Por que é improvável que o SARS-CoV-2 tenha escapado de um laboratório

0
85
Cientistas encontraram um parente distante do SARS-CoV-2 em um morcego-ferradura que eles amostraram no interior da Tailândia. Créditos: Adam Dean / Panos Pictures.

Por Jon Cohen
Publicado na Science

Durante o primeiro ano da pandemia de COVID-19, a teoria do “vazamento de laboratório” ganhou pouca força. Claro, o presidente dos EUA, Donald Trump, sugeriu que o SARS-CoV-2 se originou em um laboratório em Wuhan, China – e o chamou de “vírus chinês” – mas ele nunca apresentou evidências e poucos na comunidade científica o levaram a sério. Na verdade, no início da pandemia, um grupo de pesquisadores proeminentes descartou ideias de origem laboratorial como “teorias da conspiração” em uma carta no The Lancet. Um relatório de uma “missão conjunta” da Organização Mundial da Saúde (OMS), que enviou uma equipe científica à China em janeiro para explorar as possíveis origens com parceiros chineses, descreveu um acidente de laboratório como “extremamente improvável“.

Mas no final do ano passado, as opiniões começaram a mudar. De repente, parecia que a hipótese do vazamento no laboratório havia sido rejeitada muito cedo. Em um estudo amplamente lido, alimentado por uma citação tida como “prova fumegante” de um ganhador do Nobel, um jornalista científico veterano acusou cientistas e a grande mídia de ignorar “evidências substanciais” para o cenário. O chefe da OMS rebateu abertamente a conclusão da missão conjunta, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ordenou que a comunidade de inteligência reavaliasse a possibilidade de vazamento no laboratório. Dezoito cientistas, incluindo líderes em virologia e biologia evolutiva, assinaram uma carta publicada na Science em maio que pedia uma avaliação mais equilibrada da hipótese do “incidente de laboratório”.

No entanto, com todo esse clamor, pouco mudou. Nenhum estudo inovador foi publicado. A altamente esperada análise da inteligência dos Estados Unidos, entregue a Biden em 24 de agosto, não chegou a nenhuma conclusão sólida, mas tendeu para a teoria de que o vírus teve uma origem natural.

Novas evidências que resolveriam a questão podem não surgir tão cedo. A China continua sendo o melhor lugar para procurar pistas, mas sua relativa abertura à colaboração durante a missão conjunta parece ter evaporado. As autoridades chinesas zombaram dos apelos de Biden e do diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, para uma auditoria independente dos principais laboratórios de Wuhan, que alguns dizem que deveria incluir uma investigação de notebooks, computadores e freezers. O vice-ministro da Saúde chinês, Zeng Yixin, disse que tais demandas mostram “desrespeito ao bom senso e arrogância em relação à ciência”. Em resposta à pressão crescente, a China também bloqueou os estudos da “fase 2” descritos no relatório de março da missão conjunta, que poderia revelar um salto natural entre as espécies.

Apesar do impasse, muitos cientistas dizem que as evidências existentes – incluindo os primeiros padrões epidemiológicos, a composição genômica do SARS-CoV-2 e um estudo recente sobre os mercados de animais em Wuhan – tornam muito mais provável que o vírus, como muitos patógenos emergentes, tenha feito um salto “zoonótico” natural dos animais para os humanos.

Algumas dessas pistas afastaram Michael Worobey, um biólogo evolutiva da Universidade do Arizona, nos EUA, da teoria da origem do laboratório. Worobey, que fez um trabalho pioneiro sobre as origens do HIV e a pandemia de gripe de 1918, disse que antes era neutro e coassinou a carta da Science pedindo uma investigação mais completa da hipótese de vazamento em laboratório. Mas, como pelo menos um outro signatário, ele agora tem dúvidas sobre esse apelo, em parte porque aumentou as tensões políticas. “Acho que provavelmente fez mais mal do que bem em termos de realmente ter fluxo de informações relevantes da China”, disse ele.

