Testando os limites do universalismo na ciência

Certamente, se alguém pode superar os conflitos de cultura e interesse - e talvez até mesmo ajudar os governos a fazer o mesmo -, são as pessoas nos proverbiais jalecos brancos.

0
73

A ciência, tradicionalmente, aspira a ser universal em dois aspectos. Primeiro, busca o conhecimento fundamental – fatos que são universalmente verdadeiros. Em segundo lugar, pretende ser impessoal na prática; ou seja, a identidade deve ser irrelevante para o processo pelo qual uma afirmação científica é julgada.

Desde a época que se seguiu à Segunda Guerra Mundial, muita coisa se assentou nessas aspirações. Pois o universalismo não apenas faz da ciência um meio confiável de entender o mundo; isso também torna as instituições científicas uma base óbvia para a cooperação em resposta a vários desafios sombrios e complexos enfrentados pela humanidade. Hoje, esses desafios incluem danos ambientais, doenças infecciosas, biotecnologia e insegurança alimentar e energética. Certamente, se alguém pode superar os conflitos de cultura e interesse – e talvez até mesmo ajudar os governos a fazer o mesmo -, são as pessoas nos proverbiais jalecos brancos.

E, no entanto, ultimamente encontramos o próprio princípio do universalismo sendo colocado em dúvida. Armado com as ferramentas da teoria crítica, os estudiosos das ciências sociais e humanas afirmam que a ciência é apenas um sistema de conhecimento entre muitos, em relação ao contexto ocidental em que evoluiu. Nesta visão, o universalismo que permite à ciência informar outros povos e culturas é realmente uma forma de injusta hegemonia.

Até agora, esta tendência tem sido discutida principalmente em um ambiente educacional, onde houve pedidos para descolonizar os currículos científicos e abordar os desequilíbrios demográficos entre os estudantes. Mas como isso afetará as instituições que buscam fomentar a colaboração científica em questões políticas críticas?

Um argumento surgiu este ano no campo da ecologia, centrado em um órgão chamado IPBES (Painel Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos). Eu suspeito que poucos leitores já ouviram falar dessa organização, mas esse é o negócio, digamos, ‘sem glamour’ de salvar o mundo. O IPBES é um dos poucos veículos que atrai a atenção do governo para o rápido declínio global da biodiversidade e das populações de animais e plantas em geral.

O artigo, que provocou uma discussão amarga na comunidade de pesquisa, veio depois de vários anos em que os trabalhos e relatórios do IPBES desenvolveram “uma abordagem pluralista para reconhecer a diversidade de valores”. O painel agora adotou oficialmente um novo paradigma: o de “resistir ao objetivo científico de alcançar um esquema universalmente aplicável”, enquanto busca “superar as assimetrias de poder existentes entre a ciência ocidental e o conhecimento local e indígena, e entre diferentes disciplinas da ciência ocidental”.

Ciência e Política

É fácil descartar tal terminologia como mero jargão, e é isso que alguns críticos fizeram. Eles afirmam que a “mudança de paradigma” equivale a “um compromisso político, e não um novo conceito científico”. Em outras palavras, rotular uma perspectiva universal da ciência ocidental é um gesto diplomático para aplacar os céticos. Reconhecer “uma diversidade de valores” não altera os dados pertinentes porque, como você os enquadra, os dados são os dados.

Mas aqui está o problema. Quando se trata de organizações cujo papel é informar políticas, essa separação entre ciência e política é enganosa; eles geralmente têm seus próprios objetivos políticos que orientam sua atividade científica. Para o IPBES, esse objetivo está persuadindo os formuladores de políticas a conservar o mundo natural. Consequentemente, o painel não apenas coleta dados sobre a saúde dos ecossistemas. Ele reúne dados mostrando como os seres humanos se beneficiam de ecossistemas saudáveis, de modo a enfatizar os custos de não conservá-los.

Essa estratégia, no entanto, obriga o IPBES a fazer juízos de valor que não são diretamente passíveis de métodos científicos. Para avaliar os benefícios da natureza, deve-se considerar não apenas os nutrientes puros do ar e do solo, mas também os fatores não materiais, como a inspiração religiosa e a identidade cultural, que variam amplamente em todo o mundo. Tudo isso pode realmente ser incorporado a um sistema de medidas universal e objetivo?

