Talvez sabemos finalmente como os cogumelos alucinógenos funcionam para aliviar a depressão

0
276
Créditos: Waldemar Graf / Getty Images.

Por Clare Watson
Publicado na ScienceAlert

Para muitas pessoas com depressão resistente ao tratamento, nos últimos anos, a esperança foi oferecida por psicodélicos como a psilocibina, o principal ingrediente ativo dos cogumelos alucinógenos. Parece que os psicodélicos podem “ligar o interruptor” em redes cerebrais rígidas, mas não temos certeza de como isso funciona.

Agora, uma nova pesquisa de mapeamento cerebral de um grupo líder de pesquisadores de psicodélicos aprofundou nossa compreensão de como a psilocibina funciona no cérebro, primeiro ‘dissolvendo’ e depois expandindo as conexões cerebrais. Certas partes do cérebro de pessoas deprimidas tornaram-se mais interconectadas e flexíveis após duas doses de psilocibina, e essas mudanças duraram até três semanas após o tratamento, segundo o estudo.

“Essas descobertas são importantes”, disse o neuropsicofarmacologista David Nutt, do Imperial College London (ICL). “Pela primeira vez, descobrimos que a psilocibina funciona de maneira diferente dos antidepressivos convencionais – tornando o cérebro mais flexível e fluido e menos enraizado nos padrões de pensamento negativo associados à depressão”.

Muitos povos indígenas há muito tempo usam cogumelos e outras plantas por suas propriedades curativas e alucinógenas.

Apenas nas últimas duas décadas houve um ressurgimento cauteloso na pesquisa clínica, liderada pelos pesquisadores por trás deste último estudo, para entender se a psilocibina pode ajudar a aliviar a depressão e a ansiedade e como as drogas psicodélicas afetam o cérebro em geral.

Apenas no ano passado, um pequeno estudo de referência de Nutt e colegas mostrou que a psilocibina associada à terapia psicológica era pelo menos tão eficaz quanto tomar um antidepressivo comum, o escitalopram – uma droga que muitas vezes vem com efeitos colaterais impactantes de ganho de peso, falta de libido e insônia.

Em um estudo de imagem cerebral de 2018 com 20 pessoas com sintomas depressivos, a psilocibina também pareceu melhorar a resposta emocional das pessoas, em vez de contê-la como os antidepressivos tendem a fazer.

Mas observar benefícios positivos entre pequenos grupos de pessoas é uma coisa; desvendar o que está acontecendo no cérebro é outro desafio – e até agora, os mecanismos de como a psilocibina funciona no cérebro permanecem pouco compreendidos.

Analisando imagens do cérebro de quase 60 pessoas com depressão clínica envolvidas em dois ensaios anteriores, Nutt e colegas descobriram que as pessoas que receberam psilocibina tinham maior conectividade entre as regiões do cérebro que são ricas em receptores de serotonina e geralmente segregadas em pacientes deprimidos.

O efeito foi “rápido, sustentado” e mais forte em pessoas que relataram que seus sistemas depressivos haviam diminuído. Suas redes cerebrais estavam mais interconectadas e flexíveis, um dia após o tratamento e, em algumas pessoas, três semanas depois.

Nenhuma dessas mudanças foi observada em pessoas que tomam antidepressivos, que também têm como alvo os receptores de serotonina.

“Isso apoia nossas previsões iniciais e confirma que a psilocibina pode ser uma abordagem alternativa real para tratamentos de depressão”, disse Nutt.

As descobertas ecoam um estudo recente de 2020 que relatou mudanças semelhantes na conectividade da rede cerebral até um mês após uma única dose de psilocibina, mas é claro que são necessárias muito mais pesquisas.

“Ainda não sabemos quanto tempo duram as mudanças na atividade cerebral observadas com a terapia com psilocibina e precisamos fazer mais pesquisas para entender isso”, disse o neurocientista Robin Carhart-Harris, também do Centro de Pesquisa Psicodélica da ICL. “Sabemos que algumas pessoas tem recaídas, e pode ser que depois de um tempo seus cérebros voltem aos padrões rígidos de atividade que vemos na depressão”.

Embora as descobertas sejam intrigantes – especialmente para aqueles entre nós que lutam com pensamentos ruminantes, gerenciam problemas de saúde mental ou estão apenas curiosos sobre como nossos cérebros funcionam – também precisamos lembrar que essa é uma pesquisa inicial, onde as pessoas receberam psilocibina em um ambiente controlado e monitorado, apoiado por profissionais de saúde mental que os ajudaram a falar sobre quaisquer experiências de alucinação.

É também apenas uma interpretação possível, a partir de dois ensaios pequenos, mas de alta qualidade, do que pode ser uma experiência profundamente alteradora de vida e possivelmente assombrosa. Outros estudos analisando como a psilocibina funciona no cérebro sugeriram que ela poderia dissolver o ego, e ainda nem começamos a sair da ponta do iceberg para saber o motivo pelo qual algumas pessoas se beneficiam da terapia com psilocibina, mas outras não.

Além disso, pessoas com histórico de psicose foram excluídas dos testes por razões de segurança, então, infelizmente, algumas pessoas podem não se beneficiar e precisam de outros cuidados.

No entanto, os pesquisadores esperam que essas descobertas possam lançar as bases para mais pesquisas investigando o potencial da psilocibina para tratar outras doenças mentais, também marcadas por padrões de pensamento rígidos.

“Uma implicação emocionante de nossas descobertas é que descobrimos um mecanismo fundamental pelo qual a terapia psicodélica funciona não apenas para a depressão – mas para outras doenças mentais, como anorexia ou vício”, disse Carhart-Harris. “Agora precisamos testar se esse é o caso e, se for, encontramos algo importante”.

O estudo foi publicado na Nature Medicine.