Say my name: conheça o real Heisenberg

0
731

Por Dan Whitehead
Publicado no BirthMoviesDeath

“say my name!”
— heisenberg

Quando entramos nas últimas semanas da espiral criminosa descendente de Walter White, houve muita discussão sobre a ciência de Breaking Bad. A metanfetamina pura é realmente azul? Quanto ácido é necessário para dissolver um corpo? No entanto, desde quase o início, uma pergunta incomodou mais do que qualquer outra: por que Heisenberg?

A origem do apelido

Quando Walter se aventura pela primeira vez além de sua confortável vida suburbana de classe média e entra no covil do traficante de drogas de baixo nível Tuco, ele adota o apelido Heisenberg. É uma escolha incomum para um homem tão mergulhado em química, já que Werner Heisenberg, enquanto cientista vencedor do Prêmio Nobel, era famoso por sua física teórica que foi além da tabela periódica para abrir uma das primeiras portas para o reino quântico.

O Princípio da Incerteza de Heisenberg

Heisenberg é mais conhecido por seu Princípio da Incerteza, um dos principais fundamentos da física quântica. Em 1924, o modelo padrão da física era baseado no pressuposto de que o comportamento dos átomos era constante e previsível no tempo e no espaço. O Princípio da Incerteza de Heisenberg refutou completamente essa ideia. Segundo suas descobertas, quanto mais você sabe sobre uma propriedade de uma partícula, mais confuso tudo se tornava. Quanto mais você restringir a posição de uma partícula, menos poderá saber sobre sua velocidade e vice-versa. Em outras palavras, em um nível quântico, as partículas subatômicas resistem ativamente ao estudo e tudo o que deveria fazer sentido fica de cabeça para baixo. Mesmo algo aparentemente simples como a luz se torna um enigma, capaz de se comportar ao mesmo tempo como uma onda e uma partícula.

A incerteza é a base de Breaking Bad

Os paralelos subtextuais com a vida dupla de Walter White são bastante evidentes. Em um nível puramente linguístico, a incerteza é a base de Breaking Bad, e a ideia de que o caos aterrador se esconde sob uma superfície comum e complacente é generalizada. Basta olhar para a maneira como a vida criminosa de Walt afeta aqueles que a descobrem – quanto mais Skyler sabe sobre a personalidade “Heisenberg” de Walt, menos ela parece conhecer o homem com quem se casou. Esse é o Princípio da Incerteza reencenado em uma escala macro.

O gato de Schrödinger

A dualidade ecoa por toda a teoria quântica, principalmente no famoso experimento mental de 1935 do gato de Schrödinger. Em resumo, sem abrir a caixa, não há como saber se um gato está vivo ou morto; portanto, em termos de probabilidade, ele deve estar vivo e morto ao mesmo tempo, até que a tampa seja aberta. Nesse ponto, apenas uma realidade pode ser possível. É essencialmente assim que as partículas quânticas se comportam – tecnicamente existentes em vários estados e até em vários lugares simultaneamente, até que sejam observadas e suas propriedades reveladas.

As múltiplas realidades de Walt

Novamente, não é difícil ver como Walter White é um personagem “quântico”: mestiço e mestre criminoso, pai amoroso e assassino cruel, bufão inepto e manipulador calculador, partícula e onda, tudo ao mesmo tempo. Quando Hank abre a caixa, vemos as múltiplas realidades de Walt desmoronando em uma singularidade inevitável. Então, sim, a escolha de Heisenberg como nome de crime de Walt funciona em um nível temático básico, mas a vida real de Heisenberg foi tão dramática quanto a de seu homônimo ficcional.

Um físico ativista e um talentoso pianista

Nascido na Alemanha em 1901, Werner foi criado por um pai brutalmente autoritário que aparentemente incentivou seus filhos a brigar entre si, instilando um forte senso de competição e lealdade. Apesar de ser um pianista talentoso (ele sabia ler partituras a partir dos cinco anos), foram as ciências que realmente despertaram a imaginação jovem de Heisenberg.

