Pontos de acupuntura e meridianos não existem

Um dos princípios básicos da acupuntura é que as agulhas devem ser colocadas em locais específicos, conhecidos como “pontos de acupuntura”. Esses pontos também podem estar localizados ao longo de certas linhas invisíveis, comumente chamadas de "meridianos". No entanto, não há, ainda, nenhuma evidência convincente de que os pontos de acupuntura ou meridianos existam como entidades discretas. Além disso, existem grandes diferenças entre a localização histórica de pontos e meridianos e a prática atual. Por fim, a maioria dos estudos em que pontos de acupuntura “falsos” – que serviram como controle – foram usados ​​falharam em mostrar uma diferença entre os pontos de controle e os pontos “reais”. Consequentemente, as alegações de que a aplicação precisa da agulha é importante para a eficácia terapêutica são suspeitas.

0
423
Crédito: Shutterstock.

Por David W. Ramey
Publicado na The Scientific Review of Alternative Medicine

De acordo com a tradição chinesa, os pontos de acupuntura são locais especificamente escolhidos associados à manipulação de uma “força vital” conhecida como qi. Segundo essa tradição, as agulhas de acupuntura são colocadas em “pontos” específicos da superfície da pele de acordo com certas teorias (yin-yang, cinco fases, etc.) e de acordo com o treinamento e a experiência do acupunturista. Os pontos de acupuntura também podem ser usados ​​para fins diagnósticos. O termo “acupuntura” é usado neste artigo para conotar a inserção de agulhas secas no corpo em locais especificamente escolhidos.

“Meridiano” é um termo moderno usurpado da geografia para denotar os canais ao longo dos quais o qi – a suposta força vital – flui. Na prática tradicional chinesa, esses canais eram conhecidos como mai. O termo “meridiano” é usado neste artigo para conotar esses canais teóricos. Este relatório analisa informações históricas e científicas para determinar se existem ou não dados suficientes para confirmar a existência de pontos de acupuntura e meridianos. As informações históricas foram obtidas a partir de traduções publicadas de materiais originais chineses e de livros didáticos de história médica. As informações científicas foram obtidas por meio de pesquisa na MEDLINE usando os termos de pesquisa “ponto de acupuntura,” “meridiano” e “meridiano de acupuntura” e de textos sobre acupuntura médica e veterinária.

Pontos de acupuntura

Evidência histórica

A associação de pontos específicos do corpo com órgãos internos do corpo não é exclusivamente chinesa, nem é exclusiva da acupuntura. Na verdade, faz parte do registro histórico médico de várias sociedades antigas. Por exemplo, a tradição ayurvédica (indiana) reconhece mais de 100 marmas, que são pontos sensíveis a serem evitados pelos cirurgiões e considerados graves quando feridos; esses pontos não são usados ​​terapeuticamente.1 A medicina árabe medieval também pressupõe uma correlação entre órgãos internos e pelo menos um ponto externo do corpo em sua tradição de cauterização, como se vê nas Huihui yaofang (Receitas Medicinais Muçulmanas), quatro capítulos dos quais sobreviveram em uma cópia de um livro da dinastia Ming.

A teoria da acupuntura chinesa clássica originalmente reconhecia 365 pontos de acupuntura nas pessoas2 com base em uma “correspondência cosmológica” entre o número de pontos e os dias do ano.3,4 Os pontos de acupuntura não eram associados a localizações anatômicas precisas nos primeiros textos; isso só aconteceu mais tarde.5

Se definirmos que os pontos de acupuntura estão associados à manipulação do qi viajando no mai (essa definição é geralmente aceita pelos historiadores da medicina chinesa), não há evidências de pontos clássicos de acupuntura em animais. Embora existam ilustrações de textos clássicos chineses indicando pontos para o tratamento de várias espécies domésticas, não está claro nos textos associados a essas ilustrações que esses pontos foram usados ​​para agulhamento a seco. Em vez disso, é possível que esses pontos representem locais de onde o sangue foi coletado (flebotomia terapêutica) ou onde outras intervenções terapêuticas (por exemplo, moxabustão ou cautério) foram aplicadas.