Jesse Bloom, um biólogo evolutivo do Centro de Pesquisa do Câncer Fred Hutchinson que liderou a carta à Science, disse que a teoria da origem do laboratório continuará a prosperar até que o governo chinês se torne mais cooperativo. “Não acho que os cientistas chineses sejam menos confiáveis”, disse Bloom, que criticou duramente a China por tentar “obscurecer” dados sobre os primeiros casos de COVID-19. “Mas está claro que, pelo menos em relação a esse tema, eles estão operando sob fortes restrições impostas pelo governo”.

Em sua essência, a hipótese da origem do laboratório se baseia na proximidade. O novo coronavírus, geneticamente ligado a morcegos, surgiu em uma cidade que abriga o Instituto de Virologia de Wuhan (IVW), que há muito tempo se especializou no estudo de coronavírus em morcegos, e dois laboratórios menores que também lidam com esses vírus. Um ou mais funcionários do laboratório podem ter sido infectados por acidente e, em seguida, passado o vírus para outras pessoas. Afinal, acidentes de laboratório não são inéditos: o SARS-CoV, o coronavírus que causa a síndrome respiratória aguda grave (SARS), infectou pesquisadores pelo menos seis vezes depois que o surto global dessa doença terminou em julho de 2003.

A infecção de um pesquisador com SARS-CoV-2 não precisaria ter acontecido em Wuhan. Alina Chan, pesquisadora de terapia genética do Instituto Broad que também assinou a carta da Science, cita um estudo de pesquisadores do IVW, publicado em 2018, que coletou amostras de sangue de 218 pessoas que viviam a 1000 quilômetros da cidade perto de cavernas que eram o lar de morcegos infectados com coronavírus. Seis dessas pessoas tinham anticorpos que sugeriam infecções anteriores por coronavírus de morcegos relacionados ao SARS, um ramo da árvore genealógica que inclui SARS-CoV, SARS-CoV-2 e primos próximos. Os pesquisadores de Wuhan visitaram aquela área repetidamente e “facilmente poderiam ter contraído algo de um humano que já carregava uma forma adaptada a humanos de um vírus relacionado ao SARS”, disse Chan.

Shi Zhengli, a principal cientista do coronavírus em morcegos da IVW, nega que alguém no laboratório tenha adoecido na época em que o SARS-CoV-2 surgiu. Em uma entrevista por e-mail com a Science em julho de 2020, ela escreveu que “todos os funcionários e alunos no laboratório” foram testados para SARS-CoV-2 e coronavírus relacionados e o resultado de todos deram negativo.

As especulações sobre um vazamento de laboratório se concentraram no Instituto de Virologia de Wuhan, que estudou coronavírus em morcegos durante anos. Créditos: AP / Ng Han Guan.

Ainda assim, em janeiro, dias antes de Trump deixar o cargo, o Departamento de Estado dos EUA disse que “o governo tem motivos para acreditar que vários pesquisadores dentro da IVW ficaram doentes no outono [do hemisfério norte] de 2019”. E em 23 de maio, o The Wall Street Journal relatou a existência de um “relatório secreto da Inteligência dos EUA” que dizia que três pesquisadores da IVW “procuraram atendimento hospitalar” em novembro de 2019. A história não trazia detalhes sobre suas doenças, e alguns notaram que os hospitais chineses cuidam de todas as doenças, inclusive as mais leves.

O virologista Robert Garry, da Universidade Tulane, nos EUA, acha improvável que um funcionário do laboratório de Wuhan tenha contraído o SARS-CoV-2 de um morcego e o tenha trazido de volta para a cidade, gerando a pandemia. Como mostra o estudo do IVW de pessoas que vivem perto de cavernas de morcegos, a transmissão de coronavírus de morcegos relacionados ocorre rotineiramente. “Por que o vírus teria infectado primeiro algumas dezenas de pesquisadores de laboratório?”, ele questiona. O vírus também pode ter passado dos morcegos para outras espécies antes de chegar aos humanos, como aconteceu com a SARS. Mas, novamente, por que teria infectado um funcionário de laboratório primeiro? “Existem centenas de milhões de pessoas que entram em contato com a vida selvagem”.

