‘Wonderchicken’ é o primeiro pássaro moderno já descoberto e com quase 67 milhões de anos

O animal é um ancestral comum dos patos e das galinhas de hoje.

0
501
O paleontologista de vertebrados Daniel Field, da Universidade de Cambridge, segura um crânio em 3D do Asteriornis maastrichtensis , que viveu 66,7 milhões de anos atrás e é o primeiro pássaro moderno conhecido. Créditos: D.J. Field / Universidade de Cambridge.

Por Carolyn Gramling
Publicado na Science News

Apreciem o Wonderchicken, o primeiro pássaro moderno já encontrado.

O Asteriornis maastrichtensis viveu 66,7 milhões de anos atrás, menos de um milhão de anos antes do impacto do asteroide que dizimou todos os dinossauros não-aviários. Os descendentes alados e bicudos deste pássaro do tamanho de codornas, no entanto, sobreviveram ao evento de extinção em massa, formando uma longa linhagem que inclui as galinhas e os patos modernos.

Com base em análises de restos fósseis, que consistem em um crânio quase completo e alguns ossos de membros, o pássaro está intimamente relacionado ao ancestral comum mais recente das aves terrestres e aquáticas, relatam pesquisadores em 18 de março na Nature.

O crânio do A. maastrichtensis é “uma mistura nunca vista de características de patos e galinhas”, diz Daniel Field, paleontologista de vertebrados da Universidade de Cambridge. “É como um turducken [prato típico norte-americano que consiste em um frango desossado recheado em um pato desossado]”.

Estimativas anteriores, baseadas em análises moleculares de grupos de aves vivas, sugerem que as aves modernas evoluíram antes do evento de extinção em massa há cerca de 66 milhões de anos. Mas este é o primeiro fóssil a colocar definitivamente um ancestral moderno em cena. A idade do fóssil, de fato, sugere que essas estimativas anteriores, que variaram de 139 a 89 milhões de anos atrás, podem ter superestimado o quão cedo essas aves surgiram, escreve Kevin Padian, paleontologista de vertebrados da Universidade da Califórnia em Berkeley em um comentário na mesma edição da Nature.

Os pássaros modernos compartilham várias características importantes com o Wonderchicken, como bicos sem dentes e ossos do pé fundidos. As quase 11.000 espécies de pássaros vivos – os Paleognathae (pássaros que não voam, como as avestruzes), os anseriformes (aves aquáticas), os galináceos (aves terrestres) e as neoaves (os 95% restantes das espécies de pássaros vivos) – todos compartilham um ancestral comum, diz Field. “Achamos que esse ancestral viveu em algum momento antes do final da Era dos Dinossauros”, diz ele. Mas existem muito poucos fósseis de pássaros que sobreviveram antes do impacto do asteroide.

Os novos fósseis foram descobertos na Bélgica, em uma pequena rocha do tamanho de uma bateria de câmera digital. A rocha, feita de sedimentos marinhos endurecidos, parecia nada de especial do lado de fora, diz Field, apenas “alguns ossos quebrados de pássaros aparecendo”. Mas qualquer osso de pássaro datado pouco antes do evento de extinção em massa era intrigante o suficiente para que ele quisesse olhar mais de perto.

Então Field e seus colegas usaram tomografia computadorizada, uma espécie de varredura de raios-X, para espiar dentro da rocha. E foi aí que eles viram o crânio. A equipe soube imediatamente que tinha algo especial. “A linha do tempo de todo esse processo foi: vi o crânio, gritei ‘Puta merda’, falei ‘toca aqui’ pro meu aluno de PhD e comecei a chamá-lo de Wonderchicken”.

Fósseis do Wonderchicken foram encontrados em sedimentos marinhos, sugerindo que o pássaro provavelmente era um pássaro costeiro, como visto na ilustração deste artista. (Um mosassauro, que também viveu durante o final do Cretáceo, está encalhado na costa em segundo plano.) Crédito: Phillip Krzeminski.

A parte da frente do crânio é semelhante a de uma galinha, incluindo o osso nasal que fazia parte da narina, ajudando a moldar o bico. “Um frango de celeiro come qualquer coisa que você colocar na frente dele”, diz Field, e isso se reflete no formato de bico não especializado da galinha. Isso contrasta com outros pássaros, que têm bicos claramente especializados para suas dietas específicas – pense no bico de um raptor adaptado para rasgar carne ou no bico delgado e comprido de um beija-flor.

Essa forma de bico sugere que, como as galinhas, o pássaro antigo também não era um comedor exigente. E essa pode ter sido uma característica crucial, diz Field. “Uma dieta não especializada é o tipo de recurso que pode ter ajudado animais como o Wonderchicken a sobreviver” após o impacto do asteroide.

Mas parte do crânio é mais característica das aves aquáticas como patos. Essas características incluem um osso distinto que se projeta da parte de trás do crânio até a base da cavidade ocular e um osso curvado na parte de trás da mandíbula. As análises dos ossos dos membros, entretanto, sugerem que A. maastrichtensis tinha pernas bastante longas. A rocha que contém os fósseis consiste em sedimentos marinhos, sugerindo que o pássaro era uma ave costeira.

O A. maastrichtensis está intimamente relacionado ao ancestral comum mais recente de todas as aves semelhantes aos patos e galinhas. As regiões do crânio, incluindo os ossos nasais e a forma do bico (representadas na cor amarela e vermelha), assemelham-se a características encontradas nas aves terrestres como as galinhas. Outras regiões (cor de rosa e verde) têm semelhanças com aves aquáticas como patos. Créditos: D.J. Field / Universidade de Cambridge.

“Este é um dos fósseis de aves mais importantes que foram encontrados nos últimos tempos”, diz Stephen Brusatte, paleontologista de vertebrados da Universidade de Edimburgo, que não participou do estudo. “Isso aumenta a intrigante possibilidade de que terem um tamanho pequeno e viverem em um habitat costeiro podem ter ajudado essas aves a sobreviver à extinção do final do Cretáceo”, quando tantos outros dinossauros maiores não sobreviveram.