Dificuldades empíricas

Além dos 365 pontos “originais” em humanos, pontos e sistemas de acupuntura adicionais foram propostos, que vão desde a acupuntura auricular, proposta na década de 1950 por um médico francês, até a acupuntura de mão coreana, na qual cerca de 150 pontos discretos existem na mão humana. Os pontos usados ​​nos vários sistemas não concordam necessariamente entre si. Felix Mann, um cofundador da Sociedade Britânica de Acupuntura, concluiu que os pontos de acupuntura não existem e observou que, se levarmos em conta os textos modernos, não há uma parte da pele que não seja um ponto de acupuntura.6 Se navegarmos ainda mais nas águas empíricas nos deparamos com o fato de que alguns tipos de acupuntura não são empregados de forma tradicional. Nessas abordagens – por exemplo, na acupuntura ocidental –, a aplicação da agulha pode não estar relacionada à presença ou ausência de qualquer estrutura anatômica ou ponto de acupuntura clássico.

Dificuldades semelhantes existem na avaliação de pontos de acupuntura em animais. Os pontos de acupuntura animal foram derivados de desenhos de pontos chineses, bem como da transposição de um ou mais “sistemas” de pontos de acupuntura humanos para a anatomia animal. Os gráficos publicados de pontos “tradicionais” e “transposicionais” em cavalos não chegaram a um acordo sobre um único ponto de associação.7

Evidência histológica

Não existe evidência convincente de que os pontos de acupuntura tenham características anatômicas consistentes.8 Os pontos de acupuntura podem estar localizados nas proximidades de nervos periféricos, ligamentos ou tendões,9 no entanto, não há associação consistente com nenhuma estrutura anatômica macroscópica específica. Vários pesquisadores relataram várias descobertas histológicas em pontos de acupuntura, como terminais nervosos, feixes neurovasculares ou acúmulos de mastócitos; entretanto, nenhum dos estudos utilizou avaliação estatística de dados histológicos quantitativos.10

Evidência bioquímica

Um relatório, envolvendo dados de quatro cães, sugere que as concentrações da substância neurotransmissora p são maiores na pele e no tecido muscular de pontos de acupuntura de cães, embora não no subcutâneo, quando esses pontos são comparados às áreas de controle.11 A substância p é um neurotransmissor associado à sensação de dor. Medições repetidas nos mesmos quatro animais foram feitas em vez de medições individuais de um grande grupo de animais para obter esses dados, e a análise procedeu como se os dados tivessem sido obtidos independentemente. Além disso, os pontos individuais não foram comparados neste estudo.

Resistência da pele

Embora alguns investigadores tenham afirmado que os pontos de acupuntura podem ser identificados por diminuições na resistência da pele, a medição da resistência da pele pode ser confundida por muitos fatores, incluindo a área da seção transversal do eletrodo, a quantidade de pressão aplicada (a pressão na pele distorce no mesmo momento o estrato da camada córnea da epiderme, que contribui com mais de 90% da resistência da pele) e o tempo de contato.7

A resistência da pele dos pontos de acupuntura humana foi investigada cuidadosa e sistematicamente. Mesmo quando variáveis ​​como condição da pele, pressão do eletrodo e variação diurna foram minimizadas, medições repetidas em oito pontos de acupuntura tradicionais em dez voluntários saudáveis ​​não conseguiram revelar quaisquer padrões ou correlações significativas, seja para lados opostos de pessoas individuais ou entre indivíduos diferentes.12

Correlação com pontos motores

Os pontos motores são definidos como locais onde os músculos podem ser estimulados com a menor quantidade de corrente elétrica. Para ver se havia alguma relação entre esses pontos e os pontos clássicos de acupuntura, acupunturistas e neurofisiologistas identificaram pontos em um voluntário de forma independente e os marcaram com tinta invisível. Sob  um exame de luz ultravioleta, 15 dos 31 pontos comparados estavam separados por mais de 10 mm, levando à conclusão de que os pontos de acupuntura e os pontos motores não são sinônimos.13

