Certificação em técnicas de quiropraxia: cuidado médico legítimo ou tolice?

A teoria da subluxação vertebral da quiropraxia se desenvolveu em uma variedade de métodos de diagnóstico e tratamento questionáveis. A certificação na utilização de uma técnica baseada em subluxação não oferece nenhuma garantia de que a técnica seja eficaz ou cientificamente razoável.

0
165
Crédito: Healthline.

Por Sam Homola
Publicado na Science-Based Medicine

Embora a manipulação da coluna às vezes possa ser útil no tratamento de dores mecânicas no pescoço e nas costas, o consenso científico não sustenta a teoria de que o ajuste das subluxações vertebrais restaurará e preservará a saúde. Não há nenhuma evidência confiável para indicar que a manipulação da coluna por qualquer motivo irá melhorar a saúde geral ou prevenir doenças:

“Não está claro por que alguns quiropráticos sentem a necessidade de estender o alcance de sua prática a áreas implausíveis, quando já tem muito trabalho a ser feito no campo músculo-esquelético”.

Embora uma subluxação ortopédica real possa causar sintomas musculoesqueléticos, não foi comprovada a existência de uma subluxação quiroprática que supostamente causa interferência no nervo que contribui para o desenvolvimento da doença. No entanto, a “indústria” da quiropraxia e os empreendedores da área da quiropraxia oferecem certificação ou validação de diploma para muitos métodos de tratamento com quiropraxia baseados na teoria da subluxação vertebral.

Ajustamento com ferramentas

A manipulação da coluna é normalmente um procedimento prático, usado como uma opção no tratamento de um problema músculo-esquelético. Quiropráticos que seguem a teoria da subluxação, no entanto, podem usar um martelo com mola ou movido a eletricidade para fazer o alinhamento das alegadas subluxações vertebrais como tratamento para qualquer doença que o paciente possa ter. Esse tratamento geralmente inclui uma verificação do comprimento “funcional” da perna para confirmar a presença ou a correção de uma subluxação vertebral ou um desequilíbrio pélvico – um procedimento que é tão questionável quanto a teoria subjacente à sua prática.

A manipulação espinhal genérica na forma de impulsos manuais de alta velocidade e baixa amplitude na coluna pode ser útil para aliviar a dor e restaurar a mobilidade nas costas e estruturas espinhais mecanicamente comprometidas, alongando os músculos e movendo as articulações da coluna para terminar a amplitude de movimento e tal. Mas o uso de um martelo para ajustar uma “subluxação” vertebral que pode ou não existir não pode substituir a terapia manipulativa personalizada para o paciente como um tratamento para problemas musculoesqueléticos.

Uma variedade de martelos (macetes) com mola ou movidos a eletricidade podem ser usados ​​na tentativa de corrigir subluxações vertebrais, reais ou imaginárias. Crédito: Science-Based Medicine.

Quando um ajustamento prático da coluna vertebral usado para corrigir uma suposta subluxação vertebral (como um tratamento para dor nas costas ou um problema de saúde) não pode ser feito devido a fatores de risco (como osteoporose) ou limitações do profissional, uma ferramenta de ajuste pode ser usado para satisfazer a demanda por um “ajustamento”. Alguns quiropráticos que se baseiam em subluxação usam ferramentas de ajuste exclusivamente, tratando cada paciente com um “clicker” e uma verificação do comprimento da perna.

Uma publicação de 2005 do National Board of Chiropractic Examiners relatou que 40,3% dos quiropráticos usaram uma ferramenta de ajuste (Christensen, 2005). A classificação de proficiência em ferramente de ajuste pode ser obtida por meio da aprovação em exames escritos e práticos após a participação em seminários oferecidos por empresas que produzem tais instrumentos.

Quiropraxia pediátrica

Talvez o aspecto mais flagrante do tratamento quiroprático baseado em subluxações seja o uso da manipulação espinhal em bebês, uma prática atualmente apoiada pela Associação Internacional de Quiropraxia e pela Associação Americana de Quiropraxia. Alguns quiropráticos acreditam que as vértebras do bebê são comumente subluxadas pelo processo de parto, especialmente a vértebra Atlas (parte superior do pescoço), causando uma variedade de doenças na infância. Não há evidência de que tais subluxações ocorram; se ocorrem, não deveriam ser sujeitas a manipulação.

O Conselho de Quiropraxia Pediátrica da Associação Americana de Quiropraxia apoia o tratamento quiroprático de bebês e crianças pré-adolescentes:

“Estudos estão começando a mostrar que a quiropraxia pode ajudar crianças não apenas com queixas musculoesqueléticas típicas, mas também com problemas somatoviscerais tão variados que abrangem asma, infecção de ouvido crônica, dificuldades de amamentação, cólicas e enurese noturna”.