Outro conjunto de dados argumenta contra a participação de pesquisadores infectados, disse Garry. Como afirma o relatório da missão conjunta da OMS, grupos de primeiros casos de COVID-19 tinham ligações com vários mercados de Wuhan na mesma época, o que Garry afirma apoiar a ideia de animais infectados ou comerciantes de animais trazendo o vírus para a cidade. Um funcionário de laboratório com COVID-19 teria que “passar não apenas por um mercado, mas por vários mercados diferentes”, disse ele. “Você não pode descartar, mas então por que os mercados? Por que não um jogo de futebol ou um show ou 100 outros cenários diferentes?”

Mas David Relman, um pesquisador de microbioma da Universidade de Stanford que também assinou a carta da Science, questiona os dados “irremediavelmente pobres” sobre os primeiros casos de COVID-19. “Eu simplesmente não acho que temos o suficiente agora para dizer algo com grande confiança”, disse Relman.

Linfa Wang, virologista molecular do Programa de Doenças Infecciosas Emergentes da Faculdade de Medicina Duke-NUS, em Singapura, que colaborou extensivamente com a WIV em estudos de coronavírus em morcegos, tem uma razão mais simples para rejeitar a hipótese de vazamento de laboratório. “Acidentes só podem acontecer quando você já tem um vírus vivo na cultura que pode vazar”, disse Wang. Os coronavírus dos morcegos são notoriamente difíceis de cultivar. Shi disse à Science no ano passado que seu laboratório tinha mais de 2.000 amostras fecais de morcegos e swabs anais e orais com resultados positivos para coronavírus. Mas o laboratório isolou e cultivou apenas três vírus em 15 anos, disse Shi, e nenhum se parecia muito com o SARS-CoV-2. Alguns questionaram a veracidade de Shi – ela pode muito bem estar sob pressão do governo chinês – e notaram inconsistências em suas declarações, mas vários colaboradores científicos fora da China têm grande consideração por sua integridade.

Wang também descarta relatos de que o IVW tem morcegos vivos. “Muitos anos atrás”, o laboratório conduziu estudos imunológicos em morcegos vivos, disse Wang, mas estes não eram do gênero Rhinolophus – o único encontrado a abrigar coronavírus relacionados à SARS – que nenhum laboratório foi capaz de manter vivo em cativeiro.

Acidentes só podem acontecer quando você já tem um vírus vivo na cultura que pode vazar.”

Linfa Wang. Faculdade de Medicina Duke-Nus.

Muitas especulações sobre a origem da pandemia se concentraram em seis homens que desenvolveram doenças respiratórias graves em 2012, após limparem fezes de morcego de uma mina de cobre em Mojiang, na província chinesa de Iunã. Três deles morreram. Os defensores da hipótese do laboratório sugeriram que os homens estavam infectados com um coronavírus, uma crença alimentada por uma tese de mestrado de 2013 que não forneceu evidências diretas. Esse vírus de morcego, eles argumentam, ou era o SARS-CoV-2 ou foi transformado nele por meio de engenharia genética.

Quando os mineiros adoeceram, Shi e seus colegas foram convidados a amostrar morcegos na mina, o que fizeram em várias ocasiões. Eles descobriram nove novos vírus relacionados ao SARS (veja abaixo). Um deles, apelidado de RaTG13, é 96,2% geneticamente idêntico ao SARS-CoV-2, a semelhança geral mais próxima já encontrada. Um grupo de voluntários cujos membros se autodenominam DRASTIC – sigla em inglês para Equipe de Busca Autônoma Radical Descentralizada que Investiga a COVID-19 – gerou uma discussão acalorada sobre as possíveis ligações entre o RaTG13 e o SARS-CoV-2.

Shi relatou que seu laboratório testou o sangue dos mineiros e não encontrou evidências de coronavírus ou anticorpos contra eles. Wang, que ajudou com essas análises, considera absurda a afirmação de que a equipe suprimiu evidências da ligação do SARS-CoV-2 com a mina de Mojiang. “Queríamos provar que um coronavírus causou as mortes”, disse Wang, que cresceu em Xangai, mas agora é cidadão australiano. “Se provássemos que outro vírus semelhante ao SARS estava em humanos na China, isso seria cientificamente brilhante”, disse ele. “É um estudo digno da Science ou da Nature. Nenhum cientista esperaria que isso vazasse”.