Correlação com pontos-gatilho

Os “pontos-gatilho” miofasciais, um conceito controverso desenvolvido na década de 1950 de forma independente da acupuntura, são geralmente definidos como áreas localizadas de músculo ou tecido conjuntivo que são mais firmes do que o tecido normal. Diz-se que a palpação de um ponto-gatilho causa dor e também diz que causa dor em uma área específica, muitas vezes bem distante do ponto-gatilho.14 Uma relação entre os pontos-gatilho e os pontos de acupuntura foi sugerida em humanos, e aproximadamente 70% dos pontos-gatilho comumente encontrados corresponderam em 3 cm à localização dos pontos de acupuntura usados ​​para tratar a dor em um estudo.15 No entanto, o conceito de um ponto de acupuntura é claramente mais amplo do que um ponto-gatilho, porque os pontos de acupuntura também são usados ​​para tratar outras condições além da dor. Além disso, apenas um subconjunto de localizações de pontos de acupuntura coincide com as localizações de pontos-gatilho. Por fim, a existência dos próprios pontos-gatilho foi questionada.16

Ressonância magnética funcional

A ressonância magnética funcional é uma nova técnica que tenta medir a atividade cerebral detectando diferenças no fornecimento de oxigênio a partes do cérebro enquanto o sujeito está passando por estimulação sensorial, seja em repouso ou durante a execução de alguma tarefa. Relatórios recentes sugeriram que a estimulação da acupuntura fez com que essas diferenças fossem detectadas em partes do sistema límbico humano e do córtex somatossensorial.17 Infelizmente, tais estudos não incluíram pontos falsos de controle, portanto não é possível afirmar que tais alterações, se significativas, são específicas para pontos de acupuntura. Na verdade, o aumento da atividade cerebral em áreas estudadas seria esperado de uma variedade de entradas sensoriais. Os estudos também não mostraram que as mudanças atribuídas à estimulação da acupuntura são específicas das áreas do cérebro examinadas.

Evidência clínica

Muitos estudos clínicos de acupuntura usaram pontos “falsos” de controle; isto é, o controle de agulhas foi aplicado em pontos “falsos” adjacentes ou distantes de pontos de acupuntura “reais”. Em geral, quando os efeitos da acupuntura são evidentes, a acupuntura “falsa” parece ser quase tão ativa quanto a acupuntura “real”.18 A sensação da agulha não é exclusiva dos pontos de acupuntura19 e respostas reflexas idênticas, transitórias e rápidas do sistema nervoso simpático foram observadas, quer as agulhas sejam aplicadas nos pontos “reais”, quer as agulhas sejam aplicadas nos pontos “falsos”.20 Da mesma forma, uma eficácia terapêutica semelhante foi relatada quando os pontos “tradicionais” ou “transposicionais” foram usados ​​no tratamento de acupuntura de cavalos.6

Meridianos

Evidência histórica

Os primeiros textos chineses conhecidos (Mawangdui) descrevem 11 mai (vasos), que foram descritos como contendo sangue e qi. Os vasos sanguíneos são a referência original óbvia dos mai. O uso mais antigo da palavra mai é no século IV a.C., em uma descrição de um cavalo no Zuozhuan: “um vapor caótico, indomado, irrompe; sangue escuro jorra e flui; sulcos de vasos inchados (mai) crescem” (Zouzhuan, Xi 15,14.3a).21 O termo “meridiano” foi cunhado em 1939 por um francês.22

Na acupuntura humana, os meridianos mudaram em número, nome, caráter e até mesmo posição ao longo da história. No final do primeiro século a.C. (Huangdi neijing suwen), o número de vasos havia crescido para 12. “A transição da velha ideia de vasos sanguíneos para a teoria fisiológica, cujo objetivo principal era explicar o movimento do vapor no corpo, desviou a atenção dos vasos sanguíneos per se e se voltou para um sistema idealizado…”19

No entanto, os 12 vasos descritos no Huangdi neijing seguem caminhos substancialmente diferentes dos 11 descritos nos textos anteriores do Mawangdui. As evidências históricas complicaram ainda mais quando, em 1993, uma estatueta com canais feitos de laca foi recuperada de uma tumba do período do Han Ocidental representando apenas 9 mai, embora pareça ter se originado após os tratados que descreviam 11 mai. Além disso, 2 dos mai gravados na estatueta não foram abordados por tratados anteriores.23 No século 18, um filósofo médico chinês lamentou a perda dos canais humanos “originais”.24