O Conselho de Quiropraxia Pediátrica da Associação Internacional de Quiropraxia explica como o tratamento quiroprático ajudaria as crianças:

“O quiropraxista, por meio de um procedimento denominado ajustamento, ajuda a restaurar as vértebras desalinhadas a uma posição mais normal, permitindo que os nervos se comuniquem adequadamente com o resto do corpo e permitam que o corpo se cure – de forma segura e natural”.

Simplesmente não é possível detectar subluxações palpando a espinha cartilaginosa cobertura de gordura de um bebê ou de uma criança pequena. As “subluxações” localizadas pelo exame feito com as pontas do dedo no pescoço de um bebê são, sem dúvida, um produto da imaginação ou do engano. Alguns quiropráticos pediátricos apalpam e manipulam a coluna vertebral de um bebê logo após o nascimento para corrigir as subluxações – uma prática perigosa e desnecessária.

Os centros cartilaginosos de crescimento vertebral em crianças com menos de 8 a 10 anos de idade são mais vulneráveis ​​a lesões causadas pela manipulação da coluna vertebral (para não mencionar o risco de acidente vascular cerebral). Tal lesão pode não ser detectável e pode resultar em fraturas da placa do crescimento ou lesão da cartilagem epifisária que pode resultar em deformidades comuns na pré-adolescência como a escoliose ou a cifose de Scheuermann.

A imagem à esquerda mostra centros de ossificação cartilaginosos radiolúcidos na vértebra torácica de uma criança de 1 ano, em comparação com a vértebra torácica parcialmente ossificada de uma criança de 6 anos. Lesões causadas pela manipulação inadequada da coluna vertebral são mais prováveis ​​de ocorrer em crianças com menos de 6 a 8 anos de idade e podem não ser detectáveis. Crédito: Science-Based Medicine.

Quiropráticos pediátricos afirmam que a leve pressão com as pontas dos dedos usada para ajustar a coluna de um bebê não pode causar lesões. Qualquer pressão suficiente para mover as vértebras, no entanto, pode causar lesões ocultas nas vértebras parcialmente formadas de um bebê. Embora a maioria dos “ajustamentos” do bebê pareçam ser nada mais do que uma simulação inofensiva (talvez fornecendo o acalento do toque), uma infinidade de vídeos do YouTube que mostram quiropráticos manipulando as colunas de bebês revelam claramente o uso de técnicas que produzem movimentos extremos das vértebras com o sons de estalo causados ​​pela cavitação.

Não há nenhum benefício conhecido a ser obtido com a manipulação da coluna vertebral pouco desenvolvida de um bebê recém-nascido ou de uma criança. De acordo com os pontos de vista dos profissionais médicos, um neurocirurgião aconselhou que “complicações potenciais e benefícios desconhecidos indicam que a TME [terapia de manipulação espinhal] não deve ser usada na população pediátrica”.

Lesões em crianças como resultado de cuidados quiropráticos pediátricos podem não se limitar à coluna vertebral. Um estudo recente realizado por cirurgiões ortopédicos (discutido em junho de 2019 por Jann Bellamy da Science-Based Medicine) encontrou lesões relacionadas à quiropraxia envolvendo uma variedade de problemas ortopédicos, como displasia de quadril. “Atraso em encaminhamentos médicos, diagnósticos errados, eventos adversos da terapia manipulativa e tratamentos ineficazes” foram observados.

O treinamento e as qualificações para a designação de quiroprático pediátrico estão claramente longe de ser adequados. A Associação Internacional de Quiropraxia oferece um diploma de pós-graduação em Quiropraxia Clínica Pediatria (DIQCP). O plano de estudos do estudante é de 30 módulos e mais de 360 ​​horas de estudo em sala de aula durante os fins de semana. Não há treinamento no hospital e nenhum contato com crianças doentes ou feridas.

Técnica Webster

A técnica Webster, um ramo da quiropraxia pediátrica, é um método de ajustar as articulações sacroilíacas para garantir o parto normal de um bebê, uma técnica que afirma ser capaz de virar um bebê pélvico no útero. De acordo com a Associação Internacional de Quiropraxia Pediátrica:

“A Técnica Webster é uma análise quiroprática específica para a região sacral, com um ajustamento diversificado. O objetivo do ajuste é reduzir os efeitos da subluxação sacral/disfunção da articulação sacroilíaca… A subluxação sacral pode contribuir para um trabalho complicado de parto para a mãe (isto é, distocia) causada por disfunção uterina inadequada, contração pélvica e mal-apresentação pélvica do bebê. A correção da subluxação sacral pode ter um efeito positivo em todos esses casos de distocia”.

