Por que a “cratera do rosto feliz” de Marte está mais feliz do que nunca

0
204
(Créditos: NASA/JPL/UArizona)

Traduzido por Julio Batista
Original de Nancy Atkinson para o Universe Today

Quem tem um sorriso ainda maior do que há dez anos? Esta cratera alegrinha em Marte.

Essas duas imagens foram tiradas pela câmera HiRISE (High Resolution Imaging Science Experiment) a bordo do Mars Reconnaissance Orbiter e mostram como a superfície de Marte está mudando ao longo do tempo – neste caso, devido à erosão térmica.

A primeira dessas imagens foi tirada em 2011 e a outra em dezembro de 2020, mais ou menos na mesma temporada, e mostra algumas mudanças diferentes. Existem variações de cores que são devidas a diferentes quantidades de gelo brilhante sobre um fundo vermelho mais escuro, de acordo com a equipe HiRISE.

Você também verá que algumas das características semelhantes a “bolhas” mudaram de forma devido ao calor do Sol, causando a sublimação – quando um sólido se transforma diretamente em um gás, ignorando a fase líquida.

Essa erosão térmica tornou a “boca” da face maior, e o “nariz” – que consistia em duas depressões circulares em 2011 – agora cresceu e se fundiu.

(Créditos: NASA/JPL/UArizona)

A MRO é uma das espaçonaves mais antigas e duradouras da NASA. A missão lançada em 2005, chegou a Marte em 2006 e tem monitorado Marte desde então. HiRISE é a câmera mais poderosa já enviada para outro planeta e forneceu uma infinidade de imagens incrivelmente detalhadas das características de Marte.

Algumas de nossas favoritas ao longo dos anos têm sido as de avalanches em andamento, fluxos escuros que podem ou não ser material salgado infiltrando para a superfície, as imagens de nossa própria nave espacial e rovers na superfície de Marte, e muitos mais.

Mas um dos principais benefícios da espaçonave de longa duração é ser capaz de monitorar as mudanças no que está sendo observado. A equipe HiRISE vem documentando esse “rosto feliz” há mais de uma década, o que significa que agora temos boas comparações lado a lado das mudanças de superfície, bem diante de nossos olhos.

“Examinar essas mudanças ao longo do ano marciano ajuda os cientistas a entender a deposição anual e a remoção da geada polar, e monitorar esses locais por longos períodos nos ajuda a entender as tendências climáticas de longo prazo no Planeta Vermelho”,  escreveu o co-pesquisador Ross Beyer da HiRISE.