Qual é a sensação de morrer?

0
152
Créditos: Peter Dazeley / The Image Bank / Getty Images.

Por Harriet Hall
Publicado na SkepDoc

Todos nós vamos morrer. Qual é a sensação de morrer? Não podemos realmente saber já que ninguém voltou depois da morte para nos contar. Para aqueles que morrem repentinamente (por exemplo, de um tiro fatal na cabeça), provavelmente não há tempo para sentir nada. Mas 90% das pessoas morrem lentamente de uma doença fatal. O que podemos esperar que aconteça durante os dias, meses ou mesmo anos entre o diagnóstico e a partida? Em seu livro What Does It Feel Like to Die? Inspiring New Insights into the Experience of Dying (tradução livre: Qual a sensação de morrer? Inspirando novas perspectivas sobre a experiência da morte) Jennie Dear compila e comenta pesquisas e observações recentes sobre essa fase e tempera seu relato com anedotas de suas experiências como voluntária de hospício e como cuidadora de sua mãe no leito do morte. Compreender essas informações pode nos ajudar a nos preparar para nossa própria morte e pode sugerir estratégias de enfrentamento.

As representações da morte na TV e no cinema não são realistas; os personagens estão acordados e têm conversas significativas, então de repente fecham os olhos e morrem. Não é assim que funciona. Nos dias em que as mortes ocorreram em casa, a maioria das pessoas viu um parente morrer. E hoje temos muito conhecimento sobre o que acontece no corpo quando ele começa a morrer. É um processo gradual.

A maioria das pessoas aceita a ideia de sua própria morte intelectualmente, mas não emocionalmente. Eles realmente não acreditam que vão morrer até que recebam aquele tapa existencial e percebam que sua doença vai realmente matá-los. Após essa compreensão, eles podem experimentar depressão, ansiedade, desespero, raiva e uma perda de identidade e significado. Essa fase costuma durar em média três meses. Quando a angústia inicial diminui, as expectativas mudam e os pacientes encontram maneiras de lidar com a situação. Eles podem até encontrar um novo significado na vida e uma compreensão mais intensa de quem são.

Dear descreve quatro trajetórias possíveis:

  1. Saúde relativamente boa seguida por uma morte rápida
  2. Deterioração gradual culminando em morte
  3. Um curso oscilante de complicações e melhoras
  4. Anos de fragilidade progressiva até que o corpo não consiga se recuperar das complicações de uma infecção ou de um osso quebrado.

O cenário 4 é o mais provável. A medicina moderna nos mantém vivos e nos permite ficar doentes por mais tempo. Testemunhas tendem a descrever uma qualidade de vida inferior para pessoas no leito de morte, mas estudos têm mostrado que os próprios pacientes avaliam sua qualidade de vida igual à de pessoas saudáveis, ou às vezes até melhor.

Todos nós temos que morrer de alguma coisa, e prevenir uma causa de morte só aumenta a incidência de mortes por outras causas.

Os 5 estágios de luto de Elizabeth Kübler-Ross na doença terminal são negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Eles não foram validados por pesquisas revisadas por pares e são frequentemente mal interpretados. Eles não se aplicam a todos e não acontecem em uma ordem específica.

Os pacientes não têm tanto medo de morrer, mas sim da dor, de perder o controle e de se tornar dependentes de outras pessoas. Um dos atrativos da medicina alternativa é que ela pode dar a ilusão de controle. E pode oferecer uma ilusão de certeza onde a medicina convencional é incerta. 80% dos prognósticos sobre quanto tempo um paciente viverá estão errados. “O médico disse que eu tinha 6 meses de vida” é um mal-entendido. Os médicos não podem prever o futuro; na melhor das hipóteses, eles podem apenas oferecer uma estimativa baseada na expectativa de vida histórica média de pacientes mais ou menos comparáveis.

80% dos estadunidenses dizem que querem morrer em casa, mas apenas 30% de fato morrem. Eles podem não conseguir escolher, ou podem mudar de ideia quando o atendimento domiciliar se mostrar inviável ou problemático por vários motivos. Mais e mais pacientes estão morrendo em hospícios, onde recebem cuidados paliativos sem a intenção de prolongar a vida. 40% dos pacientes do hospício usam o serviço por duas semanas ou menos.

A dor quase sempre pode ser controlada, mas há uma compensação com efeitos colaterais como a sonolência. Às vezes, a única maneira de aliviar completamente a dor é a sedação paliativa, mantendo o paciente inconsciente. Dor não é o mesmo que sofrimento. A mesma dor física causará menos sofrimento se o paciente acreditar que seja temporária.

Intervenções psicológicas estão sendo testadas para ajudar as pessoas a lidar melhor com a morte. Elas podem ajudar os pacientes a reavaliar suas prioridades, encontrar significado em suas vidas, desenvolver atitudes positivas, resolver negócios inacabados e conflitos pessoais e expressar as coisas que desejam dizer aos entes queridos. A morte iminente pode ser retratada como um estágio normal da vida, uma segunda chance para corrigir erros do passado e uma oportunidade para o progresso pós-traumático.

Dear discute por que algumas pessoas desejam apressar sua morte e descreve formas legais e ilegais de fazer isso. Ela discute fenômenos como alucinações, delírio, percepções de experiências de quase morte (EQMs), agitação terminal, vontade de escapar de algo, visões, estertor da morte e lucidez terminal onde um paciente inconsciente fica acordado, lúcido e coerente antes de morrer. À medida que os sistemas corporais são desativados, as pessoas perdem o interesse no mundo exterior. Elas perdem a fome, depois a sede, depois a fala e a visão. A audição e o toque são os últimos a desaparecer. Elas podem entrar em um estado semelhante ao sonho. A própria morte geralmente é indolor e pacífica.

Ela apresenta fatos embasados através de referências a estudos científicos e ilustrados por anedotas. A maior parte do que ela diz não é polêmico. Mas nem todos concordariam com sua caracterização de “morte ativa”. Um dos instrutores de meu programa de residência foi designado para gerenciar uma ala de pacientes terminais durante seu treinamento. Ele disse aos pacientes que eles não estavam morrendo, eles estavam vivos (e que continuariam a viver até que morressem de fato). Ele tentou criar um ambiente agradável na enfermaria e deu aos pacientes permissões para fazer as coisas que gostavam de fazer, como pescar. Seus superiores ficaram muito chateados porque seus pacientes estavam morrendo por todo o condado, em vez de morrerem em seus leitos de hospital. Ele achou que era uma coisa boa e eu também.

Este pequeno livro (206 páginas) contém uma riqueza de informações e incentivos para reflexão. A menos que você tenha descoberto de alguma forma o segredo da imortalidade, acho que você se beneficiaria lendo isso. Eu sei que sim. Sinto-me melhor informada e melhor equipada para enfrentar minha própria morte e a morte de meus entes queridos.