Embora as articulações sacroilíacas sejam rotineiramente “ajustadas” por praticantes da técnica Webster para corrigir uma “subluxação”, a subluxação sacroilíaca é rara. As articulações sacroilíacas são articulações sinoviais bem ajustadas e cheias de fibras, com superfícies articulares irregulares e interligadas que são unidas por ligamentos fortes e densos. Embora haja algum movimento nas articulações sacroilíacas, elas raramente ficam subluxadas (no sentido ortopédico), a menos que haja lesão ligamentar. A dor sacroilíaca é geralmente o resultado de tensão ou inflamação.

Articulações sacroilíacas bem ajustadas e interligadas são unidas por ligamentos fortes. Crédito: Gray’s Anatomy.

O nascimento de uma criança é facilitado pela produção de um hormônio denominado relaxina, que relaxa os ligamentos sacroilíacos e púbicos para permitir que o bebê passe pela pelve. Durante a gravidez e a recuperação pós-parto, os ligamentos sacroilíacos relaxados são mais vulneráveis ​​a tensões ou lesões, que podem ocorrer como resultado de uma manipulação sacroilíaca inadequada ou desnecessária.

Desafia a lógica supor que a manipulação de uma suposta subluxação sacroilíaca, ou bater em uma articulação sacroilíaca com um martelo com mola, pode ser uma maneira eficaz de virar um bebê pélvico no útero. Na maioria dos casos, um bebê vai se virar de uma posição pélvica a uma posição de vértex normal (cabeça para baixo) até o final do 8º mês de qualquer forma, proporcionando ao quiroprático a “prova” de que a técnica de Webster foi um tratamento eficaz.

A certificação na técnica de Webster requer participação em 14 seminários e participação em 2 projetos de pesquisa. A instrução avançada para um diploma em cuidados pré-natais (DICPN), concedida pelo Conselho Acadêmico de Quiropraxia Pediátrica, requer 400 horas de instrução em sala de aula nos finais de semana – instrução que certamente não é adequada para diagnosticar e lidar com complicações potenciais da gravidez e do parto.

Técnicas da NUCCA

Embora muitos quiropráticos baseados em subluxação trabalham com o ajustamento das subluxações em todas as partes da coluna, manualmente ou com um instrumento, alguns quiropráticos se especializam no ajustamento da vértebra Atlas na parte superior da coluna. Esses quiropráticos, a maioria dos quais são membros da Associação Nacional de Quiropraxia da Região Cervical Superior (NUCCA, do inglês National Upper Cervical Chiropractic Association), acreditam que o desalinhamento do Atlas exerce pressão sobre o tronco cerebral e é responsável por subluxações do pescoço para baixo, causando uma gama de dores e doenças em humanos.

De acordo com a NUCCA:

“O foco do trabalho da NUCCA é a relação entre a coluna cervical superior (pescoço) e sua influência no sistema nervoso central e na função do tronco cerebral. É essa relação que afeta todos os aspectos da função humana, desde as sensações táteis nos dedos até a regulação dos hormônios, controle do movimento e a capacidade de ouvir, ver, pensar e respirar… A verificação da perna supina, que mostra a desigualdade no comprimento das pernas, é o padrão básico para determinar se você tem um desalinhamento cervical superior”.

técnica quiroprática cervical superior de Blair não requer um diagnóstico como pré-requisito para o tratamento:

“O objetivo da Técnica de Quiropraxia Cervical Superior de Blair não é diagnosticar ou tratar doenças ou condições, mas analisar e corrigir subluxações vertebrais de uma maneira adequada, precisa e específica para permitir que a inteligência corporal conserte, repare e mantenha a saúde interior”.

Um Certificado de Proficiência das técnicas da NUCCA requer instrução em seminário, testes em análise de raios-x e outros procedimentos para se especializar no dito “Complexo de Subluxação do Atlas” e se tornar membro na Associação Nacional de Quiropraxia da Região Cervical Superior. A conclusão do teste de “Nível Três” é necessária para ser Certificado pelo Conselho em técnicas da NUCCA. Os especialistas cervicais podem usar uma variedade de técnicas, como Técnica Blair da Região Cervical Superior, Ortogonal do Atlas (veja imagem abaixo) ou Manipulação HIO (hole-in-one).