Até Bloom concorda com essa lógica. “Esse é um dos argumentos mais fortes que você pode usar contra um acidente de laboratório”, disse ele. “Por outro lado, sinto que muitas dessas questões poderiam ser resolvidas facilmente com maior transparência”.

Nos cenários de vazamento de laboratório mais elaborados, o SARS-CoV-2 não é um vírus que ocorre naturalmente, mas foi criado no IVW. Isso traria condenação mundial à China, mas também devastaria o campo da virologia. Houve um intenso debate na última década sobre o valor científico dos estudos de “ganho de função” (GOF), que deliberadamente criam patógenos que são mais virulentos ou mais transmissíveis aos humanos – ou ambos – do que seus primos naturais. Alguns dizem que os estudos de GOF podem ajudar a identificar e impedir ameaças futuras, mas os críticos argumentam que os benefícios potenciais não superam o risco de criar e desencadear patógenos pandêmicos.

Shi criou vírus quiméricos no passado para contornar a dificuldade de desenvolver coronavírus isolados de morcegos. No trabalho com Peter Daszak da EcoHealth Alliance e Wang, descrito em um estudo de 2017 na PLOS Pathogens, o IVW fez quimeras usando a “espinha dorsal” genética de um dos coronavírus de morcego que seu laboratório poderia cultivar e genes que codificavam para a proteína de superfície, chamada spike, de coronavírus recém-descobertos.

Os cientistas discordam sobre se esta foi uma pesquisa de GOF. Shi disse que não, porque não se esperava que os vírus híbridos que seu grupo criou fossem mais perigosos do que as cepas originais. Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID, na sigla em inglês), que ajudou a financiar o estudo, disse ao Congresso que ele não se qualifica como pesquisa do GOF de acordo com as diretrizes do NIAID. Relman considera o rótulo GOF “vago e confuso” e, em vez disso, descreve isso como “pesquisa desnecessariamente arriscada”.

Definições à parte, se Shi estava criando vírus quiméricos, o SARS-CoV-2 pode ter sido um deles, dizem os defensores do vazamento de laboratório. Eles também observaram que as medidas de biossegurança no laboratório foram relaxadas. Em sua entrevista para 2020 na Science, Shi negou realizar experimentos com vírus quiméricos além dos relatados no estudo de 2017, mas ela reconheceu ter feito alguns estudos de coronavírus em instalações de nível 2 de biossegurança. Isso é um nível abaixo do que até Ralph Baric, um pesquisador de coronavírus na Universidade Duke que colaborou com Shi, considera apropriado. Shi ressaltou que o trabalho obedeceu a todas as regulamentações chinesas.

Ainda assim, muitos cientistas afirmam que o SARS-CoV-2 não pode ser uma mistura de laboratório porque nenhum vírus conhecido está próximo o suficiente para ter servido como sua matéria-prima. Alguns argumentaram que o RaTG13, o vírus encontrado na mina de Mojiang, poderia ter sido essa espinha dorsal. Isso não faz sentido, afirma uma “revisão crítica” de Garry, Worobey e 19 outros cientistas que Cell publicou online em 19 de agosto. Mais de 1100 nucleotídeos, os blocos de construção do RNA, separam os genomas dos dois vírus, e as diferenças estão espalhadas de uma forma que não sugere engenharia deliberada.

“Ninguém tem o tipo de conhecimento sobre a patogênese viral para projetar algo tão tormentoso como o SARS-CoV-2”, disse Garry. Três outros vírus de morcego mais semelhantes ao SARS-CoV-2 do que ao RaTG13 em algumas regiões genômicas importantes também não devem ter sido usados ​​como modelo para o vírus pandêmico, de acordo com o estudo.

Um trabalhador processa peles em um mercado de peles em Tongxiang, China. Três espécies comumente cultivadas para a produção de peles – raposas, cães-guaxinim e visons – podem ser infectadas com SARS-CoV-2. Créditos: Feature China / Barcroft Media via Getty Images.

