Triângulo das Bermudas: onde os fatos desaparecem

Por Benjamin Radford
Publicado na Live Science

O Triângulo das Bermudas (também conhecido como Triângulo do Diabo) é uma área delimitada por pontos em Bermudas, Flórida e Porto Rico, onde navios e aviões supostamente desaparecem no ar – ou nas profundezas do mar.

Recentemente, algumas pessoas perguntaram se havia uma conexão entre o Triângulo das Bermudas e o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines, que sumiu do outro lado do mundo.

O termo “Triângulo das Bermudas” foi cunhado em 1964 pelo escritor Vincent Gaddis na revista Argosy. Embora Gaddis tenha inventado o conceito, um nome muito mais famoso o levou à popularidade internacional uma década depois. Charles Berlitz, cuja família criou a série popular de cursos de ensino de idiomas, também tinha um forte interesse no paranormal. Ele acreditava não apenas que a Atlântida era real, mas também que estava ligada ao triângulo de alguma forma, uma hipótese que ele propôs em seu best-seller de 1974 O Triângulo das Bermudas. Desde então, o mistério foi promovido em milhares de livros, revistas, programas de televisão e websites.

Ao longo dos anos, muitas hipóteses foram oferecidas para explicar o mistério. Alguns escritores expandiram as ideias de Berlitz sobre a Atlântida, sugerindo que a cidade mítica pode estar no fundo do mar e utilizando suas supostas “energias de cristal” para afundar navios e derrubar aviões. Outras sugestões mais fantasiosas envolveram portais do tempo (o porquê uma fenda no tecido do espaço-tempo do universo se abriria nesse pedaço do oceano nunca foi explicado) e extraterrestres – incluindo rumores de bases alienígenas subaquáticas.

Outros ainda acreditam que a explicação está em algum tipo de atividade geológica ou hidrológica extremamente rara e pouco conhecida – mas perfeitamente natural. Por exemplo, talvez navios e aviões sejam destruídos por conhecidos bolsões de gás metano inflamável, que existem em grandes quantidades no fundo do mar – talvez um raio ou uma faísca elétrica tenha acionado uma enorme bolha de metano que chegou à superfície ao lado de um navio ou avião, fazendo com que afundem sem deixar vestígios. Há alguns problemas lógicos óbvios com essa hipótese, incluindo o fato de que o metano existe naturalmente em todo o mundo e não se conhece nenhum incidente que tenha ocorrido dessa forma.

Outros sugerem repentinos maremotos. Ou talvez alguma anomalia geomagnética misteriosa que crie problemas de navegação, confundindo os pilotos e fazendo com que eles mergulhem no oceano. Então, novamente, os pilotos são treinados para voar, mesmo com a perda da navegação eletrônica, e essa hipótese não explica o desaparecimento de navios. De fato, a Marinha tem uma página na web que desmascara essa ideia: “Foi afirmado incorretamente que o Triângulo das Bermudas é um dos dois lugares na Terra em que uma bússola magnética aponta para o verdadeiro norte. Normalmente, uma bússola aponta para o norte magnético. A diferença entre os dois é conhecida como variação da bússola… Embora no passado essa variação da bússola tenha sido afetada na região do Triângulo das Bermudas, devido a flutuações no campo magnético da Terra, aparentemente esse não é o caso desde o século XIX”.

O mistério dos fatos desaparecidos

Porém, antes de aceitarmos qualquer uma dessas explicações, um bom cético ou cientista deve fazer uma pergunta mais básica: há realmente algum mistério para explicar?

Um jornalista chamado Larry Kusche fez exatamente essa pergunta e chegou a uma resposta surpreendente: não há nenhum mistério sobre estranhos desaparecimentos no Triângulo das Bermudas. Kusche reexaminou exaustivamente os relatos “misteriosos de desaparecimento” e descobriu que a história era basicamente criada com erros, falsificações e, em alguns casos, fabricações intencionais – todas as informações eram repassadas ​​como se fossem verdadeiras.

Em seu livro definitivo O Mistério do Triângulo das Bermudas – Resolvido, Kusche observa que poucos escritores sobre o assunto se preocuparam em fazer uma investigação real – eles geralmente coletavam e repetiam informações de outros escritores anteriores que haviam feito o mesmo. Infelizmente, a habilidade de Charles Berlitz com a linguagem não traduziu em alto nível de rigor metodológico para que ele fizesse uma pesquisa ou estudo de campo com credibilidade. Seus livros sobre o paranormal – e o Triângulo das Bermudas, especificamente – estavam repletos de erros, fraudes e hipóteses não científicas sobre o funcionamento de manivelas. De certa forma, o Triângulo das Bermudas é, em grande parte, uma criação dos erros de Charles Berlitz. Kusche notaria mais tarde que a pesquisa de Berlitz era tão superficial que “se Berlitz reportasse que um barco era vermelho, a chance de ser de outra cor era quase certa”.

Em alguns casos, não há nenhum registro de navios e aviões terem sido perdidos no cemitério triangular aquático. Eles nunca existiram fora da imaginação de um escritor. Em outros casos, navios e aviões eram reais o suficiente – mas Berlitz e outros deixaram de mencionar que “misteriosamente desapareceram” durante tempestades violentas. Outras vezes, os navios afundaram bem longe do Triângulo das Bermudas.

Também é importante observar que a área dentro do Triângulo das Bermudas é constantemente percorrida com navios de cruzeiro e carga. Logicamente, apenas por acaso, mais navios afundam lá do que em áreas menos percorridas, como o Pacífico Sul.

Apesar do fato de que o Triângulo das Bermudas foi definitivamente desmascarado há décadas, ele ainda aparece como um “mistério não resolvido” em livros mais novos – principalmente por autores mais interessados ​​em uma história fantasiosa do que nos fatos. Por fim, não há necessidade de invocar portais do tempo, Atlântida, bases submersas de OVNIs, anomalias geomagnéticas, maremotos ou qualquer outra coisa. O mistério do Triângulo das Bermudas tem uma explicação muito mais simples: pesquisas desleixadas e exageradas, livros pseudocientíficos que relatam tudo como um grande mistério.

CONTINUAR LENDO