Os meridianos da acupuntura equina datam apenas da década de 1970 e aparentemente foram inventados por insistência de praticantes ocidentais.25 Desde então, vários autores “descobriram” meridianos em bovinos, porcos, cães, gatos e várias outras espécies, principalmente por transposição de um dos muitos mapas humanos (isso explica por que os cavalos aparentemente têm um meridiano da vesícula biliar, embora não tenham uma vesícula biliar).26 Alguns praticantes modernos de acupuntura veterinária questionam a existência de meridianos de acupuntura em cavalos,27 assim como alguns praticantes de acupuntura em humanos.4

Evidência empírica

A tentativa de definir o número de meridianos de acupuntura leva à conclusão de que, se eles existem, não há consenso quanto ao número “correto”. Em humanos, se incluirmos o registro histórico, é possível encontrar referências a 9, 11, 12, 14, 20 ou 36 meridianos, junto com vários submeridianos, percorrendo caminhos divergentes e muitas vezes não relacionados.

Evidência histológica

Em humanos, os meridianos foram examinados quanto à sua correspondência com nervos, sangue e vasos linfáticos.28 É difícil avaliar esses relatórios, porque eles incluem detalhes mínimos. Parece que os pontos estão ocasionalmente ligados pelo mesmo nervo ou pelo mesmo vaso sanguíneo ou, menos provavelmente, pelo mesmo canal linfático. No entanto, nenhum canal estudado se correlacionou completamente com qualquer uma dessas 3 estruturas.29

Resistência elétrica

Uma investigação concluiu que a resistência elétrica ao longo de um meridiano no braço humano era menor do que aquela encontrada entre pontos que não são de acupuntura;30 no entanto, tais investigações estariam sujeitas aos mesmos problemas que cercam a determinação dos pontos de acupuntura para essa metodologia.

Estudos com marcadores radioativos

Houve pelo menos 3 tentativas de validar o conceito de meridianos usando injeções de marcadores radioativos. Os primeiros investigadores concluíram que um marcador radioativo injetado foi eliminado por vias não linfáticas e não venosas e sugeriram que isso demonstrava a existência de meridianos de acupuntura. No entanto, uma tentativa subsequente de replicar essa descoberta não teve sucesso e os autores concluíram que o marcador radioativo foi removido ao longo das vias venosas normais.31 Uma terceira investigação concluiu que a captação de tecnécio foi mais rápida em certos pontos de acupuntura do que em outros pontos, mas que depois disso foi removido pelo sistema venoso.32

Irradiação

A inserção de agulhas de acupuntura pode causar irradiação da sensação da agulha em humanos, longe do ponto de inserção. No entanto, essa irradiação de sensação geralmente não corresponde aos caminhos discretos dos meridianos postulados.4 Além disso, essas sensações parecem ser bastante variáveis, ocorrendo mais tipicamente em certas regiões do corpo e em resposta a certas técnicas com a agulha.32 A injeção de anestésicos locais em estruturas profundas, mas não por via subcutânea sob pontos de acupuntura, bloqueia essa sensação33 e experimentos diretos de análises de nervos em humanos mostram que a sensação de irradiação resulta da ativação direta de fibras nervosas aferentes primárias.34 Embora esses e outros estudos demonstrem de forma bastante conclusiva que é o sistema nervoso, e não as mudanças no fluxo de qi através dos meridianos, que resulta nas sensações de acupuntura relatadas em humanos, ainda é interessante especular se tais sensações contribuíram para o desenvolvimento da ideia dos meridianos. Obviamente, a irradiação de sensações não pode ser confirmada nem negada em animais.

