A ciência prova que Ayn Rand está errada sobre Altruísmo e economia Laissez-faire

A Evolução claramente mostra que cooperação vence competição.

0
471

Por Denise Cummins
Publicado na Evonomics

Em um artigo anterior, descrevi os resultados desastrosos de duas tentativas do mundo real para implementar os princípios de Ayn Rand. Entre os mais de 1.300 comentários no artigo, havia reclamações dos seguidores de Rand de que suas opiniões haviam sido deturpadas. Essas queixas se opuseram principalmente à minha afirmação de que Rand celebrava o interesse próprio desenfreado. Como um leitor escreveu:

As boas pessoas que seguem Rand se importam com os outros. Eles não se importam de serem forçados a entregar os frutos de seu tempo investido a outros, mas ficam encantados em negociar o que produzem com os outros e se deliciam em ver esses negócios melhorarem a vida dos outros.

Tais objeções são sem mérito.

Os seres humanos são seres sociais cujas sociedades devem depender de seus membros para olhar além de seus próprios interesses imediatos a fim de funcionar, como Rand reconheceu em “The Ayn Rand Letter” [A carta de Ayn Rand]:

O homem ganha valores enormes ao lidar com outros homens; Viver numa sociedade humana é o seu modo de vida próprio – mas apenas em certas condições. O homem não é um lobo solitário e ele não é um animal social. Ele é um animal contratual. Ele tem que planejar sua vida à longo prazo, fazer suas próprias escolhas e lidar com outros homens por acordo voluntário (e ele tem que ser capaz de confiar em sua observância dos acordos que eles entraram). A escolha não é auto-sacrifício ou dominação.

Apesar de abraçar a sociabilidade, Rand viu mais mal do que bem nesse tipo de interdependência entre as pessoas. Como ela escreveu em The Fountainhead [A nascente], “A escolha é independência ou dependência. Tudo o que procede do ego independente do homem é bom. Tudo o que procede da dependência do homem sobre os homens é mau”.

Talvez a chave para entender essa contradição esteja em uma anotação no diário em que ela escreve: “Egoísmo não significa apenas fazer coisas por si mesmo. Pode-se fazer coisas, afetar os outros, para seu próprio prazer e benefício. Isso não é imoral, mas o mais alto da moralidade ”.

Visto sob esta ótica, os atos altruístas são sancionados na medida em que trazem prazer ou outro benefício ao doador, que não tem obrigação moral de oferecer ajuda àqueles que estão sofrendo. Este sentimento é expresso mais plenamente em The Virtue of Selfishness [A Virtude do Egoísmo]:

O propósito moral da vida de um homem é a conquista de sua própria felicidade. Isso não significa que ele seja indiferente a todos os homens, que a vida humana não tem valor para ele e que ele não tem motivos para ajudar aos outros em uma emergência. Mas significa que ele não subordina sua vida ao bem-estar dos outros, que ele não se sacrifica às necessidades alheias, que o alívio do sofrimento de outrem não é sua principal preocupação, que qualquer ajuda que ele dá é uma exceção, não uma regra, um ato de generosidade, não de dever moral, que é marginal e incidental – como os desastres são marginais e incidentais no curso da existência humana – e que valores, não desastres, são o objetivo, a primeira preocupação e o poder motivador de sua vida.

Em outras palavras, eu antes de você – primeiro e sempre.

Rand notoriamente abominou e demonizou o altruísmo. Em sua entrevista de 1959 com Mike Wallace, ela afirmou que o altruísmo não era apenas imoral, mas impossível.

A desconfiança de Rand em relação ao altruísmo estava enraizada em sua experiência inicial, vivendo sob o domínio soviético. Ela nasceu como Alysa Rosenbaum em 1905 em São Petersburgo, na Rússia. Seu pai era farmacêutico e sua família era confortavelmente de classe média. Durante a revolução bolchevique de 1917, a farmácia de seu pai foi confiscada pelos soviéticos. Ela testemunhou de perto e pessoalmente a subjugação da população russa ao comunismo soviético, que colocou os direitos do Estado acima dos direitos do indivíduo. Ela ficou chocada com as táticas de força forte usadas pelo Estado soviético para reprimir a liberdade de expressão, para terminar os direitos de propriedade e forçar outros países a se submeterem ao domínio soviético.

