmo brilho. Felizmente, na década de 1990, Mark Phillips descobriu uma notável relação entre o brilho intrínseco e o período de tempo que leva para uma supernova declinar depois de atingir o brilho máximo. Portanto, se medirmos o brilho, uma vez que ele diminui ao longo do tempo, pode-se corrigir esta diferença, a construção de uma medida de brilho universal que pode ser utilizada para determinar distâncias.

Por que supernovas de Tipo Ia são velas padronizáveis?

Nós não estamos completamente certos [disto] – na maior parte, é uma relação empírica. Mas nós temos uma boa ideia: nós achamos que essas supernovas são estrelas anãs brancas que incorporaram a matéria de fora, até atingir o limite de Chandrasekhar e explodir. Desde que esse limite é basicamente o mesmo em todo o universo, não é totalmente surpreendente que as supernovas tenham brilhos semelhantes. Os desvios são presumivelmente devido a diferenças na composição.

Mas como você sabe quando uma supernova vai acontecer?

Ninguém sabe. Elas são raras, talvez uma vez por século, em uma galáxia típica. Então, o que fazemos é olhar para muitas delas, muitas galáxias, com câmeras em todo canto. Em particular, você compara uma imagem do céu tomada em um momento para outra tomada algumas semanas mais tarde – “algumas semanas”, sendo mais ou menos o tempo entre luas novas (quando o céu está mais escuro), e coincidentemente sobre o tempo que leva para uma supernova incendiar-se no brilho. Então, você usa computadores para comparar as imagens e procurar novos pontos brilhantes. Daí, você volta e examina essas manchas brilhantes de perto para tentar verificar se elas são realmente supernovas de tipo Ia. Obviamente, isso é muito difícil e não seria sequer concebível, se não fosse por um número relativamente recente de avanços tecnológicos – Câmeras CCD, bem como telescópios gigantes. Nestes primeiros usos dos dispositivos, estou confiante de que vamos observar dezenas de supernovas – Mas quando Perlmutter e seu grupo começou [este tipo de trabalho], estava muito longe de ser óbvio.

E o que eles acharam quando fizeram isso?

A maioria (quase todos) os astrônomos esperavam que eles achassem que o universo estava desacelerando – galáxias puxando umas as outras com seus campos gravitacionais, o que deveria retardar a coisa toda para baixo. (Na verdade, muitos astrônomos apenas pensavam que isso iria falhar completamente, mas é outra história). Mas o que eles realmente encontraram foi que as supernovas distantes eram mais escuras do que o esperado – Um sinal de que elas estão mais longe do que o previsto, o que significa que o universo tem vindo a acelerar.

Por que os cosmólogos aceitaram este resultado tão rapidamente?

Mesmo antes dos anúncios de 1998, ficou claro que algo estranho estava acontecendo com o universo. Parecia haver evidências de que a idade do universo era mais jovem do que a idade de suas estrelas mais antigas. Não havia tanta matéria total quanto os teóricos previam. E havia menos estrutura em grandes escalas do que as pessoas esperavam. A descoberta da energia escura resolveu todos estes problemas de uma só vez. Ela fez tudo isto se encaixar. Então, as pessoas ainda estavam muito cautelosas, mas, uma vez que esta observação surpreendente foi feita, o universo, de repente, fez muito mais sentido.

Como sabemos que as supernovas não perdem brilho porque algo as obscurece, ou simplesmente porque as coisas eram diferentes no passado distante?

Essa é a pergunta certa a se fazer, e foi uma das razões na qual duas equipes de estudantes das supernovas trabalharam tão firme em suas análises. Você nunca pode estar 100% certo, mas você pode ganhar mais e mais confiança. Por exemplo, os astrônomos sabem a muito tempo que um material que está obscurecendo tende a dispersar luz azul mais facilmente do que vermelho, levando a “vermelhidão” das estrelas para trás das nuvens de gás e poeira. É possível olhar para vermelhidão, e, no caso destas supernovas, não parece ser importante. Mais importante, agora temos um monte de linhas independentes de evidências que chegam à mesma conclusão, então parece que os resultados originais de supernovas eram sólidos.

Há realmente evidências independentes para a energia escura?

Certamente. Um argumento simples é a “subtração”: A radiação cósmica de fundo mede a quantidade total de energia (incluindo a matéria) do universo. Medidas locais de galáxias e aglomerados medem a quantidade total de matéria. Este último acaba por ser cerca de 27% do primeiro, deixando 73%, ou mais, na forma de alguma coisa invisível que não é matéria: A “Energia Escura”. Essa é a ideia certa para explicar a aceleração do universo. Outras linhas de evidência vêm de oscilações de bárion acústicos (ondulações na estrutura em larga escala cujo tamanho ajuda a medir a história da expansão do universo) e a estrutura da evolução em que o universo se expande.