Termografia, ultrassonografia, magnetismo, luz, calor

Alguns pesquisadores afirmam que as mudanças de temperatura na superfície do corpo são um reflexo dos meridianos.35 Outros afirmaram que uma variedade de modalidades, incluindo ultrassom, magnetismo e luz, demonstraram variações entre os meridianos e outras áreas.36 Esses experimentos são difíceis de avaliar porque os detalhes fornecidos são geralmente vagos e as investigações raramente são conduzidas sob condições rigorosas e bem controladas.37 No mínimo, relatos de que meridianos podem ser localizados de forma confiável por alguns meios físicos exigem replicação.

Conclusão

A pesquisa sobre a natureza dos pontos e meridianos de acupuntura é frequentemente difícil de avaliar devido à natureza diversa das afirmações feitas, aos dados incompletos fornecidos em estudos publicados e à variedade de parâmetros envolvidos na avaliação dessas afirmações. Muitos dos estudos que alegam ter identificado pontos de acupuntura ou meridianos vêm da China; o papel do viés de publicação na literatura chinesa precisa ser considerado à luz do fato de que nenhum ensaio publicado na China de 1966 a 1995 encontrou um tratamento testado ineficaz.38 Existem contradições óbvias entre a prática atual de acupuntura e o registro histórico, bem como sobre o número “correto” de pontos e meridianos relatados por praticantes atuais de acupuntura. De um ponto de vista pragmático, pode-se supor que, se tais estruturas existissem e pudessem ser demonstradas de forma confiável, elas revolucionariam o estudo da anatomia e da fisiologia; nenhuma dessas revoluções ocorreu ainda. No entanto, qualquer que seja a eficácia clínica da aplicação de agulhas, não há, ainda, nenhuma evidência convincente para mostrar que os pontos de acupuntura ou meridianos existem como entidades discretas.39

