Psicanálise: ciência ou pseudociência?

Por Javier Yanes
Publicado na OpenMind

Por mais que o sofá seja um móvel associado à televisão, o sofá é um móvel associado à psicanálise. Desde o final do século XIX, o austríaco Sigmund Freud abandonou a pesquisa neurológica para desenvolver sua psicoterapia, o método adquiriu tal notoriedade que se tornou um ingrediente da cultura popular ocidental, encobrindo seu autor como psiquiatra – algo que nunca foi – mais conhecido de todos os tempos. Mas ele tem estado envolvido em uma controvérsia polêmica: existem evidências científicas para apoiar a psicanálise? Ou é apenas uma pseudociência, mesmo entre as mais acadêmicas de todas?

Em 1885, Freud (6 de maio de 1856 – 23 de setembro de 1939) viajou a Paris para estudar o uso da hipnose no tratamento da psicopatologia pelas mãos do neurologista Jean-Martin Charcot. Em seu retorno a Viena no ano seguinte, ele começou a aplicar essa técnica ao tratamento de seus pacientes, mas logo a dispensou para se limitar a um extenso diálogo que acabaria trazendo experiências e recordações do sujeito. De particular importância eram os sonhos, que para Freud eram uma porta para o inconsciente e para as memórias reprimidas da infância, normalmente de conteúdo sexual. O complexo de Édipo, a inveja da castração ou do pênis tornaram-se pilares teóricos de seu método, que uma década depois já era aplicado sob o nome de psicanálise.

A abordagem de Freud foi considerada inovadora em sua época e, obviamente, permeava a evolução subsequente da psicopatologia. No entanto, desde o seu nascimento, ela foi objeto de crítica por figuras de renome, como o neurocientista Santiago Ramón y Cajal. A partir de 1919, o filósofo da ciência Karl Popper, até então um entusiasta da psicanálise, começou a objetar que os psicanalistas sempre foram capazes de explicar os sintomas de seus pacientes a posteriori através de suas teorias, mas que não elaboravam predições sujeitas à verificação experimental, algo que propostas puramente científicas como a relatividade de Einstein já faziam.

Validade científica em julgamento

A impossibilidade de falseação levou Popper a definir a psicanálise como uma pseudociência comparável à astrologia. Ao longo dos anos, a validade científica dessa disciplina foi desqualificada por figuras proeminentes, como o psicólogo Steven Pinker, o linguista Noam Chomsky, o biólogo evolucionista Stephen Jay Gould, o filósofo Mario Bunge ou o físico Richard Feynman. Entre os críticos que dissecaram com maior extensão e profundidade as deficiências da psicanálise estão os filósofos Adolf Grünbaum e Frank Cioffi, o psicólogo Malcolm Macmillan, entre outros.

Um dos mais fervorosos e citados detratores da psicanálise é o professor emérito da Universidade da Califórnia em Berkeley, Frederick Crews. Seu trabalho recente, Freud: The Making of an Illusion (Metropolitan Books, 2017), foi descrito como “o livro que definitivamente põe fim ao mito da psicanálise e seu criador”. Para Crews, o principal argumento que Popper começou a articular um século atrás e que foi desenvolvido em seu livro Conjectures and Refutations (1963) ainda permanece: as proposições de qualquer teoria científica devem ser refutáveis pela evidência contrária, mas as da psicanálise não são. “Nenhuma evidência pode refutá-la porque ela não tem nenhuma consequência verificável“, resume Crews à OpenMind. “Como resultado, não pode haver uma melhoria perfectível da psicanálise como uma ciência“, acrescenta.

Isso não impediu que alguns defensores da psicanálise procurassem estabelecer uma ponte entre o método de Freud e a ciência. Por um lado, neuropsicólogos como Mark Solms (que não respondeu às questões do OpenMind) tentam levantar o traços da psicanálise no cérebro usando técnicas de neuroimagem. Mas, como escreveu o psiquiatra da McGill University (Canadá) Joel Paris, “as correspondências observadas são superficiais e dificilmente apoiam a complexa construção da teoria psicanálitica”. “A psicanálise não é uma terapia baseada em teses e deve ser abandonada”, disse Paris à OpenMind.

Por outro lado, estudos e meta-análises – estudos que reúnem vários estudos – têm sido realizados para avaliar os possíveis benefícios da técnica no tratamento de vários distúrbios. E, embora algumas dessas investigações tenham encontrado resultados positivos, a metodologia desses estudos tem sido criticada por não ter rigor e controle de ensaios clínicos randomizados.

Para Crews, há outra crítica ainda mais radical a esses estudos, e eles estão contaminados pelo viés de seus autores, que “inevitavelmente partem de um ponto de vista psicanalítico e estão determinados a salvá-lo a todo custo”. “Quando veremos o contrário, um pesquisador científico não-freudiano e bem treinado que é impelido pela evidência a reinterpretar todos os seus dados em termos psicanalíticos?”, pergunta ele. “Isso não pode acontecer, porque estar bem treinado em ciência significa, em primeiro lugar, descontar uma massa amorfa de teorias contraditórias que nunca tiveram conteúdo empírico claro”.

Uma corrente fechada e dogmática

Mas a verdade é que essa busca de pontes entre psicanálise e ciência não parece ser algo interesse toda a comunidade psicanalítica. A jornalista e neurocientista Casey Schwartz, que em seu livro In The Mind Fields: Exploring the New Science of Neuropsychoanalysis (Pantheon, 2015), revisou as tentativas de combinar neurociência e psicanálise, explica a OpenMind: “Quando eu estava relatando sobre o meu livro, muitos analistas que conheci estavam entusiasmados e interessados em neurociência, outros prudentemente curiosos e outros desinteressados”. De acordo com Paris, muitos psicanalistas tradicionais “não querem diluir o vinho de Freud com a água neurocientífica”.

De fato, uma das principais críticas à psicanálise tem sido, segundo alguns autores, o caráter fechado e excessivamente dogmático dessa corrente, que desde o início provocou confrontos entre Freud e alguns de seus colaboradores mais próximos, como Otto Rank ou Eugen Bleuler; esse último comparou o movimento como uma comunidade religiosa. “A difamação de críticos e rivais, um mau hábito generosamente praticado pelo próprio Freud, torna-se o substituto rotineiro do diálogo empírico”, diz Crews.

Como parte dessa fuga do campo científico, a psicanálise tem buscado refúgio nas humanidades, uma área na qual não é obrigada a responder às demandas empíricas. Como o psicanalista Siegfried Zepf, da Universidade de Saarland (Alemanha), “a psicanálise não é uma ciência natural, mas uma hermenêutica”; isto é, que interpreta fenômenos, mas não testa hipóteses empiricamente.

No entanto, muitos especialistas acreditam que esse afastamento da ciência não serve a uma disciplina que hoje pretende competir com tratamentos cientificamente validados, como a terapia cognitivo-comportamental, que é atualmente a mais influente psicoterapia e herda seu formato de diálogo da psicanálise, mas sem teorias freudianas. No mundo do século XXI, conclui Paris, a psicanálise “só pode sobreviver se estiver disposta a desmantelar sua estrutura como uma disciplina separada para retornar à academia e à ciência clínica”.

CONTINUAR LENDO