Certo, então: O que é a energia escura?

Fico feliz em você ter perguntado! A energia escura tem três propriedades cruciais. Em primeiro lugar, é escura: nós não a vemos, e, tanto quanto podemos observar, ela não interage totalmente com a matéria. (Talvez apenas um pouco, mas abaixo de nossa capacidade de detectar atualmente). Em segundo lugar, está bem distribuída: ela não cai em galáxias e aglomerados, ou nós teríamos encontrado-a estudando a dinâmica desses objetos. Em terceiro lugar, é persistente: a densidade da energia escura (a quantidade de energia por ano-luz cúbico) mantém-se aproximadamente constante, à medida que o universo se expande. Não dilui ao longo do tempo, como a matéria faz.

Estas duas últimas propriedades são suaves e persistentes, e é por isso que chamamos de “energia” em vez de “matéria”. A energia escura não parece agir como as partículas, que têm dinâmicas locais e diluem ao longo da expansão do universo. A energia escura é outra coisa.

Essa é uma história bem agradável. O que pode ser a energia escura, mais especificamente?

O principal candidato é o mais simples: “Constante cosmológica”, “energia do vácuo”, ou, uma vez que sabemos que a energia escura é bastante suave e persistente, a primeira suposição é que ela é perfeitamente lisa e exatamente persistente. Essa é a energia do vácuo: uma quantidade fixa de energia anexada a cada pequena região do espaço, imutável de lugar para lugar, ou de tempo para tempo. Cerca de cem-milionésimo de um erg por centímetro cúbico, se você quiser saber os números.

Energia do vácuo é realmente a mesma coisa que constante cosmológica?

Sim. Não acredite nas alegações em contrário. Quando Einstein inventou a ideia, ele não pensou nisso como “energia”, ele pensou nisso como uma modificação do caminho da curvatura do espaço-tempo interagindo com a energia. Mas acaba por ser, precisamente, a mesma coisa. (Se alguém não quiser acreditar, pergunte-lhes como eles iriam, observacionalmente, distinguir os dois).

Mas a energia não viria de flutuações quânticas?

Não exatamente. Há muitas coisas diferentes que podem contribuir para a energia do espaço vazio, e algumas delas são completamente clássicas (não tendo nada a ver com flutuações quânticas). Mas, além da contribuição clássica, seja qual for a energia do vácuo, também existem flutuações quânticas em cima disso. Estas flutuações são muito grandes, o que leva ao problema da constante cosmológica.

Qual é o problema da constante cosmológica?

Se tudo o que sabíamos era da mecânica clássica, a constante cosmológica seria apenas um número – não há nenhuma razão para que ela seja grande ou pequena, positiva ou negativa. Nós apenas a medimos, e ela é feita.

Mas o mundo não é clássico, é quântico. Na teoria quântica de campos, esperamos que as quantidades clássicas recebam “correções quânticas”. No caso da energia do vácuo, estas correções virão na forma da energia das partículas virtuais, flutuando no vácuo do espaço vazio.

Podemos acrescentar a quantidade de energia que esperamos nessas flutuações do vácuo, e a resposta será: Uma quantidade infinita. Isso está obviamente errado, mas nós suspeitamos que estamos contando corretamente. Em particular, esse cálculo aproximado inclui flutuações em todos os tamanhos, incluindo comprimentos de onda menores do que a distância de Planck, onde o espaço-tempo, provavelmente, perde a sua validade conceitual. Se, em vez disso, incluirmos apenas os comprimentos de onda que estão no comprimento de Planck ou mais, temos uma estimativa específica para o valor da constante cosmológica.

A resposta será: 10120 vezes o que nós realmente observamos. Essa discrepância é o problema da constante cosmológica.

Porque a constante cosmológica é tão pequena?

Ninguém sabe. Antes da das supernovas virem juntas, muitos físicos assumiam que havia alguma simetria secreta ou mecanismo dinâmico que definia a constante cosmológica para precisamente zero, uma vez que, certamente, sabiam que era muito menor do que as nossas estimativas indicam. Agora, estamos diante tanto de explicar porque ela é pequena, quanto por que ela não é completamente zero. E por uma boa medida: o problema da coincidência, que é por isso que a densidade da energia escura é a mesma ordem de grandeza que a densidade da matéria.