A evidência “fumegante” de que o SARS-CoV-2 foi produto de engenharia genética, nas palavras do virologista e ganhador do Nobel David Baltimore, também não se sustentou. A spike tem um local de clivagem, um ponto onde uma enzima humana chamada furina corta a proteína, o que ajuda o SARS-CoV-2 a infectar as células. Desde o início da pandemia, os proponentes da hipótese do laboratório têm afirmado que nenhum coronavírus de morcego relacionado ao SARS tem essa característica, levando à especulação de que um laboratório adicionou o local a um vírus para que pudesse infectar humanos. Quando o escritor aposentado do New York TimesNicholas Wade, defendeu um vazamento de laboratório no final do ano passado, a clivagem da furina, reforçado pelas palavras provocativas de Baltimore, foi uma parte essencial do argumento.

Mas isso está totalmente errado, dizem muitos especialistas em coronavírus e biólogos evolutivos. Os coronavírus relacionados ao SARS estão no gênero beta, um dos quatro da família Coronaviridae. Vários membros desse gênero apresentam locais de clivagem da furina, que parecem ter evoluído repetidamente. E um vírus relacionado ao SARS-CoV-2, descrito em um estudo da Current Biology no ano passado por uma equipe liderada por Shi Weifeng da Prmeira Universidade Médica de Xantum, tem três dos quatro aminoácidos que constituem o local de clivagem da furina, que é “fortemente sugestivo de uma origem zoonótica natural” para o SARS-CoV-2, concluíram os autores.

Baltimore recuou a declaração. Ele não sabia que vários betacoronavírus de morcego tinham o local de clivagem da furina, reconheceu ele em um e-mail para a Science. “[E] aqui estava mais nesta história do que eu imaginava”, ele escreveu. “A clivagem da furina é a coisa mais ridícula”, disse Wang.

Em vez de manipular geneticamente um vírus, um laboratório também poderia ter criado o SARS-CoV-2 por passagem seriada, uma técnica na qual os pesquisadores cultivam um vírus em uma placa de laboratório ou em um animal, colhem ele e repetem o processo várias vezes, permitindo acumular mutações. Mas, novamente, eles teriam que começar com um parente próximo do SARS-CoV-2. Não há evidências de que este precursor existiu em qualquer laboratório. E a passagem seriada em culturas de células geralmente exclui o local de clivagem da furina ou torna os vírus mais fracos.

Até mesmo a comunidade de inteligência dos EUA durante a administração Trump descartou a ideia de que o SARS-CoV-2 foi “feito pelo homem“. O relatório solicitado por Biden, que buscou contribuições de vários grupos da comunidade de inteligência, conclui da mesma forma que o vírus “provavelmente não foi geneticamente modificado”. (Também disse que havia “amplo consenso” de que “não foi desenvolvido como uma arma biológica”.)

O relatório da missão conjunta da OMS, que tem mais de 300 páginas e investiga tudo, desde as sequências virais dos primeiros casos até as vendas em farmácias, tem várias descobertas pouco notadas que fazem uma origem natural parecer mais provável do que um vazamento de laboratório, disse Kristian Andersen, um biólogo evolutivo da Scripps Research que foi coautor do recente estudo da Cell com Garry e Worobey. “Não foi o relatório perfeito”, disse ele, mas foi “um ótimo começo para um estudo colaborativo sobre a compreensão da origem do SARS-CoV-2”.

O primeiro anúncio oficial sobre a pandemia veio em 31 de dezembro de 2019, quando a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan relatou um conjunto de casos inexplicáveis ​​de pneumonia ligados ao mercado de frutos do mar de Huanan na cidade. O relatório da OMS dedica muita atenção aos detalhes sobre Huanan e outros mercados de Wuhan, mas também adverte que seu papel permanece “obscuro” porque vários dos primeiros casos não tinham ligação com nenhum mercado. Mas depois de ler o relatório, Andersen ficou mais convencido de que o mercado de Huanan desempenhava um papel fundamental.

Uma descoberta específica reforça esse caso, disse Wang. O relatório descreve como os cientistas coletaram muitas amostras de pisos, paredes e outras superfícies nos mercados de Wuhan e conseguiram cultivar dois vírus isolados de Huanan. Isso mostra que o mercado estava fervilhando de vírus, disse Wan: “Em minha carreira, nunca consegui isolar um coronavírus de uma amostra ambiental”.