Graças à abordagem direta de seu pai em relação à parentalidade, Heisenberg estava longe de ser um idiota livreiro. Quando adolescente, durante a Primeira Guerra Mundial, ele fazia parte de uma organização paramilitar de sua escola, o auspicioso Maximilians Gymnasium em Munique e nos anos seguintes à guerra, quando os soviéticos tentaram a sorte contra o enfraquecido Estado alemão, o jovem Heisenberg foi às ruas, protestando e lutando para ajudar a repelir os russos.

Heisenberg’s nobelistas

Um ativista político com um talento natural para matemática e física, Heisenberg rapidamente chamou a atenção de Niels Bohr, o lendário físico dinamarquês, e mudou-se para Copenhague para trabalhar como assistente de pesquisa, desafiando o modelo padrão tradicional de física que assumiu um universo governado por ordem previsível quantificável. Heisenberg pensou de maneira diferente. Ele suspeitava que no mundo subatômico era o caos que governava. Em 1927, Bohr desafiou Heisenberg a criar um modelo matemático que pudesse prever o comportamento desse mundo quântico ainda inexplorado. Com apenas 25 anos, Heisenberg aceitou esse desafio e apresentou a teoria que daria seu nome. Foi controverso – levando Einstein a zombar de que “Deus não não joga dados com o Universo” – mas a matemática era sólida.

Em 1932, Heisenberg recebeu o Prêmio Nobel de Física por seu trabalho na criação do campo da mecânica quântica (assim como seu homônimo ficcional, que ganhou o Nobel de Química em 1985 por uma pesquisa pioneira sobre a radiografia de prótons que culminou num projeto de desenvolvimento de métodos diretos para a determinação de estruturas cristalinas).

A ascensão nazista e a ameaça atômica

Foi um novo começo ousado no entendimento científico, mas coincidiu com um dos capítulos mais sombrios da humanidade. Quando os nazistas chegaram ao poder, eles não se impressionaram com a ciência da relatividade e da mecânica quântica, que eles viam como sendo dominada pelos judeus. Heisenberg não era judeu, mas seus colegas – como Bohr e Einstein – eram, e ele foi difamado pela imprensa alemã como sendo de “estilo judeu”. Os ataques ficaram tão graves que a mãe de Heisenberg escreveu à mãe de Himmler para reclamar – uma intervenção que realmente o fez parecer ainda mais um criador de problemas que simpatizava com os judeus. A Gestapo veio telefonar e, de repente, Heisenberg se viu trabalhando no Uranium Club, o título bastante fofo dado à equipe de desenvolvimento de bombas atômicas da Alemanha.

Eu não estou em perigo. Eu sou o perigo.

É aqui que o Princípio da Incerteza entra em ação novamente. Sabemos onde Heisenberg estava trabalhando durante a guerra, mas os detalhes do que ele realmente fez permanecem incertos. Um forte patriota alemão, um participante disposto no impulso de Hitler por armas atômicas, ou um recruta relutante? Definitivamente, ele visitou Bohr em Copenhague e tentou convencê-lo de que os Aliados deveriam desistir de desenvolver sua própria bomba, uma aposta que levou ao fim de sua amizade e tornou Heisenberg uma ameaça digna de assassinato pelos EUA e pela Grã-Bretanha. No entanto, foram os cálculos de Heisenberg que fizeram com que o programa atômico de Hitler parasse. Os números de Heisenberg superestimaram enormemente as quantidades de urânio necessárias, um erro de julgamento que pode ter salvado o mundo de uma terrível atrocidade.

Entre o bem e o mal

Isso parece familiar? Um gênio científico, usando seus dons a serviço de pessoas cruéis, dividido entre o bem e o mal e lutando para emergir com a vida e a alma intactas. Um homem frequentemente conduzido pelo orgulho e arrogância, sem dúvida convencido de que estava fazendo a coisa certa e que podia navegar em águas moralmente turvas sem ser consumido. Walter White certamente simpatizaria.

Câncer inoperável

Após a guerra, Werner Heisenberg foi recebido de volta à comunidade científica dominante e passou as últimas décadas de sua vida explorando ainda mais o mundo quântico. Ele rejeitou uma oferta para trabalhar para os soviéticos e, em vez disso, lecionou em locais de prestígio, como Cambridge e Harvard. Ele nunca falou publicamente sobre o que fez durante a guerra, ou por que, e morreu em 1976, em sua amada Munique. A causa da morte? Câncer.