Veja como as coisas estão ruins: Agora, a melhor explicação teórica para o valor da constante cosmológica é o princípio antrópico. Se vivemos em um multiverso, onde diferentes regiões têm diferentes valores da energia do vácuo, pode-se argumentar plausivelmente que a vida só pode existir (para fazer observações e ganhar prêmios Nobel) em regiões onde a energia do vácuo é muito menor do que a estimativa. Se fosse maior e positiva, galáxias (ou mesmo átomos) seriam rompidos; Se fosse maior e negativa, o universo iria rapidamente colapsar. Na verdade, podemos estimar aproximadamente o que os observadores típicos medem em tal situação; a resposta é muito próxima do valor observado. Steven Weinberg realmente fez esta previsão em 1988, muito antes da aceleração do universo ser descoberta. Ele não considerou isto muito difícil, no entanto; Era mais como: “se é assim que as coisas funcionam, isso é o que devemos esperar ver…”, Há muitos problemas com este cálculo, especialmente quando você começa a falar de “observadores típicos”, mesmo se você estiver disposto a acreditar que não pode ser um multiverso. (Eu fico muito feliz em contemplar a ideia de multiverso, mas sou muito cético de que podemos atualmente fazer uma previsão razoável para quantidades observáveis nesse âmbito).

O que nós realmente gostaríamos é de uma fórmula simples, que prevê a constante cosmológica, de uma vez por todas, como uma função de outras constantes medidas na natureza. Não temos isso ainda, mas estamos tentando. Cenários propostos fazem uso da gravidade quântica, dimensões extras, buracos de minhoca, supersimetria, não-localidade, e outras ideias interessantes, mas especulativas. Ninguém ainda não pegou nada, realmente.

O curso do progresso na teoria das cordas foi sempre afetado por um resultado experimental?

Sim: a aceleração do universo. Anteriormente, os teóricos das cordas (assim como todos os outros) assumiam que a coisa certa a se fazer era explicar um universo com energia do vácuo zero. Uma vez que havia uma chance real da energia do vácuo não ser zero, eles perguntaram se isso era fácil de acomodar dentro da teoria de cordas. A resposta é: não é tão difícil. O problema é que, se você pode encontrar uma solução, você pode encontrar um número absurdamente grande de soluções. Essa é a paisagem da teoria das cordas, que parece matar as esperanças de uma solução única que poderia explicar o mundo real. Isso teria sido bom, mas a ciência tem que prosseguir com o que a natureza tem para oferecer.

O que é o problema da coincidência?

A matéria dilui de acordo como a expansão do universo, enquanto a densidade de energia escura permanece mais ou menos constante. Portanto, a densidade relativa da energia e matéria escura altera-se consideravelmente ao longo do tempo. No passado, houve muito mais matéria (e radioterapia); No futuro, a energia escura vai dominar completamente. Mas hoje, elas são aproximadamente iguais, pelos padrões cosmológicos. (Quando dois números podem diferir por um fator de 10.100, ou muito mais, por um fator de três, assim, contando como “iguais”). Por que tivemos tanta sorte em nascer numa época em que a energia escura é grande o suficiente para ser descoberta, mas pequena o suficiente que seja um esforço digno do prêmio Nobel para fazê-lo? Ou isto é apenas uma coincidência (o que pode ser verdade), ou há algo especial sobre a época em que vivemos. Essa é uma das razões pelas quais as pessoas estão dispostas a levar os argumentos antrópicos a sério. Estamos falando de um universo absurdo aqui.

Se a energia escura tem uma densidade constante, mas o espaço se expande, isso não significaria que a energia não é conservada?

Sim. Exatamente assim.

Qual é a diferença entre a “energia escura” e a “energia do vácuo”?

A “Energia escura” é o fenômeno geral de coisas suaves, persistentes, que fazem o universo acelerar; A “Energia do vácuo” é um candidato específico para a energia escura, ou seja, aquilo que é absolutamente liso e totalmente constante.

Então há outros candidatos para a Energia Escura?

Sim. Tudo que você precisa é de algo que é muito suave e persistente. Acontece que a maioria das coisas diluem para longe e, portanto, encontrar fontes de energia persistentes não é fácil. A ideia melhor e mais simples é a quintessência, que é apenas um campo escalar que preenche o universo e mudando muito lentamente, à medida que o tempo passa.

A quintessência é uma ideia muito natural?

