Os mitos relacionados a Albert Einstein

0
545

Por April Daley
Publicado no Mental Floss

Durante seus 76 anos, Albert Einstein foi muitas coisas. Um poeta romântico, um pescador ávido, um violinista treinado, o inventor de uma blusa muito fashion – e, é claro, o gênio notável por trás de um dos pilares da física moderna, a Teoria da Relatividade Geral. Mas, às vezes, a lenda era maior que o homem real. Aqui estão dez dos mais comuns mitos relacionados à vida e ao legado de um dos maiores gênios da história da humanidade.

1. Ele era um estudante ruim.

Embora os pais do prodígio nascido na Alemanha tenham ficado preocupados com o fato de que ele não começou a falar até os 2 anos de idade, ele continuou a usar suas palavras (e seus números) com muita sabedoria na sala de aula. Na verdade, ele se formou no ensino médio sendo um dos destaques da sua turma. Então, por que muitos biógrafos afirmam que ele era um aluno tão ruim? Houve uma mudança confusa no sistema de notas da Aargau Cantonal School. (Ele terminou o ensino médio na academia suíça depois de deixar sua escola em Munique aos 15 anos com a ajuda de uma nota médica citando um “colapso nervoso”.) No primeiro semestre, um “1” foi a melhor nota possível, mas no segundo semestre, a escala mudou e “1” tornou-se a nota mais baixa. Einstein ganhou “uns” em matemática e física no primeiro semestre e seis no segundo.

Ele também falhou em seu exame de admissão para a Escola Politécnica Federal Suíça, embora os historiadores notem que Einstein fez o exame dois anos mais cedo do que a maioria dos estudantes, e foi testado em história suíça, algo que a escola secundária alemã que frequentou não tinha lhe preparado. Ainda assim, “seu desempenho no exame de admissão para o departamento de engenharia foi bom o suficiente para que, se ele tivesse ficado em Zurique em vez de ir para Aargau, o professor de física teria permitido que ele auditasse seus cursos, apesar da idade”, de acordo com a An Einstein Encyclopedia.

Para mais informações, acesse o artigo “É verdade que Einstein era um péssimo aluno na escola?”.

2. Ele tinha a síndrome de Asperger.

O intelectual valorizava sua solidão e muitas vezes era caracterizado como rude e insensível, o que provavelmente levou alguns a diagnosticá-lo retrospectivamente com o distúrbio. Mas Einstein não parecia ter dificuldade com interações sociais ou em se comunicar com os outros e não possuía muitos dos outros sintomas. Ele viajou por quatro continentes de abril de 1921 a abril de 1925 e manteve diários de viagem detalhando todas as pessoas que conheceu e com quem se conectou. Ele também estabeleceu relações estreitas com muitos médicos e nenhum dos quais sugeriu que o amigo tivesse problemas com a comunicação.

3. Ele optou por ser um vegetariano.

Einstein foi atormentado por muitos problemas digestivos antes dos 50 anos, incluindo úlceras estomacais, icterícia, inflamação da vesícula biliar e dores intestinais. Por causa de suas doenças, seu médico o aconselhou a não comer carne. Com o tempo, as pessoas começaram a dizer que ele havia escolhido se tornar vegetariano. Embora Einstein admitisse que se sentia culpado nas raras ocasiões em que jantava carne e que concordava amplamente com o argumento moral do vegetarianismo, suas restrições alimentares não eram de sua escolha.

4. Ele foi diretamente responsável pela criação da bomba atômica.

Embora suas teorias de 1905 tenham impactado o desenvolvimento da arma nuclear, que mais tarde seria usada na Segunda Guerra Mundial, Einstein não foi diretamente responsável pela bomba atômica. Ele assinou uma carta famosa a Franklin D. Roosevelt, implorando que o país acelerasse o trabalho no desenvolvimento de dispositivos nucleares para ficar à frente da Alemanha (Leó Szilárd foi o autor da carta), mas o pacifista comprometido não tinha as devidas autorizações de segurança e não estava a par do funcionamento interno do Projeto Manhattan. Ele escreveu em uma carta ao editor da revista japonesa Kaizō, dizendo: “Eu estava ciente do terrível perigo que ameaçaria a humanidade se as experiências tivessem êxito. No entanto, senti-me compelido a dar o passo, porque parecia provável que os alemães estivessem trabalhando no mesmo problema com todas as perspectivas de sucesso”.

