As leis de Einstein apoiam a existência de fantasmas?

Crédito: Getty Images.

Por Benjamin Radford
Publicado na Skeptical Inquirer

Pergunta: Com relação aos fantasmas, na física, a lei de conservação de energia de Einstein afirma que a energia não é criada e nem destruída, mas muda de forma ou move-se de um lugar para outro. Então, para onde vai a energia da nossa vida depois que morremos?

Resposta: Em meus anos de pesquisa sobre fantasmas, ocasionalmente, deparei-me com a ideia de que as leis da física, de alguma forma, apoiam a ideia de fantasmas. Com base em meus conhecimentos básicos de física, a afirmação pareceria absurda, mas fiquei surpreso ao vê-la difundida. Em uma busca no Google em outubro de 2011, cerca de 8 milhões de resultados apareceram sugerindo uma relação entre fantasmas e a lei de conservação de energia de Einstein.

Na verdade, uma vez comecei a procurar referências para essa afirmação peculiar. Eu encontrei em todos os lugares. Um livro, Hoosier Hauntings, observou que “a ciência, recentemente, mostrou-nos que todos nós, jovens e idosos, emitimos um campo eletromagnético, uma carga de energia… Essas câmaras de energia precisam… dos receptores corretos, assim como as pessoas que aprenderam a sintonizar com essas descargas [por exemplo, médiuns ‘sensitivos’ e caçadores de fantasmas]… Muitos locais assombrados… podem desempenhar um papel na descarga correta, armazenamento e, eventualmente, transferência de energia eletromagnética para uma pessoa sensitiva” (MacRorie, 1997). O autor oferece a seguinte teoria da origem dos fantasmas baseada em “princípios químicos e elétricos conhecidos e comprovados”: “O ato físico de viver… gera e emite radiação eletroquímica, ou talvez eletromagnética, a qual é bastante poderosa e leva séculos para se dissipar” (MacRorie, 1997, 10). Assim, diz-se que os fantasmas são radiação eletroquímica ou eletromagnética.

Um grupo de caçadores, a Sociedade Paranormal de Grande Maryland (2011), afirma que “Albert Einstein, uma das maiores mentes que o mundo já conheceu, ensinou-nos que a energia não pode ser criada ou destruída. Só pode ser transformada de uma forma de energia para outra. Isso significa que não importa o que tenha sido feito, a energia não pode ser destruída. Então, o que acontece com a energia elétrica que flui em nosso cérebro? Ela pode apenas desaparecer ou desvanecer. Isso violaria as leis da ciência. Essa energia ainda tem que estar em algum lugar, só que foi transformada em uma forma diferente de energia. O que ocorre com a energia é realmente determinado pela fé pessoal”.

Com lógica distorcida e fascinante, esse escritor sugere que fantasmas não existentes podem violar “as leis da ciência”, apesar de afirmar que o que acontece com a energia do corpo não é ditado pelas leis da física, mas por as crenças pessoais da pessoa morta. Na ciência, é claro, as leis da física se aplicam igualmente a tudo. De acordo com essa visão dos caçadores de fantasmas, as leis da física diferem de acordo com os caprichos pessoais ou religiosos dos mortos.

Em seu livro Caçadores de Fantasmas (Ghosthunters), John Kachuba escreve: “Não tenho ideia se Albert Einstein acreditava ou não em fantasmas, mas algumas de suas teorias no reino da física poderiam sustentar sua existência. Einstein provou que toda a energia do universo é constante e que não pode ser criada ou destruída… Então, o que acontece com essa energia quando morremos? Se não pode ser destruída, então, de acordo com o Dr. Einstein, deve ser transformada em outra forma de energia. Qual é essa nova energia? Podemos dizer que essa nova criação é um fantasma?”. Kachuba continua confundindo a energia baseada na física, que Einstein descreveu, com algum tipo de “energia” emocional ou espiritual desconhecida pela ciência: “E a energia que constitui nosso espírito, nossa essência espiritual? O que acontece com ela?” (Kachuba, 2007, 23).

Jeff Belanger, fundador do popular site The Investigation, afirma que “às vezes, a ciência, involuntariamente, apoia o sobrenatural sem saber. Por exemplo, outra lei do universo com a qual muitos de nós concordamos é que a matéria não pode ser criada ou destruída. Se você acha que isso é verdade, significa que cada um de nós sempre existiu e sempre existirá. A questão é de que forma iremos existir” (Belanger, 2003).

O site de um grupo de caçadores de fantasmas, chamado Tricounty Paranormal (que “emprega uma abordagem totalmente científica”), pergunta: “Quando estamos vivos, temos energia elétrica em nossos corpos… O que ocorre com a energia que estava em nosso corpo, causando o batimento cardíaco e tornando a respiração possível? Não há uma resposta fácil para isso”.