Em seu entendimento, a justificativa para esse tipo de supressão violenta era uma crença equivocada no altruísmo e nas formas coletivistas de governo que supostamente gerou. Em seus escritos, não há distinção apreciável entre o socialismo e o comunismo soviético. Sua principal preocupação era a abolição dos direitos de propriedade e produção, que ela acreditava serem as marcas de qualquer forma de socialismo.

Em uma coluna intitulada Fascist New Frontier [Nova Fronteira Fascista], ela escreveu: “A principal característica do socialismo (e do comunismo) é a propriedade pública dos meios de produção e, portanto, a abolição da propriedade privada”.

Ela achava que um país livre deveria estar vigilante no monitoramento da introdução de programas sociais que levariam a um estado de bem-estar social. Em Capitalism: The Unknown Ideal [Capitalismo: O Ideal Desconhecido], ela afirmou:

A questão política básica e crucial de nossa era é: capitalismo versus socialismo, ou liberdade versus estatismo… O objetivo dos “liberais” – como emerge do registro das décadas passadas – foi contrabandear este país para o estatismo assistencialista por meio de medidas únicas, concretas e específicas, ampliando o poder do governo um passo de cada vez, nunca permitindo que essas etapas sejam resumidas em princípios, nunca permitindo que sua direção seja identificada ou que a questão básica seja citada. Assim, o estatismo viria, não por voto ou por violência, mas por podridão lenta – por um longo processo de evasão e corrupção epistemológica, levando a um fato consumado. (O objetivo dos “conservadores” era apenas retardar esse processo.)

Não deveria ser surpresa que ela fosse membro da Aliança Cinematográfica para Preservação dos Ideais Americanos, que criava uma lista negra de atores e roteiristas que eram membros do Partido Comunista Americano ou considerados simpatizantes do comunismo.

Em Philosophy: Who Needs It? [Filosofia: Quem Precisa?], Ela particularmente liga diretamente o socialismo de qualquer tipo ao altruísmo:

Os socialistas tinham um certo tipo de lógica do lado deles: se o sacrifício coletivo de todos para todos é o ideal moral, então eles queriam estabelecer esse ideal na prática, aqui e nesta terra. Os argumentos de que o socialismo não funcionaria e não poderia funcionar, não os detiveram: o altruísmo nunca funcionou, mas isso não fez com que os homens parassem e o questionassem. Só a razão pode fazer essas perguntas…

Então, façamos a pergunta: o socialismo já funcionou? O Índice de Prosperidade mede mais de 100 países em 89 variáveis de análise econômica. Os 10 principais países neste índice em 2015 foram a Noruega, Suíça, Dinamarca, Nova Zelândia, Suécia, Canadá, Austrália, Holanda, Finlândia e Irlanda. (Os Estados Unidos ficaram em 11º lugar). O que esses países têm em comum? Todos eles incorporam generosos programas sociais com as democracias capitalistas. Eles conferem generosos benefícios previdenciários através da redistribuição da riqueza, mas as liberdades civis são abundantes e há poucas restrições ao fluxo de capital ou de trabalho. Assim, parece que os países que incorporam programas sociais em suas políticas socioeconômicas realmente prosperam.

Então, como Rand errou tão feio? A resposta, acredito, está em sua crença de que o altruísmo da necessidade leva à exploração e, em última análise, à destruição do eu:

Quanto ao altruísmo – nunca esteve vivo. É o veneno da morte no sangue da civilização ocidental, e os homens sobreviveram apenas na medida em que não acreditavam nem o praticavam… Não confunda altruísmo com bondade, boa vontade ou respeito pelos direitos de outros. Essas coisas não são princípios, mas consequências, que, na verdade, o altruísmo torna impossíveis. O primário irredutível do altruísmo, o absoluto básico, é o autossacrifício – o que significa: autoimolação, abnegação, autonegação, autodestruição – o que significa: o eu como padrão do mal, o altruísta como padrão do bem.