O cultivo de peles pode fazer parte da história da origem?

A indústria de peles da China, a maior do mundo, processa animais que são hospedeiros em potencial para a SARS-CoV-2.

Créditos: (Gráfico) K. Franklin / Science; (Dados) Yuan-Chih Lung / Sophie Lin / Act Asia.

O relatório também continha um grande erro: alegava que “não havia relatos verificados de mamíferos vivos sendo vendidos por volta de 2019” em Huanan e outros mercados relacionados aos primeiros casos. Um estudo surpreendente publicado em junho por Zhou Zhao-Min da Universidade Normal do Oeste da China e colegas contestou essa visão. Ele encontrou quase 50.000 animais de 38 espécies, a maioria vivas, à venda em 17 barracas em Huanan e três outros mercados de Wuhan entre maio de 2017 e novembro de 2019. (Os pesquisadores pesquisaram os mercados como parte de um estudo de uma doença transmitida por carrapatos que aflige animais.)

Animais vivos podem transmitir mais facilmente um vírus respiratório do que a carne de um animal abatido, e os animais incluíam civetas de palmeira asiática, a principal espécie que transmitiu o SARS-CoV aos humanos, e cães-guaxinim, que também abrigaram naturalmente esse vírus e foram infectados com SARS-CoV-2 em experimentos de laboratório. Visons – uma espécie criada para a produção de peles que adquiriu infecções por SARS-CoV-2 de humanos em muitos países – também eram abundantes. “Nenhuma das 17 barracas mostrava um certificado de origem de quarentena, então todo o comércio de vida selvagem era fundamentalmente ilegal”, escreveram Zhou e seus colegas em seu estudo. (Zhou não respondeu aos e-mails da Science.)

Não está claro por que os membros internacionais da missão conjunta da OMS não foram informados sobre o mercado de mamíferos vivos por seus colegas chineses. “Estou muito desapontada com o que saiu depois [do relatório]”, disse Maria Van Kerkhove da OMS, que reconhece ter contribuído para a supervisão por ter ignorado por engano um rascunho do estudo que os autores lhe enviaram pela primeira vez em outubro de 2020.

Worobey disse que o estudo desempenhou um papel fundamental em afastar seu pensamento da hipótese da origem do laboratório. “O fato de que os primeiros casos [de COVID-19] estavam ligados ao mercado, e que o mercado estava vendendo o que provavelmente eram hospedeiros intermediários?” disse ele. “Tudo isso provavelmente está tentando nos dizer algo”.

Worobey suspeita que depois que um progenitor do SARS-CoV-2 saltou dos animais para os humanos, ele começou a pular de um para o outro, adaptando-se continuamente ao seu novo hospedeiro. Isso poderia ter acontecido no mercado e passado despercebido por semanas, já que o surto só apareceu quando várias pessoas ficaram gravemente doentes, um resultado relativamente raro de uma infecção por SARS-CoV-2. Ou o vírus pode ter infectado primeiro criadores de animais em aldeias remotas. “Se isso acontecesse em uma cidade pequena, é bem provável que nunca tivesse resultado em um surto”, disse William Hanage, biólogo evolutivo da Universidade de Harvard. Então, os comerciantes de animais podem ter levado o vírus aos mercados de Wuhan, uma cidade de 11 milhões de habitantes.

Linda Saif, veterinária da Universidade Estadual de Ohio, Wooster, nos EUA, disse que a enorme indústria de peles da China está no topo de sua lista de locais para caçar os precursores do SARS-CoV-2. Saif cita um relatório que mostra que a grande maioria das peles de cães-guaxinim e raposas do mundo – ambos canídeos, uma família infectada desde o início com SARS-CoV-2 – são de animais criados ou enjaulados na China (ver gráfico acima). O país também produz metade das peles de vison do mundo.