Referências

  1. Prioreschi P. A History of Medicine. Vol. 1. Omaha, Neb: Horatius Press; 1996: 251.
  2. Limehouse J, Taylor P. Traditional Chinese medical theory. In: Schoen A, Wynn S, eds. Complementary and Alternative Veterinary Medicine: Principles and Practice. St. Louis, Mo: Mosby. 1998: 138.
  3. Epler D. Bloodletting in early Chinese medicine and its relation to the origin of acupuncture. Bull Hist Med. 1980; 54: 362.
  4. Huang-ti nei-ching su-wen [Yellow Emperor’s Inner Classic of Medicine, Common Questions]. Edição comercial impressa. Xangai: Shang-wu yin-shu-kuan; 1955: 261.
  5. Mann, F. Reinventing Acupuncture. Oxford, England: Butterworth-Heinemann; 1992.
  6. Mann F. In: Filshie J, White A, eds. Medical Acupuncture: A Western Scientific Approach. London, England: Churchill Livingstone; 1998: 62.
  7. Panzer, R. A comparison of the traditional Chinese vs. transpositional Zangfu organ association acupoint locations in the horse. Am J Chin Med. 1993; 21(2): 119–131.
  8. Chan, SHH. What is being stimulated in acupuncture: existence of a specific substrate. Neurosci Behav Rev. 1984; 8: 25–33.
  9. Dung, HC. Anatomical features which contribute to the formation of acupuncture points. Am J Acupunct. 1984; 12: 139–144.
  10. Langevin H, Vaillancourt P. Acupuncture: does it work and, if so, how? Sem Clin Neurophsych. 1999; 4(3): 167–175.
  11. Chan WW, Weissensteiner H, Rausch WD, et al. Comparison of substance P concentration in acupuncture points in different tissues in dogs. Am J Chin Med. 1998; 26(1): 13–18.
  12. Cho S-H, Chun SI. The basal electrical skin resistance of acupuncture points in normal subjects. Yonsei Med J. 1994; 35: 464–473.
  13. Liu YK, Varela M, and Oswald R. The correspondence between some motor points and acupuncture loci. Am J Chin Med. 1975; 3: 347–358.
  14. Gerwin RD, Shannon S, Hong C-Z, et al. Identification of myofascial trigger points: interrater agreement and effect of training. Pain. 1997; 69: 65–73.
  15. Melzack R, Stillwell DM, Fox ET. Trigger points and acupuncture points for pain: correlations and clinical implications. Pain. 1977; 3: 3–23.
  16. Bohr T. Problems with myofascial pain syndrome and fibromyalgia syndrome. Neurology. 1996; 46: 593–597.
  17. Hui KK, Liu J, Makris N, et al. Acupuncture modulates the limbic system and subcortical gray structures of the human brain: evidence from fMRI studies in normal subjects. Hum Brain Mapp. 2000; 9(1): 13–25.
  18. Sanchez Aranjo M. Does the choice of placebo determine the results of clinical studies on acupuncture? Forsch Komplementarmed. 1998; 5(suppl. S1): 8–11.
  19. Vincent CA, Richardson PH, Black JJ, et al. The significance of needle placement site in acupuncture. J Psychosom Res. 1989; 33: 489–496.
  20. Suter B, Kistler A. [Demonstration of the effective of acupuncture on the autonomic nervous system by examination of the microcirculation]. Forsch Komplementarmed. 1999; 6(Suppl. 1): 32–34.
  21. Harper D. Early Chinese Medical Literature: The Mawangdui Medical Manuscripts. London, England: Kegan Paul International; 1997.
  22. Soulié de Morant G. Chinese Acupuncture. English edition edited by Paul Zmiewski. Bookline, Mass: Paradigm Publications, 1994.
  23. Kuriyama S. The Expressiveness of the Body and the Divergence of Chinese Medicine. Nova York, NY: Zone Books; 1999: 43.
  24. Unschuld P. Forgotten Traditions of Ancient Chinese Medicine. Brookline, Mass: Paradigm Publications; 1998: 244.
  25. White S. In: Schoen A, ed. Veterinary Acupuncture: Ancient Art to Modern Medicine. St. Louis, Mo: Mosby; 1994: 584.
  26. Rogers P. The Study of Acupuncture: Points and Channels in Animals. Available at: users.med.auth.gr/~karanik/english/vet/ptsmer1.htm.
  27. Schoen A, ed. Veterinary Acupuncture: Ancient Art to Modern Medicine. St. Louis, Mo: Mosby; 1994: 345.
  28. Huang, DK. Relationship between the points and channels and peripheral nerves. Acup Electrother Res. 1983; 8(3/4): 328.
  29. Bensoussan, A. Part 1: Acupuncture meridians—myth or reality. Comp Ther Med. 1994; 2: 21–26.
  30. Cohenm N, Voumard P, Birch S, et al. Low resistance pathways along acupuncture meridians have dynamic behavior. Biomed Eng—Applic Basis Commun. 1995; 7: 137–142.
  31. Lazorthes Y, Esquerre JP, Simon J, et al. Acupuncture meridians and radiotracers. Pain. 1990; 40(1): 109–112.
  32. Wu C-C, Chen M-F, Lin C-C. Absorption of subcutaneous injection of Tc-99m pertechnate via acupuncture points and non-acupuncture points. Am J Chin Med. 1994; 22: 111–118.
  33. Chian CY, Zhang QC, Zhu XL, et al. Peripheral afferent pathway for acupuncture analgesia. Sci Sin. 1973; 16: 210–217.
  34. Wang KM, Yao SM, Xian YL, et al. A study on the receptive field of acupoints and the relationship between characteristic of needling sesation and groups of afferent fibers. Sci Sin [B]. 1985; 28: 963–971.
  35. Hu X, Wu B, Wang P. [Displaying of meridian courses travelling over human body surface under natural conditions]. Chen Tzu Yen Chiu. 1993; 18(2): 83–89.
  36. Yum C, Zhang, G, Lu J, et al. Characteristics of acupuncture meridians and acupoints in animals. Rev Sci Tech Off Int Epiz. 1994; 13(3): 927–933.
  37. Tang J-L, Zhan S-Y, Ernst E. Review of randomised controlled trials of traditional Chinese medicine. BMJ. 1999; 319: 160–161.
  38. Vickers A, Goyal N, Harland R, et al. Do certain countries produce only positive results? A systematic review of controlled trials. Control Clin Trials. 1998; 19(2): 159–166.
  39. Ernst E. Complementary medicine: the facts. Phys Ther Rev. 1997; 2: 49–57.