Vértebras humanas em espetos são encontradas em tumbas de 500 anos no Peru

Algumas das vértebras com gravetos de junco datam de quase 600 anos atrás.

0
262
Exemplos de vértebras em gravetos, encontrados no Vale de Chincha, no Peru. Créditos: Copyright Antiquity Publications Ltd. / C. O'Shea.

Por Mindy Weisberger
Publicado na Live Science

Centenas de anos atrás, os povos indígenas no litoral do Peru podem ter recolhido os restos dispersos de seus mortos em tumbas profanadas e enfiado os ossos da coluna vertebral em caules de junco. Cientistas contaram recentemente quase 200 desses espetos com ossos em tumbas de pedra no Vale de Chincha, no Peru, e suspeitam que a prática surgiu como um meio de remontar restos mortais depois que os espanhóis saquearam e profanaram sepulturas indígenas.

Arqueólogos investigaram 664 sepulturas em uma zona de 40 quilômetros quadrados que continha 44 locais mortuários. Eles documentaram 192 exemplos de espetos com vértebras.

Os pesquisadores então mediram a quantidade de carbono radioativo nos ossos e caules de junco. O carbono radioativo se acumula quando um organismo está vivo, mas decai em nitrogênio a uma taxa constante quando o organismo está morto. Assim, com base na quantidade desse carbono, os cientistas puderam estimar quando os espetos foram montados.

Sua análise colocou as vértebras e os espetos entre 1450 e 1650 d.C. – uma época em que o Império Inca estava desmoronando e os colonizadores europeus estavam consolidando o poder, escreveram os pesquisadores em um novo estudo. Este foi um período de convulsão e crise em que as tumbas indígenas foram frequentemente profanadas pelos espanhóis, e o povo Chincha pode ter revisitado tumbas saqueadas e enfiado os ossos espinhais em juncos para reconstruir sepulturas perturbadas, disse o principal autor do estudo, Jacob Bongers, pesquisador sênior associado de arqueologia com a Unidade de Pesquisa Sainsbury da Universidade da Ânglia Oriental, no Reino Unido.

“O fato de existirem 192 destes [espetos] e deles estarem espalhados – nós os encontramos em todo o vale de Chincha – significa em um nível que vários grupos de pessoas se coordenaram e responderam de maneira compartilhada e que, para eles, essa prática interessante foi considerada a maneira apropriada de lidar com corpos perturbados dos mortos”, disse Bongers à Live Science.

A maioria das vértebras em espetos foi encontrada dentro e ao redor de grandes e elaboradas tumbas de pedra, chamadas chullpas, que normalmente continham vários sepultamentos; na verdade, uma chullpa continha restos mortais de centenas de pessoas, disse Bongers. As pessoas que realizaram os sepultamentos faziam parte do Reino Chincha, “uma sociedade rica e centralizada que dominou o Vale de Chincha durante o período intermediário tardio, que é o período que precede o Império Inca”, explicou Bongers.

Em uma das chullpas, vértebras rosqueadas no espeto foram inseridas em um crânio. Créditos: Copyright Antiquity Publications Ltd. / C. O’Shea.

O Reino Chincha já teve uma população de cerca de 30.000 habitantes e prosperou por volta de 1000 a 1400 d.C., eventualmente se fundindo com o Império Inca no final do século XV. Mas depois que os europeus chegaram e trouxeram fomes e epidemias, o número de chinchas caiu para apenas 979 chefes de família em 1583, de acordo com o estudo. Documentos históricos registram relatos de espanhóis frequentemente saqueando túmulos chinchas em todo o vale, roubando ouro e artefatos valiosos e destruindo ou profanando restos mortais.

Para o novo estudo, os pesquisadores examinaram de perto 79 espetos de junco com ossos, cada um representando uma coleção de ossos da coluna vertebral de um adulto ou de uma criança. A maioria dos espetos continha ossos pertencentes a um único indivíduo, mas as espinhas estavam incompletas, com a maioria dos ossos desconectados e fora de ordem. Isso sugeriu que o rosqueamento não foi realizado como parte do sepultamento original. Em vez disso, alguém juntou e enfiou as vértebras espinhais depois que os corpos se decompuseram – e talvez depois que alguns dos ossos foram perdidos em saques, relataram os autores do estudo.

Duas chullpas no meio do vale de Chincha. Créditos: Copyright Antiquity Publications Ltd. / C. O’Shea.

E como as culturas andinas valorizavam a preservação da integridade de um corpo morto, a explicação mais provável é que o povo Chincha revisitou túmulos saqueados e reconstruiu os restos espalhados dessa maneira para tentar restaurar alguma aparência de integridade aos restos que foram dispersos e profanados.

“Quando você olha para todos os dados que coletamos, tudo isso apoia o modelo de que eles [os espetos com ossos] foram feitos depois que esses túmulos foram saqueados”, disse Bongers à Live Science.

“Práticas mortuárias antigas, como esse encadeamento de ossos, fornecem pistas valiosas sobre como as comunidades antigas lidavam com seus mortos, mas também esclarecem como as pessoas definiam suas identidades e cultura por meio de seus relacionamentos com os mortos”, disse Bongers. “As práticas mortuárias são indiscutivelmente o que nos torna humanos – essa é uma das principais características distintivas de nossa espécie. Então, documentando as práticas mortuárias, estamos aprendendo diversas maneiras de como as pessoas mostraram sua humanidade”.

As descobertas foram publicadas na revista Antiquity.