Risco de caso grave de coronavírus ligado a genes de Neandertal de 60.000 anos atrás

0
246
Crédito: Wessex Reg. Genetics Centre.

Por Tessa Koumondouros
Publicado na ScienceAlert

Há muito tempo, no sul da Europa, os humanos modernos e os neandertais tiveram pelo menos um encontro que gerou crianças. Embora os flertes entre nossas duas espécies estejam agora bem documentados, ninguém poderia ter previsto o quão gravemente eles impactariam nosso mundo 60.000 anos depois.

Uma linhagem resultante de DNA de Neandertal se espalhou por nossas populações à medida que foi passado de geração a geração, mesmo quando os próprios Neandertais foram extintos. Cerca de 50 por cento das pessoas no sul da Ásia e 16 por cento das pessoas na Europa agora carregam esse vestígio de DNA, que os cientistas agora associam à forma mais grave de COVID-19.

De acordo com a nova pesquisa, quem tem essa herança genética tem três vezes mais chances de necessitar de ventilação mecânica ao contrair o vírus, explica o antropólogo evolucionista Hugo Zeberg, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, na Alemanha.

Os cientistas vêm se esforçando para entender o que torna algumas pessoas mais vulneráveis ​​ao SARS-COV-2 do que outras. A doença já ceifou mais de um milhão de vidas humanas.

Embora as condições preexistentes e as desigualdades sociais que contribuem para isso expliquem uma grande parte da nossa vulnerabilidade, ainda existe uma porção significativa de pessoas que são jovens e saudáveis, mas inexplicavelmente acabam com problemas respiratórios graves, enquanto pessoas igualmente saudáveis ao redor ​​experimentam apenas os mais leves sintomas.

Zeberg e o geneticista Svante Pääbo do Instituto de Ciência e Tecnologia de Okinawa, no Japão, analisaram dados genéticos de 3.199 pacientes com COVID-19 hospitalizados e viram certas variantes genéticas no cromossomo 3 serem encontradas juntas na população com mais frequência do que se fossem mutações aleatórias.

Uma linhagem tão longa de DNA, que abrange seis genes e soma 49,4 mil bases passadas juntas de geração em geração, sugere que essa variação foi introduzida no genoma humano, o que significa que foi herdada.

Pesquisas anteriores ligaram essa região de genes a pacientes que tiveram uma reação grave ao SARS-CoV-2, exigindo hospitalização.

Então Zeberg e Pääbo investigaram nossos parentes humanos extintos para ver de onde vinha essa linhagem de genes. Eles não encontraram nenhuma dessas variantes genéticas específicas no genoma Denisovano, e algumas delas foram encontradas em dois Neandertais da Sibéria. Mas um neandertal da Croácia compartilhava mais semelhanças.

Esses resultados são “compatíveis com o fato deste Neandertal estar mais próximo da maioria dos Neandertais que contribuíram com DNA para as pessoas de hoje”, escreveram os pesquisadores.

Zeberg e Pääbo calcularam que era muito improvável que essa combinação de genes viesse de um ancestral comum de humanos e neandertais, o que significa que foram introduzidos quando nossas duas espécies cruzaram.

Ainda não sabemos por que esse fragmento do cromossomo 3 aumenta o risco de doenças graves.

“Isso é algo que nós e outros estamos investigando o mais rápido possível”, explicou Pääbo.

Distribuição e prevalência (gráficos de pizza) das variantes genéticas de Neandertal. Créditos: Zeberg et al., Nature, 2020.

A equipe suspeita que, no passado, esses genes podem ter se mostrado uma vantagem para algumas pessoas – talvez contra outro patógeno. Um estudo anterior sugeriu que o DNA de Neandertal pode ter fornecido proteção contra vírus antigo.

Isso pode explicar porquê essa agora infeliz variante do cromossomo 3 é prevalente em algumas populações, como em Bangladesh, onde 63% das pessoas a têm, mas está quase ausente em outras populações, como na África.

Essa distribuição pode explicar porquê as pessoas com descendência de nativos de Bangladesh no Reino Unido têm duas vezes mais chances de morrer de COVID-19 em comparação com o resto da população.

“É impressionante que a herança genética dos neandertais tenha consequências tão trágicas durante a atual pandemia”, disse Pääbo.

Na semana passada, outra equipe identificou um mecanismo imunológico potencial que também pode contribuir para casos graves de coronavírus.

No entanto, essas peças genéticas do quebra-cabeça do coronavírus acabam se encaixando, é importante lembrar que os fatores ambientais também desempenham um grande papel na contração da doença – e isso é algo que temos controle hoje (máscaras, distanciamento, higiene e outras medidas preventivas).

Esta pesquisa foi publicada na Nature.