Estigmas: fato ou mito?

Na foto, Padre Pio mostra seus estigmas.

Por Benjamin Radford
Publicado na Live Science

As pessoas que têm estigmas exibem feridas ou queimaduras que geralmente representam um dos cinco pontos do corpo, como pés, pulsos e tórax, dos quais teriam sido pregados para sustentar o corpo de Jesus Cristo na cruz.

Em conjunto com a possessão e o exorcismo, os estigmas geralmente aparecem nos filmes de terror, e não é difícil perceber o porquê: feridas com sangue que misteriosamente e espontaneamente se abrem são aterrorizantes. No entanto, os estigmatizados, que são tipicamente católicos romanos devotos, não veem sua aflição como uma ameaça aterrorizante, mas como uma bênção milagrosa – um sinal de que eles foram especialmente escolhidos por Deus para sofrer as mesmas feridas que seu filho sofreu.

Curiosamente, não há casos conhecidos de estigma nos primeiros 1200 anos após a morte de Cristo. A primeira pessoa que se diz sofrer de estigmas foi São Francisco de Assis (1182-1226) – e houve cerca de 30 pessoas ao longo da história, a maioria mulheres.

Padre Pio

O estigmatizado mais famoso da história foi Francesco Forgione (1887-1968), mais conhecido como Padre Pio, ou Pio de Pietrelcina. O santo italiano mais amado do século passado, Padre Pio começou a perceber feridas vermelhas aparecendo em suas mãos em 1910, e o fenômeno progrediu até que ele experimentou estigmas completos em 1918, enquanto rezava diante de um crucifixo na capela de seu mosteiro.

Dizia-se que Padre Pio era capaz de voar e também de bilocar (estar em dois lugares ao mesmo tempo). Seus estigmas eram supostamente acompanhados de um perfume milagroso. O Reverendo Charles Mortimer Carty, em sua biografia de 1963 do santo, observou que [o perfume] cheirava a “violetas, lírios, rosas, incenso ou até tabaco fresco” e “sempre que alguém percebe o perfume, é um sinal de que Deus concede alguma graça através da intercessão do Padre Pio”.

O jornalista Sergio Lizzatto, em seu livro Padre Pio: Milagres e Política em uma Era Secular, explica o contexto social em que surgiram os estigmas de Padre Pio: “Nos primeiros anos do século XX, quando Padre Pio era seminarista, a Eucaristia – o corpo e o sangue de Cristo – estava no auge de sua importância na prática católica. A comunhão era celebrada com frequência e se tornou um fenômeno de massa. Ao mesmo tempo, o ascetismo era interpretado em termos cada vez mais físicos. A linguagem corporal – êxtase, levitação, estigmas – era considerada a única linguagem mística real”.

Os estigmas de Pio apareceram, argumenta Lizzatto, porque era exatamente isso que a Igreja e os seus seguidores esperavam que aparecessem em seus servos mais devotos: o verdadeiro tormento físico de Cristo visto sobre o mais santo dos homens.

Embora Padre Pio fosse amplamente amado, muitos não estavam convencidos de que as feridas do frade eram sobrenaturais. Entre os céticos estavam dois papas e o fundador da Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão, Agostino Gemelli, que examinou o Padre Pio e concluiu que o estigmatizado era um “psicopata automutilador”.

Ainda assim, Padre Pio recebeu muitos seguidores e foi canonizado pelo Papa João Paulo II em 2002. Embora Pio, que morreu em 1968, nunca tenha confessado a falsificação de seus estigmas, surgiram perguntas sobre sua honestidade quando foi revelado que ele havia copiado seus escritos sobre suas experiências de um estigmatizado anterior chamado Gemma Galgani. Ele alegou desconhecer o trabalho de Galgani e não conseguiu explicar como suas experiências supostamente pessoais haviam sido publicadas literalmente décadas antes por outra pessoa. Talvez, ele sugeriu, tenha sido um milagre.

Os estigmas são reais?

Então, os estigmas são reais, ou uma farsa, ou algo assim? O milagre alegado dos estigmas – como a inédia, que é a suposta possibilidade de sobreviver sem comer alimentos – é muito difícil de verificar através da ciência. O pesquisador veterano James Randi, em sua Enciclopédia de Alegações, Fraudes e Embustes do Oculto e do Sobrenatural, observa que “uma vez que seria necessária uma vigilância de vinte e quatro horas por dia para estabelecer a validade desses fenômenos como milagres, não existe nenhum caso de estigma que possa ser considerado livre de suspeita” e embora a possibilidade de um estigma genuíno nunca possa ser descartada, “é interessante notar que, em todos esses casos, as feridas aparecem nas palmas das mãos, que concorda com pinturas religiosas, mas não com a realidade das crucificações: as feridas deveriam aparecer nos pulsos”.

Se os estigmas são reais, não há explicação médica ou científica para isso. As feridas não aparecem repentinamente e espontaneamente no corpo das pessoas sem motivo. Algum instrumento específico (como faca ou navalha) sempre pode ser identificado como causador do trauma. Sem uma avaliação médica, é impossível distinguir uma ferida superficial menor (mas sangrenta) – que pode ser facilmente falsificada ou autoinfligida – de uma ferida de punção genuína, idêntica à que seria causada pela crucificação na Era Romana. Os raios X, que poderiam determinar definitivamente se uma ferida é superficial ou realmente profunda, nunca foram realizados para analisar os estigmas.

Não há fotografias, filmes ou vídeos de feridas aparecendo e começando a sangrar. Em vez disso, a evidência da existência de estigmas surge de testemunhas oculares (anedotas) que observam feridas que já estão sangrando e cuja origem deve explicar sua própria fé. Naturalmente, é considerado altamente desrespeitoso desafiar a honestidade e a integridade de uma pessoa que afirma (e parece) estar sofrendo as feridas de Cristo. Os estigmatizados parecem sinceros e quase certamente sentem alguma dor, mesmo que a ferida seja superficial. É preciso um cético corajoso para acusar um frade amado de fraude – mesmo que seja o que as evidências claramente mostram.

O fato de muitos fiéis sentirem conforto e inspiração nos ensinamentos da estigmatização também serve como um impedimento para levantar muitas perguntas. Mesmo aqueles com suspeitas legítimas podem preferir permanecer calados se isso ajudar a espalhar o evangelho e servir a um propósito maior. Até que uma pessoa que sofra de estigmas se permita ser submetida a uma investigação científica médica, o fenômeno continuará sendo um mito.