Na verdade não. Uma esperança original era que, considerando-se algo dinâmico e mudando, ao invés de uma energia constante fixa e simples, você poderia vir acima com alguma explicação inteligente para o por que a energia escura era tão pequena, e talvez até mesmo explicar o problema da coincidência. Nenhuma dessas esperanças realmente levou a melhor.

Em vez disso, você adiciona novos problemas. De acordo com a teoria quântica de campos, campos escalares são pesados; mas para ser essência, um campo escalar teria de ser extremamente leve, talvez 10-30 vezes a massa do neutrino mais leve (Mas não zero!). Esse é um problema novo que você introduz, e outro é que um campo escalar de luz deve interagir com a matéria comum. Mesmo que a interação seja muito fraca, ela ainda deve ser grande o suficiente para se detectar – e não foi detectada. Claro, essa é uma oportunidade, bem como um problema – talvez as melhores experiências realmente encontrem uma “força de quintessência”, e nós vamos entender a energia escura de uma vez por todas.

Como podemos testar a ideia da quintessência?

A maneira mais direta de fazer isso é, novamente, com supernovas, mas fazendo-a melhor. De modo mais geral: Mapeando a expansão do universo com tanta precisão que possamos dizer se a densidade da energia escura está mudando com o tempo. Isso geralmente é escalado como uma tentativa de equação para medir a energia escura do parâmetro do estado w. Se w for, exatamente, menor que um, a energia escura será, exatamente, constante – a energia do vácuo. Se w é ligeiramente maior do que 1, a densidade da energia irá diminuir gradualmente; se é um pouco menor (por exemplo -1.1), a densidade de energia escura irá, realmente, crescer com o tempo. Isso é perigoso por todos os tipos de razões teóricas, mas devemos manter nossos olhos abertos.

O que é w?

É o chamado “parâmetro da equação de estado” porque se relaciona a pressão p da energia escura à sua densidade de energia ρ, via w =p/ρ. É claro que ninguém mede a pressão da energia escura, por isso é uma definição um pouco tola, mas é um acidente da história. O que realmente importa é a forma como a energia escura evolui com o tempo, mas na relatividade geral, está diretamente relacionada ao parâmetro da equação de estado.

Isso quer dizer que a energia escura tem pressão negativa?

Sim, de fato. A pressão negativa é o que acontece quando uma substância puxa ao invés de empurra – como uma mola quando esticada, quando puxa-se em cada extremidade. É muitas vezes chamada de “tensão”. É por isso que eu defendo “tensão suave” como um nome melhor do que “energia escura”, mas parece ser muito tarde para isto.

Por que a energia escura faz o universo acelerar?

Porque é persistente. Einstein dizia que a energia faz com que o espaço-tempo se curvasse. No caso do universo, há dois tipos de curvatura: A curvatura do próprio espaço (em oposição ao espaço-tempo), e a expansão do universo. Nós medimos a curvatura do espaço, e é essencialmente zero. Assim, a energia persistente conduz a uma taxa de expansão persistente. Em particular, o parâmetro de Hubble está perto de sua constante, e se você se lembrar da Lei de Hubble, da maneira acima da parte superior (v=H.d) você vai perceber que, se H é aproximadamente constante, v estará aumentando, porque a distância está aumentando.
Então: aceleração.

A pressão negativa é como a tensão, mas porque ela não puxa as coisas em conjunto, em vez de empurrá-las?

Algumas vezes você irá ouvir algo em torno disto e, estritamente falando, é verdade, mas pode dar uma impressão errada: “A energia escura faz com que o universo acelere porque tem uma pressão negativa”; Isto dá uma ilusão de compreensão ao invés de uma compreensão real. Está dizendo: “a força da gravidade depende da densidade + três vezes a pressão, por isso, se a pressão é igual e oposta à densidade, a gravidade é repulsiva”. Parece sensato, exceto que ninguém irá lhe explicar por que a gravidade depende da densidade aumentada de três vezes a pressão. E isso não é realmente dependente da “força da gravidade”; é a expansão local do espaço.

A pergunta “por que a tensão não puxam as coisas juntas?” É perfeitamente válida. A resposta é: Porque a energia escura realmente não empurra ou puxa qualquer coisa. Por um lado , ela não interage diretamente com a matéria comum; Por outro lado, é igualmente distribuída através do espaço, de modo que qualquer coisa que o puxe a partir de uma direção seria exatamente equilibrado por uma força oposta à do outro lado. É o efeito indireto da energia escura, pela gravidade, em vez de através da interação direta, que faz com que o universo acelere.

