Como ler um artigo científico pra valer – Dicas para abordar um Paper

1
2367

Tradução de parte das entrevistas realizadas por Elisabeth Pain para a revista eletrônica Sicencemag.org (AAAS)

Elisabeth Pain perguntou a alguns cientistas em diferentes fases da carreira como eles leem um paper pra valer. Embora esteja claro que a leitura de artigos científicos se torna mais fácil com a experiência, os obstáculos são reais, e cabe aos cientistas identificar e aplicar as técnicas que funcionam melhor para eles. As respostas foram editadas para maior clareza e concisão.

Como você aborda a leitura de um Journal?

  • “Eu começo pelo o resumo. Então, passo levemente sobre a introdução e folheio o artigo para olhar os números. Tento identificar os mais proeminentes, e uma ou duas figuras, para eu realmente ter certeza que entendo o que está acontecendo neles. Então, eu leio a conclusão e o resumo. Só depois disso que eu vou voltar para os detalhes técnicos para esclarecer qualquer dúvida que possa ter.”
– Jesse Shanahan, candidata ao mestrado em astronomia na Universidade de Wesleyan, em Middletown, Connecticut
  • “Eu primeiro tiro uma idéia geral pela leitura do resumo e conclusões. As conclusões me ajudam a entender se o objetivo apresentados no resumo foi atingido, e se o trabalho descrito pode ser de interesse para o meu próprio estudo. Eu também sempre olho para figuras: elas me ajudam a obter a primeira impressão de um paper. Então, eu costumo ler o artigo inteiro do começo ao fim, passando pelas seções na ordem em que aparecem para que eu possa seguir o fluxo de trabalho que os autores querem comunicar. Se você quer  fazer da leitura um exercício produtivo, você precisa ter uma idéia clara de qual o tipo de informação que você precisa, e depois se concentrar sobre esse aspecto. Pode ser para comparar seus resultados com os apresentados pelos autores, colocar a sua própria análise no contexto, ou estendê-la usando os dados recém-publicados. As citações podem  ajudar a decidir qual o paper mais relevante para você, indicando como os colegas que fazem pesquisas semelhantes usaram a referência no paper deles.”
– Cecilia Tubiana, cientista do Instituto Max Planck de Pesquisa do Sistema Solar inGöttingen, Alemanha
  • “Quando eu quero obter  apenas os pontos principais, eu leio o resumo, abordo os números, e faço uma varredura na discussão em busca de pontos importantes. Eu acho que os números são a parte mais importante do paper, porque o resumo e corpo podem ser manipulados de modo a contar uma história convincente. Depois de tudo isso, se algo ainda não estiver claro, então eu passo para a metodologia. Se eu quiser aprofundar o paper, eu normalmente o leio na íntegra e também leio alguns dos trabalhos anteriores em que o grupo se apoiou,  ou outros artigos sobre o mesmo tema. Se há uma referência depois de uma declaração que eu acho particularmente interessante ou controversa, eu também a procuro. Se ainda assim eu precisar de mais detalhes, então acesso os repositórios de dados fornecidos ou as informações suplementares. Finalmente, se a pesquisa dos autores é parecida com a minha, eu vejo se os dados relevantes correspondem com os meus, ou se há  alguma inconsistência. Se houver, eu penso sobre o que poderia estar os causando. Além disso, eu penso sobre o que aconteceria em nosso modelo se usássemos os mesmos métodos que eles fizeram e o que poderíamos aprender com isso. Às vezes, também é importante prestar atenção às razões pelas quais os autores decidiram realizar um experimento de uma certa maneira. Quando os autores utilizam um teste obscuro em vez de um ensaio de rotina, por que eles fazem isso?”
– Jeremy C. Borniger, doutorando em neurociência na Ohio State University, Columbus
  • “Começo com o título e resumo pra saber se é ou não é um artigo que eu estou interessado, e se eu vou ser realmente capaz de compreendê-lo, tanto cientificamente quanto linguisticamente. Leio figuras e tabelas, e então leio  a discussão para ter uma idéia de como o paper  se encaixa no corpo geral do conhecimento. Eu presto atenção ao reconhecimento de limitações e inferências adequadas aos dados. Algumas pessoas esticam as reivindicações mais do que outros, o que pode ser uma bandeira vermelha para mim. Certifico-me se o estudo é adequado para realmente testar as hipóteses que estão sendo examinadas. Também considero quais peças se encaixam com as minhas hipóteses pré-existentes”
  Kevin Boehnke, doutorando em ciências da saúde ambiental na Universidade de Michigan, Ann Arbor

O que você faz quando há algo que você não entende?

  • “Eu gosto de ler on-line para que eu possa facilmente copiar e colar palavras que não conheço em um navegador para verificar o que eles significam.”
– Marcia K. McNutt, Editor-in-Chief, Science journals
  • “Se forem poucas coisas no artigo, eu faço uma nota para procurar mais tarde. Se eu estou realmente lutando para avançar no paper, eu tento procurar um artigo de revisão ou um capítulo de livro para me dar a base necessária para prosseguir. Além disso, há um monte de siglas e jargões que podem ser específicos de subcampo, então eu geralmente não percorro os detalhes a menos que seja por minha própria pesquisa.”
– Jesse Shanahan, candidata ao mestrado em astronomia na Universidade de Wesleyan, em Middletown, Connecticut
  • “Eu faço uma pausa imediatamente para procurar coisas que eu não entendo. O resto da leitura pode não fazer sentido se eu não entender uma palavra-chave ou outros jargões. Isso pode ser divertido , pois você aprende como tudo está conectado, mas se gastar muito tempo com isso sua atenção pode ir pra longe da tarefa em questão.”
– Jeremy C. Borniger, doutorando em neurociência na Ohio State University, Columbus
  • “Depende de quantos bits não-compreensíveis me impedem de seguir as idéias principais. Eu normalmente não tento entender todos os detalhes em todas as seções da primeira vez que leio um artigo. Se as peças não-compreensíveis parecem importantes para minha pesquisa, eu tento pedir aos colegas ou entro em contato com o autor diretamente. Voltar às referências originais para obter toda a informação de fundo é o último recurso, porque o tempo pode ser limitado Colaborações, e contatos pessoais podem ser muito mais eficientes na resolução de problemas específicos.”
– Cecilia Tubiana, cientista do Instituto Max Planck de Pesquisa do Sistema Solar inGöttingen, Alemanha
CONTINUAR LENDO