Rand não estava sozinha em sua preocupação com o risco de exploração inerente ao altruísmo. Os biólogos evolucionistas também lidaram com o problema. O altruísmo era problemático para os biólogos evolucionistas precisamente porque parece dificultar a sobrevivência individual. De acordo com visões de evolução centradas no gene, como o gene egoísta de Richard Dawkins, o altruísmo não deveria existir.

Altruísmo significa beneficiar a sobrevivência e o sucesso reprodutivo de outro indivíduo enquanto impõe um custo por conta própria. O altruísmo poderia sobreviver quando conferido a parentes genéticos, porque seus genes compartilhados se beneficiariam de seu investimento altruísta. Mas seus genes não recebem nenhum benefício do altruísmo investido em indivíduos não relacionados e podem, de fato, dificultar sua própria sobrevivência.

Agora Rand está correta quando descreve como o altruísmo pode levar à exploração na “Inflação Moral”:

Mesmo que o altruísmo declare que “é mais abençoado dar do que receber”, não funciona assim na prática. Os doadores nunca são abençoados; quanto mais eles dão, mais é exigido deles; reclamações, reprovações e insultos são a única resposta que recebem por praticar as virtudes do altruísmo (ou por suas virtudes reais).

Pelo raciocínio de Rand, porque o altruísmo expõe o indivíduo à exploração, o egoísmo é a melhor proteção. Os biólogos evolucionistas, por outro lado, investigaram cuidadosamente (e modelaram matematicamente) as condições sob as quais o altruísmo funciona e quando ele falha. Para indivíduos sem parentesco, a teoria mais influente é a do altruísmo recíproco, proposto pelo influente biólogo evolucionista Robert Trivers em 1971. Em termos simples, a teoria afirma: “Vou ajudá-lo se você concordar em me ajudar”. havendo correspondência, as chances de sobrevivência de ambas as partes aumentam. Isso é praticamente idêntico ao conceito de contratos sociais da Rand. Em The Virtue of Selfishness [A Virtude do Egoísmo], ela escreve: “Numa sociedade livre, os homens não são forçados a lidar uns com os outros. Eles só o fazem por acordo voluntário e, quando um elemento de tempo está envolvido, por contrato ”.

O problema é que, enquanto um determinado indivíduo pode se beneficiar da cooperação, ele geralmente pode fazer melhor renegando. Nesse caso, o destinatário recebe todos os benefícios, enquanto o altruísta sofre todos os custos. O resultado final é que os altruístas se extinguem. Mas Trivers mostrou que os altruístas podem sobreviver se uma condição simples for satisfeita: aqueles que não conseguirem retribuir devem ser punidos com a exclusão em empreendimentos cooperativos subsequentes. Me engane uma vez, vergonha para você. Me engane duas vezes, vergonha pra mim.

Em contraste, Rand acreditava que o principal papel do governo era arbitrar e fazer valer esses contratos. Em The Virtue of Selfishness [Virtude do Egoísmo]:

Se um contrato é quebrado pela decisão arbitrária de um homem, pode causar um prejuízo financeiro desastroso para o outro … Isso leva a uma das funções mais importantes e mais complexas do governo: à função de um árbitro que resolve as disputas entre os dois. homens de acordo com leis objetivas.

Em outras palavras, Rand claramente esperava que o governo desempenhasse um papel na manutenção da justiça nas transações de mercado, uma pedra angular do capitalismo laissez-faire:

Quando digo “capitalismo”, refiro-me a um capitalismo laissez-faire pleno, puro, descontrolado e desregulado – com uma separação de Estado e economia, da mesma forma e pelas mesmas razões que a separação entre Estado e Igreja.

