Povos antigos na Índia podem ter enterrado seus mortos em vasos de pedra gigantes

Os imensos vasos de pedra podem estar ligados a misteriosos recipientes encontrados no Laos.

0
106
Os primeiros quatro sítios arqueológicos dos jarros foram encontrados por arqueólogos britânicos no estado de Assã em 1928. Expedições à região por uma equipe de arqueólogos desde 2014 descobriram mais seis sítios arqueológicos em Assã e no estado vizinho de Megalaia. Crédito: Tilok Thakuria.

Por Tom Metcalfe
Publicado na Live Science

Arqueólogos descobriram centenas de vasos de pedra antigos e imensos em encostas no extremo nordeste da Índia que podem ter sido usados ​​em cerimônias fúnebres. E os potes de tamanho humano podem estar ligados a misteriosos recipientes encontrados no norte do Laos, a cerca de 1.300 quilômetros de distância, de acordo com um dos pesquisadores.

Tanto os vasos na Índia quanto os vasos no Laos têm cerca de 2.400 anos e acredita-se que tenham sido usados ​​em sepultamentos humanos, embora ainda não tenham sido encontrados restos humanos nos vasos recém-descobertos.

Pessoas pré-históricas que fabricaram os potes de pedra podem ter viajado entre o norte do Laos e o nordeste da Índia, embora ainda não haja evidências de que as mesmas pessoas tenham vivido nos dois locais, disse o arqueólogo Tilok Thakuria, da Universidade da Colina do Nordeste, no estado indiano de Megalaia.

“Talvez fosse o mesmo grupo de pessoas”, disse Thakuria à Live Science. “Talvez eles tenham se estendido de onde moravam [no Laos] ao nordeste da Índia uma vez”.

Arqueólogos britânicos encontraram o primeiro dos vasos em 1928 em quatro sítios arqueológicos no estado de Assã, a leste do estado de Megalaia, disse ele.

No entanto, a região é tão remota que nenhum outro trabalho foi feito até 2014, quando Thakuria e o arqueólogo Tiatoshi Jamir, da Universidade de Nagalândia, começaram a investigar. Eles já encontraram 11 vasos na área e encontraram um total de mais de 700 recipientes, disse Thakuria.

Alguns dos vasos são decorados com desenhos geométricos; e pode ser que alguns tenham sido cobertos com tampas, embora nenhuma tampa permaneça em nenhum dos vasos acima do solo hoje. Crédito: Tilok Thakuria.

Funerais antigos

Alguns dos sítios arqueológicos de vasos no nordeste da Índia estão agora fortemente cobertos de floresta, e alguns dos vasos estão quase completamente enterrados.

Muitos dos vasos são altos e cilíndricos, como os vasos de pedra de 3 metros de altura no Laos, mas outros são cônicos na parte inferior ou têm a forma de dois cones unidos em sua maior largura, disse Thakuria.

Cada vaso foi laboriosamente esculpido em arenito local e é grande o suficiente para conter os ossos de um corpo humano, ou um corpo em posição agachada, o que tem sido comum em sepultamentos de vasos em todo o mundo em épocas diferentes.

Os potes na Índia podem ter sido cobertos com tampas, embora nenhuma pareça ter permanecido. Alguns são decorados com esculturas geométricas; e um extraordinário retrato esculpido de um homem ou mulher foi encontrado em uma pedra curva em um dos sítios arqueológicos dos vasos, algo que não foi encontrado em nenhum outro lugar, disse ele.

Esta escultura em uma pedra curva foi encontrada em um dos locais dos vasos de pedra. Embora alguns dos frascos sejam esculpidos com desenhos geométricos, retratos esculpidos como este não foram encontrados em nenhum outro lugar. Crédito: Tilok Thakuria.

Thakuria e seus colegas já fizeram várias viagens de campo na região, a última em 2020. Todos os sítios arqueológicos de vasos estão em uma área pequena e estão localizados entre 10 e 15 km um do outro, principalmente em Assã lado da fronteira do estado, mas também do lado de Megalaia.

Suas últimas investigações revelaram mais de 500 dos antigos vasos de pedra em um único local em Assã – um número maior do que no maior sítio arqueológico de vasos no Laos, onde cerca de 400 vasos foram encontrados.

Como os vasos no Laos, é possível que os vasos em Assã e Megalaia fossem usados ​​para expor os mortos ao ambiente até que restassem apenas os ossos; ou podem ter sido para enterrar os ossos dos mortos depois que seus corpos foram cremados ou expostos, disse Thakuria.

Os arqueólogos pensam que os vasos foram usados ​​para enterrar os mortos para que seus ossos pudessem ser encontrados em uma data posterior, ou talvez para expor os mortos aos elementos até que apenas seus ossos permanecessem. Crédito: Tilok Thakuria.

Potes de pedra gigantes

Até agora, no entanto, todos os potes investigados na Índia estavam vazios – mas Thakuria observa que o povo Naga local conhece os potes e relata que alguns deles já continham restos cremados, miçangas e outros artefatos.

Ele disse que há uma chance da equipe encontrar restos humanos em vasos que foram enterrados nos séculos desde que foram usados ​​e, portanto, ainda precisam ser analisados.

Os pesquisadores agora esperam retornar à região em sua estação seca, que começa em dezembro, para escavar e documentar extensivamente alguns dos sítios arqueológicos dos vasos. Esse trabalho pode incluir cavar ao redor e sob os vasos de pedra para procurar oferendas ou ossos humanos.

“As escavações no Laos encontraram esqueletos curvados e oferendas de cerâmica abaixo dos potes, e esperamos ver esse padrão aqui”, disse Thakuria.

A equipe arqueológica planeja voltar para realizar uma extensa escavação e documentação dos vasos; eles esperam que restos humanos associados aos vasos possam ser encontrados nas proximidades. Crédito: Tilok Thakuria.

Se encontrarem restos humanos, poderão analisar o DNA antigo dos ossos para aprender mais sobre as pessoas que fizeram e usaram os potes.

E embora os enterros de potes não sejam usados ​​na região hoje, e nenhum dos povos que vivem lá agora afirme que os vasos são relíquias de seus ancestrais, a análise de DNA antigo pode identificar descendentes dos fabricantes dos vasos.

Acredita-se que os vasos tenham sido usados ​​em cerimônias fúnebres por pessoas que viveram na região há mais de 2.000 anos, mas nenhum povo local hoje afirma que são relíquias de seus ancestrais. Crédito: Tilok Thakuria.

“Precisamos ter mais pesquisas científicas para estabelecer a comunidade associada aos vassos de pedra”, disse ele.

Thakuria é o principal autor da pesquisa sobre os potes indianos publicada on-line em 28 de março na revista Asian Archaeology. Os coautores do estudo incluem os arqueólogos Uttam Bathari da Universidade Gauhati da Índia e Nicholas Skopal da Universidade Nacional Australiana em Canberra.