Então, para onde vamos agora? Bloom gostaria de mais detalhes sobre os primeiros casos humanos de COVID-19 e disse que o IVW deveria compartilhar sequências de coronavírus de morcego em um banco de dados removido da Internet em setembro de 2019, alegando que o site foi hackeado. “Isso poderia acabar com isso”, diz ele. Os dados de vendas dos mercados de Wuhan também podem ajudar. Se os pesquisadores pudessem rastrear quem criava ou enjaulava os animais vivos vendidos lá e quem os entregava aos mercados, essas pessoas poderiam ser entrevistadas e talvez amostradas em busca de evidências de infecções anteriores.

Em comentário publicado pela Nature em 25 de agosto, os membros internacionais da missão conjunta avisaram que é hora de prosseguir com a “fase 2” porque a janela para alguns estudos está se fechando. Mas a OMS está reconfigurando a equipe. Recentemente, anunciou um novo Grupo de Aconselhamento Científico Internacional para Origens de Novos Patógenos (SAGO, na sigla em inglês) que fornecerá “informações rápidas” para o lançamento dos estudos de acompanhamento descritos no relatório de missão, mas também estudará as origens de surtos futuros. O governo chinês não deu sinais de que dará as boas-vindas aos membros da SAGO, mas Wang está esperançoso de que isso mude de atitude: “Em um mundo ideal, precisamos de uma colaboração chinesa”.

Cientistas chineses estão conduzindo seus próprios estudos sobre as origens naturais potenciais, mas poucos fora do país conhecem os detalhes. “Infelizmente, descobrir o que está sendo feito está ficando mais difícil a cada dia, porque o vazamento de laboratório transformou as origens do COVID em uma grande arma política”, disse um pesquisador ocidental que pediu para não ser identificado. “Meus colegas na China estão nervosos e sentindo uma grande pressão”.

A China tem defendido a teoria de que o vírus veio de outro país – talvez trazido em comida congelada ou, de acordo com algumas propagandas infundadas, inventado em um laboratório militar dos Estados Unidos. “É cômico”, disse Worobey. “O quadro geral aqui é que a China está fazendo tudo o que pode para divulgar a narrativa de que essa pandemia começou fora da China”. Ele suspeita que, embora rejeite a teoria do vazamento de laboratório, o governo chinês também não está entusiasmado em buscar uma origem natural, temendo que as evidências exponham a China a mais culpabilização por uma pandemia, mesmo que a descoberta exonere os cientistas chineses. “Acho que em algum momento eles pensaram, esta é a estratégia: tentamos turvar as águas”, disse ele.

Mas mesmo sem a cooperação da China, há maneiras de seguir em frente. Alguns estudos em outros lugares já produziram pistas intrigantes. Os pesquisadores encontraram coronavírus em morcegos em países vizinhos que sugerem caminhos evolutivos de um ancestral do SARS-CoV-2 ao vírus pandêmico. Mais pistas podem vir de estudos no sudeste da Ásia de pangolins selvagens – a única outra espécie encontrada até agora que abriga um parente próximo do SARS-CoV-2.

Os pesquisadores também podem procurar casos fora da China anteriores ao surto de dezembro de 2019. Uma possibilidade, disse Wang, é verificar o sangue de visitantes ou residentes de Wuhan que estiveram na cidade nos meses anteriores, incluindo os 9.000 atletas de mais de 100 países que participaram dos Jogos Mundiais Militares em outubro de 2019. (Um novo ensaio clínico com anticorpos de seu laboratório, disse ele, pode distinguir entre SARS-CoV-2 e vírus relacionados que podem ter precedido.)

A busca nunca nos levará ao paciente zero, a primeira pessoa a ser infectada pelo SARS-CoV-2, disse Hanage. “Os humanos procuram uma história”, disse ele. “Eles querem que Columbo [referindo-se a um detetive de uma série policial estadunidense] venha e de alguma forma faça alguém confessar ou mostrar o que realmente aconteceu”. Em vez disso, existem “histórias possíveis” sobre a origem do SARS-CoV-2 – algumas mais prováveis ​​do que outras – e histórias que podem ser excluídas, disse Hanage. “E o espaço de possíveis histórias em que houve uma origem natural nos mercados ou em torno deles é muito maior do que o espaço de possíveis origens em que envolvem o Instituto de Virologia de Wuhan”.