‘Temos um dinossauro!’ Descoberta africana ilumina o alvorecer dos dinossauros

230 milhões de anos atrás, os primeiros dinossauros prosperaram em climas amenos

0
171
Mbiresaurus raathi, um dos dinossauros mais antigos do mundo e do tamanho de uma ema, mastigava plantas ao longo da margem de um rio no final do período Triássico. (Créditos: Andrey Atuchin)

Traduzido por Julio Batista
Original de April Reese para a Science

Durante o final do período Triássico, quando o mundo terrestre era uma única massa de terra extensa chamada Pangeia, um dinossauro herbívoro do tamanho de um cachorro morreu perto de um rio na parte sul do continente. Quando o rio inundou, seu corpo foi soterrado por sedimentos, com alguns ossos ainda articulados como em vida.

Cerca de 230 milhões de anos depois, o paleontólogo Chris Griffin, então estudante de doutorado no Universidade Estadual e Instituto Politécnico da Virgínia (EUA), avistou um osso da coxa saindo de uma colina na Bacia do Rio Cabora Bassa, no que hoje é o Zimbábue. “Eu tenho um dinossauro!” ele chamou para sua equipe.

“Assim que descobri isso, soube que estava segurando o dinossauro mais antigo da África”, disse Griffin, agora pós-doutorando na Universidade de Yale. “Tive que sentar e respirar por um minuto, porque pensei: ‘Pode haver muito mais [ossos] lá dentro’”.

Nas semanas que se seguiram, Griffin e os paleontólogos Darlington Munyikwa e Michel Zondo, do Museu de História Natural do Zimbábue, em Bulawayo, desenterraram um esqueleto quase completo. Acabou sendo uma nova espécie de dinossauro primitivo: Mbiresaurus raathi, que eles descreveram essa semana na Nature.

Embora pequena para os padrões dos dinossauros, com 1,8 metros de comprimento, a descoberta tem implicações descomunais para a disseminação inicial dos dinossauros, disse Stephen Brusatte, paleontólogo de vertebrados da Universidade de Edimburgo que não esteve envolvido no estudo. “Não sabemos quase nada sobre os primeiros dinossauros da África”, disse Brusatte. “É uma das descobertas recentes de dinossauros mais importantes em qualquer lugar do mundo.”

Até agora, os primeiros dinossauros conhecidos, também datados de cerca de 230 milhões de anos atrás, foram encontrados na Argentina e no Brasil, com alguns espécimes parciais da Índia. Quando os continentes estavam reunidos para formar a Pangeia, esses locais ficavam todos a cerca de 50° ao sul, explica Diego Pol, paleontólogo do Museu de Paleontologia Egidio Feruglio, na Argentina, que não fazia parte da equipe. A Terra era mais quente na época, sem calotas polares, e os modelos climáticos sugerem que a latitude na Pangeia tinha um clima úmido e temperado com verões quentes e invernos frios e chuvosos. Os pesquisadores suspeitaram que os primeiros dinossauros precisavam desse tipo de clima e que isso limitava sua disseminação pelo supercontinente. Mas para confirmar essa ideia, eles precisavam de fósseis de dinossauros de outras partes do mesmo cinturão climático.

A equipe de Griffin começou sua caçada com um mapa geológico, traçando uma linha de latitude da era Pangeia de 50°. Eles se concentraram em uma drenagem rasa no norte do Zimbábue, onde Munyikwa e Zondo sabiam que outros fósseis haviam sido encontrados. “Se os dinossauros estão buscando esse clima, devemos ser capazes de encontrar alguns dos dinossauros mais antigos bem aqui no sul da África”, disse Griffin. “E nós conseguimos.”

O paleontólogo Edward Mbambo trabalhando no local da descoberta de um raro dinossauro primitivo. (Créditos: Murphy Allen)

A descoberta de M. raathi,  ue estava quase completa, exceto por partes do crânio e membros anteriores, “foi muito surpreendente e emocionante”, disse Munyikwa. Não maior do que um collie, M. raathi recebeu o nome de Mbire, como a região era chamada durante o Império Shona do século 16, e um pesquisador pioneiro que encontrou fósseis nas proximidades. O dinossauro tinha uma cauda longa, uma cabeça pequena e dentes pequenos e triangulares, sugerindo que preferia plantas.

A equipe também encontrou fragmentos de ossos de um grande dinossauro carnívoro chamado herrerassaurídeo, o primeiro descoberto na África. E também desenterrou uma série de outros fósseis de animais: cinodontes, que são parentes dos mamíferos; parentes de crocodilos encouraçados chamados aetossauros; e répteis ntigos chamados rincossauros. Paleontólogos encontraram criaturas semelhantes ao longo da mesma faixa climática na América do Sul e na Índia.

Juntos, os fósseis são a evidência mais forte até agora de que os primeiros dinossauros e seus parentes foram limitados a um cinturão de clima temperado cercado por climas áridos, disse Pol. “A configuração climática era muito parecida com a da América do Sul”. Os dinossauros ficaram restritos ao seu oásis semiúmido por alguns milhões de anos, até que as regiões áridas ao norte e ao sul começaram a ficar mais úmidas.

A descoberta rara fornece um impulso bem-vindo à ciência do Zimbábue que Munyikwa espera que ajude a atrair mais financiamento para pesquisa. “Esta nova espécie [mostra] que temos depósitos muito importantes”, disse ele. Os fósseis estão agora expostos no Museu de História Natural do Zimbábue e são um motivo de orgulho para a comunidade e a nação, disse ele.

O estudo observa que outros espécimes provavelmente aguardam a descoberta no mesmo cinturão climático Pangeano, oferecendo uma espécie de roteiro para outros paleontólogos em busca de dinossauros primitivos, disse Kristi Curry Rogers, paleontóloga de vertebrados do Macalester College. “Agora é hora de todos nós que trabalhamos na paleobiologia dos dinossauros começarmos a trabalhar e descobrir mais alguns dinossauros primitivos.”