O paradigma original do IPBES tentou fazê-lo, mas, inevitavelmente, o resultado foi uma estrutura bruta de métricas utilitárias. Procurou categorizar e quantificar todos os benefícios da natureza (incluindo os religiosos e culturais) e convertê-los em valores monetários – afinal de contas, os formuladores de políticas linguísticas entendem melhor. Como o artigo da Science afirma, baseando-se em uma literatura substancial, essa abordagem reducionista alienou muitos cientistas, bem como pessoas locais, cuja participação é crucial para a conservação.

Tudo isso ilustra alguns problemas gerais com o universalismo como base para a cooperação. Em primeiro lugar, quando uma instituição científica direciona seu trabalho para certos resultados de políticas, suas reivindicações de objetividade tornam-se mais questionáveis. Pode ainda produzir conhecimento que seja universalmente verdadeiro; mas que conhecimento ele realmente procura e como ele traduz esse conhecimento em ferramentas de políticas são questões mais controversas.

Esse problema surge mesmo em casos de consenso científico sólido, como a mudança climática. O aumento das temperaturas é uma coisa, mas quais consequências os cientistas deveriam investigar para atrair a atenção dos formuladores de políticas ou mesmo dos eleitores? Quais políticas econômicas devem endossar? Tais julgamentos serão inevitavelmente políticos e ideológicos por natureza.

Além disso, alguns assuntos são simplesmente mais politicamente e culturalmente controversos do que outros. Há muitas áreas em que, mesmo que se possa conceber uma abordagem universalista, ela será, no entanto, considerada um modo de pensar estrangeiro e indesejado. Como vimos, a natureza é uma dessas áreas. Outro exemplo óbvio é a edição genética, que o Japão recentemente permitiu em embriões humanos. Qualquer tentativa de regulamentar essa tecnologia provavelmente exigirá um debate sobre costumes religiosos e culturais, tanto quanto a ciência.

Os limites do pluralismo

A questão , no entanto, é: o pluralismo agora defendido pelo IPBES oferece uma solução viável para esses problemas? É uma questão altamente duvidosa. A influência da teoria crítica, como se vê em uma fixação com o conhecimento como uma ‘proxy’ para o poder, é, em si mesma, antitética à cooperação produtiva. Em vez de meramente identificar as limitações práticas da cosmovisão científica, coloca a ciência em competição de soma zero com outras perspectivas.

O problema começa com um deslize do pluralismo cultural para o relativismo epistemológico. Na literatura que estabeleceu as bases para a “mudança de paradigma” do IPBES, os sistemas de conhecimento são tratados como “específicos do contexto”, cada um contendo “seus próprios processos de validade”. Como resultado, a perspectiva de comprometimento recua para a distância, cuja prioridade é “equilibrar equitativamente diferentes sistemas de valores, eventualmente permitindo processos de aprendizado social”.

Como os críticos alertaram, há o perigo aqui de perder clareza e foco, levando a uma defesa menos eficaz. Os documentos e relatórios do IPBES agora se ampliam com extensas discussões sobre particularismo cultural e equidade, ameaçando às vezes tornar-se uma missão paralela. No entanto, em 2016, quando o painel realizou sua avaliação mais abrangente até o momento, o resumo para os formuladores de políticas incluía quase nenhuma informação sobre os custos econômicos de danos ecológicos.

De fato, apesar de seu suposto ceticismo, há um ar de fantasia em torno desse discurso. Mesmo que haja áreas em que seja inadequado impor uma perspectiva puramente científica, é falso fingir que, com um objetivo particular em vista, todas as perspectivas são igualmente úteis. Da mesma forma, nenhuma quantidade de consulta e mediação pode negar a realidade de que, com recursos limitados, valores e interesses diferentes devem ser negociados uns contra os outros. Se os cientistas se absolvem dessa responsabilidade, eles simplesmente a transmitem aos formuladores de políticas.

O universalismo tem limites práticos próprios: não pode dissolver as diferenças culturais nem eliminar a necessidade de tomar decisões políticas. Mas, desde que essas limitações sejam compreendidas, ela certamente continua sendo o princípio padrão mais útil para o trabalho colaborativo. Mesmo diversas instituições precisam de objetivos comuns: tratar os valores como totalmente incomensuráveis é convidar a paralisia. E politizar o próprio conhecimento é arriscar-se a desvendar completamente o empreendimento científico.

Wessie du Toit é um escritor vivendo em Londres. Ele escreve sobre arte, design, cultura, política e história.

CONTINUAR LENDO