5. Ele era canhoto.

Há muitas vantagens em ser um canhoto, mas o vencedor do Prêmio Nobel não teve nenhuma delas. Apesar de muitas vezes ser citado como um exemplo de canhoto famoso (provavelmente devido à associação errônea de que escrever com essa mão é um sinal de genialidade), ele segurava a caneta e o arco de violino com a mão direita. De fato, existem várias fotos em que ele está apontando e escrevendo no quadro-negro com a mão direita, como mostrado acima.

6. Sua primeira esposa compartilhou o crédito por suas descobertas mais famosas.

Não há evidências documentadas de que a primeira esposa de Einstein, Mileva Marić, tenha contribuído diretamente para seu currículo impressionante, além de ouvir suas ideias e revisar seus trabalhos. Embora Einstein tenha escrito a Marić em 1901, “Quão feliz e orgulhoso ficarei quando nós dois juntos levarmos nosso trabalho sobre movimento relativo a um final triunfante!” ele não produziu a famosa teoria até quatro anos depois. Quando ele trocou Mileva pela sua segunda esposa (e prima) Elsa em 1919, não houve crédito ou menção à Mileva como colaboradora nas suas descobertas.

7. Ele era apenas um físico teórico.

Einstein encontrou prazer – e algum sucesso – em mais do que apenas física teórica. Ele também foi um inventor. De 1902 a 1909, o cientista trabalhou no Escritório de Patentes da Suíça. Na verdade, ele era frequentemente usado como testemunha especializada em testes de patente na época. Isso pode ter inspirado um interesse em patentes ao longo da sua vida. Ele se candidataria a ser dono de cerca de 50 patentes em pelo menos sete países. Os dispositivos incluíam uma câmera autoajustável, um aparelho de som eletromagnético e sua ideia mais conhecida: um refrigerador silencioso, energeticamente eficiente e ecológico.

8. Ele evitou a política.

Einstein foi um dos cientistas mais francos do seu tempo. Embora ele nunca tenha ingressado em um partido político oficial, ele recebeu um convite para ser presidente de Israel (mas recusou o cargo). E ele frequentemente tomava posições impopulares e falava em nome dos oprimidos. Ele defendeu os direitos dos afro-americanos, por exemplo, e elogiou suas contribuições à cultura americana. Em um discurso que ele proferiu na Universidade Lincoln da Pensilvânia, em 1946, o físico chamou a segregação de “uma doença dos brancos”, jurando que “não pretendia ficar calado sobre isso”.

9. Ele não fez contribuições significativas para a ciência depois de 1925.

O escritório de Albert Einstein em 1955.

O mais conhecido biógrafo de Einstein, Abraham Pais, observou que o cientista “poderia muito bem ter ido pescar” em vez de continuar sua pesquisa em física depois de 1925. É verdade que Einstein havia atingido esse ponto na sua carreira. No entanto, ele também aumentou significativamente a pesquisa sobre relatividade geral, incluindo o primeiro artigo sobre lentes gravitacionais e seu artigo sobre buracos de minhoca, na década de 1930. E seu legado continuou vivo – seus assistentes acabariam moldando alguns dos grupos de pesquisa mais importantes da era pós-guerra.

10. Ele era uma das 10 ou 12 pessoas que entendiam a Teoria da Relatividade.

Cansado de ser questionado sobre essa ideia, Einstein disse ao Chicago Daily Tribune em maio de 1921: “É um absurdo. Qualquer pessoa que tenha treinamento suficiente em ciência pode entender prontamente a teoria. Não há nada de surpreendente ou misterioso nisso. É muito simples para mentes treinadas nessa linha, e há muitas delas nos Estados Unidos”. Hoje, vários especialistas assumiram o desafio de decodificar a teoria complexa e conseguiram.