A vítima mais antiga da peste conhecida foi descoberta. É de 4.000 anos antes da Peste Negra

0
149
Crânio parcial da vítima da peste da Idade da Pedra, enterrada na Letônia. Créditos: Dominik Göldner / BGAEU, Berlim.

Por Aylin Woodward
Publicado no Business Insider

Cinco mil anos atrás, um roedor mordeu um caçador-coletor da Idade da Pedra. A criatura carregava uma cepa de bactéria perniciosa chamada Yersinia pestis – o patógeno que causou a Peste Negra, ou peste bubônica, no século 13.

A bactéria provavelmente matou o homem da Idade da Pedra, que morreu na casa dos 20 anos, de acordo com um estudo publicado na terça-feira. É a cepa de peste mais antiga conhecida pela ciência até agora.

O genoma da cepa se assemelha muito à versão da peste que destruiu a Europa medieval mais de 4.000 anos depois, matando cerca de metade da população da região ao longo de sete anos. Mas estão faltando alguns genes-chave – principalmente, características que ajudaram a se espalhar.

A bactéria Yersinia pestis, causadora da peste bubônica, sob um microscópio. Crédito: NIAID.

Ao contrário de seus descendentes microbianos, a peste que adoeceu o antigo caçador era uma doença de movimento lento e não muito transmissível, de acordo com Ben Krause-Kyora, professor de análise de DNA antigo na Universidade de Quiel, na Alemanha.

“Faltavam os genes que permitiam a transmissão por pulgas”, disse Krause-Kyora, coautor do novo estudo, ao Insider. Durante a Peste Negra, picadas de pulgas e piolhos foram a principal fonte de infecções.

Portanto, nos milênios entre a morte do caçador-coletor e a Peste Negra, a bactéria Y. pestis sofreu uma mutação que lhe deu a capacidade de saltar entre as espécies por meio de pulgas.

“A mudança foi a principal força motriz de uma peste rápida e generalizada”, disse Krause-Kyora.

A obra ‘Carregando os Mortos’ mostra pessoas que morreram da Peste Negra nos anos 1300. Créditos: Jean-Pierre Moynet / Wikimedia.

Bactérias na corrente sanguínea

O caçador-coletor da Idade da Pedra morreu em uma região que hoje é a Letônia. Perto de seus ossos, arqueólogos e antropólogos também escavaram os restos mortais de outro homem, uma adolescente e um recém-nascido, mas nenhum havia sido infectado.

O grupo de Krause-Kyora não tinha ido à procura de vítimas da peste ancestral – em vez disso, eles queriam ver se as quatro pessoas enterradas eram parentes. Mas antes de concluir a análise genética planejada, a equipe examinou o DNA antigo extraído dos ossos e dentes em busca de traços de patógenos. Foi assim que encontraram a bactéria.

Os pesquisadores então compararam o genoma da bactéria com outras cepas de peste antigas. Um estudo anterior descreveu outras cepas com cerca de 5.000 anos, mas Krause-Kyora disse que esta em particular é algumas centenas de anos mais antiga. Portanto, sua equipe concluiu que era a versão mais antiga conhecida de Y. pestis.

O DNA do caçador-coletor também mostrou que ele tinha uma grande quantidade de bactérias em seu corpo, o que sugere que ele morreu por causa disso. O local de seu túmulo indicava que outros membros de seu grupo o enterraram meticulosamente, de acordo com o estudo.

Crânio parcial de um homem que morreu de peste, 5.000 anos atrás. Créditos: Dominik Göldner / BGAEU, Berlim.

“É difícil dizer se ele morreu rapidamente”, disse Krause-Kyora, acrescentando, “pelo número de bactérias presentes, parece que ele sobreviveu a uma dose maior e viveu um tempo ou mesmo de forma mais crônica com ela.”

A peste pode assumir três formas. A bubônica é o tipo que devastou a Europa e deixou as vítimas com nódulos linfáticos inchados e doloridos. A septicêmica refere-se a infecções em que a bactéria entra na corrente sanguínea e a pele do paciente fica preta e morre. A peste pneumônica, por sua vez, pode causar insuficiência respiratória.

Krause-Kyora acha que o antigo caçador teve peste septicêmica, o que pode explicar por que nenhum outro membro de seu pequeno grupo contraiu a doença.

“Eles teriam que ter contato direto com seu sangue”, disse ele – ou outro roedor infectado teria que mordê-los.

A mandíbula do caçador-coletor da Idade da Pedra. Créditos: Dominik Göldner / BGAEU, Berlim.

Uma praga em evolução

A peste é principalmente zoonótica, o que significa que salta de hospedeiros animais para humanos.

Krause-Kyora disse que o caso do caçador-coletor pode mostrar aos epidemiologistas como os patógenos zoonóticos – como o Ebola, a gripe suína e (muito provavelmente) o novo coronavírus – mudam com o tempo.

“Nós realmente temos que pensar sobre como a evolução dos eventos zoonóticos pode levar milhares de anos”, disse ele.

Durante a época em que viveu o homem da Idade da Pedra, a peste não causou surtos generalizados. Y. pestis aparecia aqui e ali em grupos de caçadores-coletores, fazendeiros e nômades em toda a Eurásia, mas nunca houve um evento no nível da Peste Negra.

“A descoberta confirma que as primeiras cepas estão associadas a surtos esporádicos que não se espalharam muito”, disse Krause-Kyora.

O que mudou na época medieval, sugere ele, é que as pessoas começaram a viver em comunidades maiores e mais próximas. Essa mudança pode ter influenciado a evolução que levou a peste a viver em pulgas – que picam as pessoas com mais facilidade.

“São as bactérias se adaptando à densidade populacional”, disse Krause-Kyora.