Na verdade, a resposta é muito simples: a energia do corpo humano, após a morte, vai para onde vai a energia de todos os organismos após a morte: o ambiente. Quando comemos plantas e animais mortos, estamos consumindo sua energia e a convertendo para nosso próprio uso. Quando um ser humano morre, a energia armazenada em seu corpo é liberada na forma de calor e transferida para os animais que nos comem (por exemplo, animais selvagens, caso não nos enterrem, ou vermes e bactérias, caso nos sepultem) e as plantas que nos absorvem. Se formos cremados, a energia em nossos corpos é liberada na forma de calor e luz (para saber mais sobre energia, consulte textos científicos básicos, como a Breve Enciclopédia de Ciência Van Nostrand ou a Enciclopédia de Ciência QPB (Van Nostrand’s Concise Encyclopedia of Science ou a QPB Science Encyclopedia). Além disso, embora Einstein esteja amplamente associado ao princípio da conservação de energia, foram outros cientistas (Karl Friedrich Mohr e William Robert Grove) que o propuseram.

Boyce Rensberger, em seu livro How The World Works (Como o Mundo Funciona), explica que “Qualquer forma de energia pode ser convertida em qualquer outra. Por exemplo, a energia química contida nas moléculas de alimentos pode ser liberada por células vivas para mover os músculos, e a energia química nas moléculas de petróleo pode ser liberada pela combustão para mover veículos. Em um sentido amplo, a energia nunca é desperdiçada. Ela apenas se converte de uma forma para outra” (Rensberger, 1986).

Animais, incluindo humanos, consomem energia dos alimentos. Esses alimentos são metabolizados ao serem digeridos, e as reações químicas liberam a energia de que o animal precisa para viver, mover, reproduzir, etc. Essa energia não existe na forma de uma bola brilhante ou fantasmagórica de energia eletromagnética, mas na forma de calor e energia química. O combustível com o qual você enche o tanque de nafta é feito da energia armazenada na matéria vegetal e animal que morreu há muitos milênios. A energia mudou de uma forma para outra sem gerar quaisquer entidades paranormais ou fantasmagóricas.

Os seres humanos e outros organismos geram correntes elétricas de baixo nível, que não são mais geradas quando o organismo morre. Como a fonte de alimentação acaba, a corrente elétrica faz o mesmo – como uma lâmpada que se apaga quando você liga o interruptor.

A ideia – popularmente aceita – de que a lei da conservação de energia apoia a existência de fantasmas é pura pseudociência e pensamento ilógico. Assim como os verdadeiros físicos quânticos reclamam quando ouvem videntes e místicos da Nova Era, como Deepak Chopra, fazendo citações erradas, cometendo erros e fazendo mau uso de certas frases e ideias tiradas do contexto da física quântica, os verdadeiros físicos negam balançando a cabeça quando ouvem declarações como essas, que contradizem a física do ensino médio. (Observe que o mau uso de termos e conceitos científicos, como “energia”, usados ​​por pseudocientistas do paranormal e da Nova Era já foi mencionado antes).

Em parte, os caçadores de fantasmas costumam levantar essa questão porque eles sugerem (falsamente) que o trabalho de Albert Einstein, um dos maiores cientistas de todos os tempos, oferece legitimidade científica aos fantasmas. (Os astrólogos também escolheram Sir Isaac Newton ao afirmar que ele apoiava a astrologia; ver “Isaac Newton, Astrologer?”, Skeptical Inquirer, setembro / outubro de 2005).

Curiosamente, essa base pseudocientífica também fornece uma (falsa) premissa para a ideia de que os fantasmas emitem, ou são compostos de, campos ou energia eletromagnética. Essa é, obviamente, a lógica por trás dos amplamente populares detectores de campo eletromagnético (EMF), que são usados ​​na TV e no trabalho de campo para procurar fantasmas. Esse é um exemplo perfeito da necessidade de pesquisa cética e pensamento crítico para examinar a validade de suas suposições, uma vez que a “energia” deixada por qualquer pessoa morta não está em uma forma que seja detectável com detectores EMF. Os caçadores de fantasmas, que repetem essa afirmação, não revelam nada sobre fantasmas, mas sobre sua ignorância do que é a ciência básica.

Referências

  • Belanger, Jeff. 2003. Message from the mayor. GhostVillage.com News. July 5, No. 23. Disponível em http://www.ghostvillage.com/newsletters/Jul05_03.htm.
  • Greater Maryland Paranormal Society. 2011. Página “Science and Ghost Hunting”. Disponível em http://www.greater-maryland-paranormal-society.com/scienceghosthunting.html.
  • Kachuba, John. 2007. Ghosthunters. Franklin Lakes, New Jersey: New Page Books.
  • MacRorie, M.T. 1997. Hoosier Hauntings. Grand Rapids, Michigan: Dickinson Press.
  • Radford, Benjamin. 2005. Isaac Newton, Astrologer? Skeptical Inquirer, September/October, 25(5): 24.
  • Rensberger, Boyce. 1986. How the World Works. New York: William Morrow.