A verdadeira razão da energia escura fazer o universo acelerar é porque é persistente.

A energia escura é como a antigravidade?

Não. A energia escura não é “anti-gravidade”, é apenas gravidade. Imagine um mundo com zero de energia escura, exceto por duas bolhas cheias de energia escura. Essas duas bolhas não se repelem, eles vão atrair. Mas dentro dessas bolhas, a energia escura vai empurrar espaço para se expandir. Isso é apenas o milagre da geometria não-euclidiana.

É uma nova força repulsiva?

Não. É apenas um novo (ou pelo menos diferente) tipo de fonte para uma velha força–  gravidade. Não há novas forças da natureza envolvidas.

Qual é a diferença entre energia escura e matéria escura?

É completamente diferente. A matéria escura é um tipo de partícula, apenas um ainda não descoberto. Sabemos que ela está lá porque temos observado sua influência gravitacional em uma variedade de configurações (galáxias, aglomerados, estrutura de grandes escalas, microondas, radiação de fundo). Compõe cerca de 23% do universo. Mas é basicamente “matéria”, usando o termo à moda antiga, apenas uma matéria que não podemos detectar diretamente (ainda). Ela agrupa sob a influência da gravidade, e dilui ao longe com o universo se expandindo. A energia escura, entretanto, não se agrupa, nem dilui quando se distancia. Não é feita de partículas, é algum tipo diferente de coisa completamente diferente.

É possível que não haja energia escura, apenas uma modificação da gravidade em escalas cosmológicas?

É possível, sim. Há pelo menos duas abordagens populares para esta ideia: a gravidade f (R), que Mark Trodden e eu ajudamos a desenvolver, e a gravidade DGP, por Dvali, Gabadadze e Porati. A primeira é uma abordagem diretamente fenomenológica onde você simplesmente muda a equação de campos de Einstein, mexendo com a ação em quatro dimensões, enquanto a segunda usa dimensões extras que só se tornam visíveis a grandes distâncias. Ambos os modelos enfrentam problemas – não necessariamente insuperáveis, mas graves – com novos graus de liberdade e instabilidades inerentes.

A gravidade modificada certamente vale a pena ser levada a sério (mas, claro que eu diria dizer isso). Ainda assim, como a quintessência, ela levanta mais problemas do que resolve-os, pelo menos no momento. Minhas probabilidades pessoais: Constante cosmológica = 0,9, Energia escura dinâmica=0,09, Gravidade modificada=0,01. Sinta-se livre para discordar.

O que a energia escura implica sobre o futuro do universo?

Isso depende do que a energia escura é. Se for uma constante cosmológica que dura para sempre, o universo continuará a se expandir, se resfriar, e esvaziar. Eventualmente não deixará nada além do espaço essencialmente vazio.

A constante cosmológica poderia ser constante no momento, mas temporária; Isto é, pode haver uma fase de transição futura em que a energia de vácuo diminui. Em seguida, o universo poderia concebivelmente colapsar.

Se a energia escura é dinâmica, qualquer possibilidade ainda está aberta. Se é dinâmica e crescente (w inferior a -1, e permanecer dessa forma), poderíamos até obter um Big Rip.

Qual é o próximo passo?

Nós gostaríamos de entender a energia escura (ou gravidade modificada) através de melhores observações cosmológicas. Isso significa medir o parâmetro da equação do estado, bem como a melhoria das observações da gravidade em galáxias e aglomerados, para comparar com modelos diferentes. Felizmente, enquanto os EUA está gradualmente recuando nos novos e ambiciosos projetos da ciência, a Agência Espacial Europeia está avançando, com um satélite para medir a energia escura. Há uma série de esforços terrestres em curso, é claro, e o Large Synoptic Survey Telescope deverá fazer um grande trabalho, uma vez que entrar em linha.

Mas a resposta pode ser chata – a energia escura é apenas uma constante cosmológica simples. Isso é apenas um número; o que você vai fazer sobre isso? Nesse caso, precisamos de melhores teorias, obviamente, mas também da entrada de fontes menos diretamente empíricas – aceleradores de partículas, pesquisas de quinta-força, testes de gravidade, qualquer coisa que possa dar alguns insights sobre como o espaço-tempo e a teoria quântica de campos se encaixam, a um nível básico.

Uma coisa incrível sobre a ciência é que as respostas não estão na parte de trás do livro; Temos que resolver os dilemas por nós mesmos. Este é um grande problema.

CONTINUAR LENDO