Uma técnica ortogonal usa a “vibração do som de percussão” de uma ponteira médica para realinhar a vértebra Atlas. Crédito: Science-Based Medicine.

Nota: Embora a fixação do atlas (uma ocorrência rara) possa ocorrer e ser aliviada pela manipulação apropriada, o alinhamento de um Atlas móvel e desprendido (ou de qualquer vértebra) não pode ser alterado. Quando um atlas é movido por um “ajustamento”, ele sempre retorna ao seu local de repouso normal, conforme ditado por fatores anatômicos, como exemplo a configuração das superfícies articulares. Não há nenhum fundamento científico ou justificativa para a manipulação repetitiva do Atlas corrigir ou prevenir uma “subluxação”.

Deve-se notar ainda que as técnicas de manipulação cervical superior que forçam a rotação extrema do Atlas representam um risco de acidente vascular cerebral – embora raro – por lesão das artérias vertebrais ou carótidas internas.

Cinesiologia aplicada

Internacional College of Applied Kinesiology (ICAK) afirma que:

“A Cinesiologia Aplicada (CA) é um sistema que avalia os aspectos estruturais, químicos e mentais da saúde usando o teste muscular manual combinado com outros métodos padrão de diagnóstico”.

A cinesiologia aplicada, desenvolvida por um quiroprático, é uma técnica sem sentido usada para detectar e tratar problemas de saúde (e subluxações vertebrais que causam problemas de saúde) testando a força de certos músculos. A detecção e a cura de deficiências nutricionais e de alergias, por exemplo, podem supostamente ser feitas colocando uma substância na boca do paciente, em uma das mãos ou em algum lugar do corpo e, em seguida, testando a força muscular, na maioria das vezes aplicando pressão para baixo em um braço estendido. A fraqueza em um músculo deltoide indicaria a causa do problema, enquanto a força sugeriria a cura. A busca pela causa e pela cura de um problema de saúde em uma criança pode ser feita colocando a criança sobre o corpo da mãe e, em seguida, testando a força de certos músculos da mãe.

Testar a força do deltoide enquanto uma substância alimentar está na boca do sujeito pode ser usado para determinar se a substância é útil ou prejudicial ao corpo. Crédito: Science-Based Medicine.

O teste de fraqueza em um músculo que se acredita estar associado a uma doença em um órgão ou a uma subluxação que causa a doença é um procedimento arbitrário que pode ser influenciado por uma ideia preconcebida, pelo efeito ideomotor, pela má fé, por mudanças no impulso ou na pressão, pela distração ou pelo viés da avaliação do profissional.

Os quiropráticos podem obter um diploma em cinesiologia aplicada do International College of Applied Kinesiology, passando em um exame escrito após frequentar 300 horas de instrução, seguidas por 3 anos de prática de cinesiologia. A cinesiologia aplicada não é o mesmo que a ciência da cinesiologia (o estudo do movimento nos músculos).

Uma palavra final

Uma vez que a quiropraxia é definida como uma prática focada em subluxações vertebrais como causa de “função reduzida, deficiência ou doença” (Christensen. 2015), alegações questionáveis ​​feitas para métodos baseados na teoria quiroprática da subluxação permanecem incontestáveis ​​pela “indústria” da quiropraxia.

Infelizmente, a quiropraxia baseada na subluxação fornece um caminho simples para os verdadeiros crentes que foram doutrinados na teoria da subluxação vertebral; pode também proporcionar oportunidade para indivíduos que buscam por si mesmos renunciar ao rigorismo da ciência ao assumir a responsabilidade pelo cuidado dos enfermos e deficientes.

Desejo o melhor para os quiropráticos que rejeitam a teoria da subluxação vertebral e que seguem as diretrizes da ciência ao oferecer cuidados adequados para doenças músculo-esqueléticas.

Referências

  • Christensen MG, MW Kollasch, R Ward, et al. 2005. Job Analysis of Chiropractic. National Board of Chiropractic Examiners. Greeley, CO.
  • Christensen MG, JK Hyland, CM Goertz, et al. 2015. Practice Analysis of Chiropractic 2015. National Board of Chiropractic Examiners. Greeley, CO.

Texto original de Sam Homola

Samuel Homola é um quiroprático aposentado que tem expressado suas opiniões sobre os benefícios do uso apropriado da manipulação da coluna vertebral (em oposição ao uso de tal tratamento baseado na teoria de subluxação quiroprática) desde a publicação de seu livro Bonesetting, Chiropractic, and Cultism em 1963. Ele aposentou-se da quiropraxia em 1998. Seus 15 livros publicados incluem Inside Chiropractic, publicado pela Prometheus Books em 1999.