O laissez-faire funciona? As economias americana e global ainda estão se recuperando de um dos seus maiores fracassos: o colapso econômico de 2008. Alan Greenspan, um admirador do Objetivismo e colaborador da reedição de 1986 de he Virtue of Selfishness [A Virtude do Egoísmo], atuou como Presidente do Federal Reserve de 1987 a 2006. Seu desprezo pela regulamentação é frequentemente citado como uma das principais causas da crise das hipotecas podres, que em 2008 provocou o pior colapso econômico desde a Grande Depressão. Em uma audiência no Congresso, ele admitiu ter cometido um erro ao assumir que as empresas financeiras poderiam se regular.

Críticos do laissez-faire surgiram desde o início e incluíram luminares como Thorstein Veblen, John Commons, Clarence E. Ayres e John Maynard Keynes dos séculos XIX e XX. Em 1885, economistas que se opunham ao laissez-faire formaram a American Economics Association. Críticos do laissez-faire argumentam que ele cria armadilhas da pobreza que as pessoas não podem escapar por livre escolha, e poder de monopólio que surge naturalmente no mercado e permite às empresas explorar consumidores e explorar a classe trabalhadora que empurra os salários para a subsistência e obriga os trabalhadores a trabalhar em condições severas e inseguras. Essas condições estão muito presentes na mente do público hoje, como é evidente na forte exposição que o senador Bernie Sanders desfrutou nas eleições primárias presidenciais de 2016 com sua plataforma política decididamente socialista.

No entanto, as encarnações de John Galt continuam a dominar a política econômica. Rick Santelli, da CNBC, um fã da Rand, declarou recentemente que “estamos agora vivendo em um mundo Atlas Shrugged [A Revolta de Atlas]”, no qual “aqueles que fizeram os trens rodarem a tempo” estão ficando “cansados”. Ele sugeriu o fechamento de Wall Street e empresas de energia por um dia para ver se as pessoas gostam. Como Galt, ele parece acreditar que os trabalhadores precisam de pessoas como ele mais do que pessoas como ele precisam de trabalhadores.

Em 2011, a senadora Elizabeth Warren eloquentemente respondeu a tais sentimentos:

Não há ninguém neste país que ficou rico por conta própria. Ninguém… Você construiu uma fábrica lá fora – bom para você. Mas quero ser clara. Você moveu suas mercadorias para o mercado em estradas que o resto de nós pagou. Você contratou trabalhadores que o resto de nós pagou para educar. Você estava seguro em sua fábrica por causa das forças policiais e bombeiros que o resto de nós pagou. Você não precisava se preocupar com o fato de saqueadores virem e levar tudo de sua fábrica… Agora olhe. Você construiu uma fábrica que se transformou em algo fantástico ou uma ótima idéia – Deus abençoe! Fique com um pedaço dele. Mas parte do contrato social subjacente é você pegar um pedaço disso e pagar para A PRÓXIMA CRIANÇA que aparecer.

O ponto de partida é o seguinte: os anais da história mostram que, mesmo que alguém seja talentoso o bastante para criar uma enorme riqueza, monopolizar essa riqueza para si mesmo é um curso perigoso de ação. Ou, como diz o bilionário Nick Hanauer: “Cuidado, colegas plutocratas: os forcados estão chegando”. A riqueza nunca é criada em um vácuo social. Você pode ter a genialidade de projetar uma ratoeira melhor, mas você inevitavelmente dependerá do trabalho de outras pessoas para implementar e distribuir seus produtos e a renda de outros para que eles possam comprar seu produto. A indústria automobilística precisa de mais do que alguns bilionários para comprar seus carros, a fim de permanecer no negócio. O setor financeiro precisa de funcionários com renda excedente para comprar seus produtos de investimento. Simplificando, a riqueza deve ser distribuída para manter as rodas do comércio girando.

CONTINUAR LENDO