Um exame médico revela os segredos dos répteis marinhos extintos da Nova Zelândia, quase 150 anos após a descoberta dos fósseis

0
357
Crédito: Vukaddin.

Por Paul Scofield
Publicado no The Conversation

O registro fóssil de dinossauros terrestres da Nova Zelândia é pobre, com apenas alguns ossos, mas a coleção de antigos répteis marinhos extintos é notável, incluindo mosassauros semelhantes a tubarões e plesiossauros de pescoço comprido.

Os plesiossauros apareceram pela primeira vez no registro fóssil há cerca de 200 milhões de anos e foram extintos, juntamente com os dinossauros, há 66 milhões de anos.

Eles são mais conhecidos pela ideia fantasiosa, mas atraente, sugerida pelo cientista britânico Sir Peter Scott, de que o lendário monstro do Lago Ness era na verdade um plesiossauro que de alguma forma sobreviveu a todos os outros répteis gigantes e permaneceu indetectável ao longo da história humana.

Em um projeto de pesquisa recente, usamos imagens de tomografia computadorizada para escanear fósseis de plesiossauros coletados na Nova Zelândia em 1872.

As varreduras revelam um novo nível de detalhes, confirmando que os plesiossauros nadavam principalmente de cabeça baixa, em contraste com a criatura do Lago Ness, e mostrando uma ligação direta entre os fósseis da Nova Zelândia e os espécimes sul-americanos de 70 milhões de anos atrás.

Leitos de fósseis de sáurios

Em 1872, o diretor do Museu de Canterbury, Julius von Haast, contratou o geólogo escocês autodidata Alexander McKay para realizar pesquisas geológicas e coletar fósseis.

Von Haast tinha ouvido falar que o explorador e cientista amador Thomas Cockburn-Hood havia descoberto fósseis de répteis significativos no alto de Waipara Gorge, na região de Canterbury. Cockburn-Hood descreveu a área como “os leitos saurianos”, e agora conhecemos os sedimentos marinhos preservados e fossilizados de 70 milhões de anos atrás.

McKay foi para Waipara durante o inverno de 1872 e teve um sucesso espetacular, coletando vários esqueletos parciais de répteis marinhos e centenas de ossos.

Entre esse material havia dois agrupamentos de ossos semiesféricos, comprimidos e pouco impressionantes. Estes ficaram nos depósitos do Museu de Canterbury, não identificados e presos dentro das concreções em que foram escavados, por mais de 120 anos.

A impressão artística de um elasmossauro. Créditos: Flickr / Peter Montgomery.

Conexão sul-americana

Levaria até o final da década de 1990 para perceber a importância do fóssil. O preparador do museu e famoso colecionador de fósseis Al Mannering e seus colegas prepararam esses dois fósseis esquecidos, lascando a pedra para revelar os ossos contidos nas rochas.

O cientista inglês visitante Arthur Cruickshank acreditava que esses fósseis eram notáveis ​​e possivelmente semelhantes aos vestígios de plesiossauros que ele viu na América do Sul.

Em 2004, o curador de geologia do Museu de Canterbury, Norton Hiller e Mannering, publicaram um estudo, no qual sugeriram que os dois grupos de ossos, do tamanho de bolas de futebol, eram na verdade os dois lados do crânio do mesmo animal – um notavelmente semelhante aos plesiossauros de América do Sul.

Em 2014, especialistas em répteis marinhos de renome internacional Rodrigo Otero (Universidade do Chile) e Jose O’Gorman (Museu de La Plata da Argentina) visitaram a Nova Zelândia e examinaram os espécimes. Eles concluíram que Hiller e Mannering estavam corretos. As duas metades eram de fato do mesmo animal e o fóssil de Waipara era mais semelhante a um grupo de plesiossauros até então conhecido apenas no Chile e na Argentina.

Eles descreveram os espécimes do Museu de Canterbury completamente e deram a eles o nome científico Alexandronectes zealandiensis, latim para “nadador de Alexander da Zelândia”.

Um check-up hospitalar

A ciência e a tecnologia avançam e a equipe de O’Gorman queria confirmar as relações evolutivas de Alexandronectes zealandiensis, usando as mais recentes tecnologias.

Imagens de tomografia computadorizada do crânio (esquerda) de Alexandronectes zealandiensis (a barra de escala é de 40 mm). Crédito: Jose P. O’Gorman.

Em 2019, levei os dois fósseis ao hospital para serem digitalizados por tomografia computadorizada, usando os mais recentes scanners de tomografia computadorizada de dupla energia na Clínica Radiológica de St George em Christchurch. Os resultados foram extraordinários, mostrando características inéditas da anatomia.

Sem a tecnologia de tomografia computadorizada, esses detalhes só poderiam ser vistos destruindo o fóssil. Examinamos o ouvido interno da criatura e concluímos, com base na orientação do ouvido, que ela mantinha uma postura em que sua cabeça era habitualmente mantida perpendicular ao corpo ou um pouco abaixo do corpo (não como os fãs do monstro do Lago Ness sugeririam, até mesmo no ar como um fantoche de meia).

Também vimos um recurso conhecido como estribo, também inédito em plesiossauros até então. O estribo é um pequeno osso em forma de guarda-chuva no ouvido médio que transmite vibrações do tímpano para o ouvido interno.

O crânio reconstruído de um elasmossauro, encontrado na ilha de Vancouver. Créditos: Wikimedia Commons / Roland Tanglao.

Este trabalho permitiu-nos concluir que Alexandronectes zealandiensis era um plesiossauro incomum.

Pertencia a um grupo único de plesiossauros do hemisfério sul agora chamado de Aristonectinae. Este grupo fazia parte da família de plesiossauros conhecida como elasmossauros. Eles foram o último experimento evolutivo dos plesiossauros, com os pescoços mais longos de todos os plesiossauros.